Frases que denunciam pseudo-psicólogos e falsos terapeutas
Maceió-AL

Siga-nos

Frases que denunciam pseudo-psicólogos e falsos terapeutas

 O ambiente de superinformação que constitui a internet faz com que ideias, teorias e propostas de eficácia duvidosa proliferem e se multipliquem.

 Além disso, charlatães, falsos psicólogos e personagens com delírios de redenção espiritual encontraram o caminho para difundir sua concepção de saúde mental, colocando seriamente em risco a saúde das pessoas. Como reconhecer um charlatão quando você está na frente dele? 

charlatão ilustração tubarão-min.jpg
charlatão ilustração tubarão


Percorrendo o imenso número de páginas da web dedicadas a supostas teorias revolucionárias, detectamos as 6 frases mais comuns utilizadas por elas:


 1. "Eu não trato doenças, eu trato o bem-estar das pessoas"

A crença popular se espalhou de que as doenças são causadas pela ciência médica e, pior ainda, que o objetivo da medicina é manter as pessoas doentes. Episódios históricos como a peste bubônica na Europa ou a epidemia de varíola que quase exterminou os astecas com a chegada dos espanhóis são convenientemente esquecidos pelos promotores dessa ideia. Alguns charlatães um pouco mais letrados citam duas ou três referências a Focault para afirmar que a medicina mata , e que eles, como não são médicos, não matam. Esse argumento é tão válido quanto garantir que o tabaco não mata, porque é natural.


 2. "Para curar doenças, é preciso curar o corpo e a alma"

A dualidade corpo-alma pertence ao campo da filosofia . Para ciências da saúdeÉ mais do que claro que as funções biológicas são o suporte das funções mentais e que estas dependem das primeiras. Da mesma forma, sabemos que as funções mentais podem desencadear processos biológicos em um sistema de feedback duplo. Esse sistema envolve a comunicação químico-elétrica entre entidades neurológicas, imunológicas e endócrinas por meio de eixos químicos e redes de recepção-ação. Essa interação não permite uma análise do tipo causa-efeito, mas sim um ciclo. Ou seja, um evento psicológico desencadeia um evento biológico, mas esse evento psicológico poderia ter ocorrido graças ao fato de ter sido permitido por um evento biológico anterior. Como este sistema é muito complexo para charlatões, é mais fácil recorrer à alma e outras entidades às quais todos os tipos de faculdades podem ser atribuídos sem qualquer explicação além de "energias".


 3. "Você vai se curar se for a sua hora de curar, não posso violar as leis universais"

A noção de leis universais, regras eternas, axiomas naturais, informações cósmicas e outros conceitos desconexos tornaram-se particularmente populares, espalhando-se irresponsavelmente na televisão e no cinema, tratando-os como verdadeiros, inquestionáveis ​​e absolutos. O nível de aceitação que elas causaram atinge níveis de fanatismo, especialmente porque basta revisar um pouco essas idéias para perceber que elas têm o mesmo fundamento de qualquer outro esoterismo. Ligado a essas idéias, optou-se por usar a noção de cura , que geralmente é definida de forma semelhante ao nirvana. O que acontece quando baseamos um processo terapêutico em uma ação esotérica? Nada. Por isso é dado ao tempoo poder final de decidir sobre o estado de saúde do paciente. Esses charlatães são como o Rei do Pequeno Príncipe, que afirmava que todo o universo o obedecia. Quando O Pequeno Príncipe pede ao Rei uma prova de tal poder magnífico, o Rei pergunta ao sol "Sol, pôr-se!" Como o sol não se pôs, o pequeno príncipe questionou o rei: "Por que o sol não te obedece?" ao que o Rei responde: "Ele me obedecerá quando chegar a hora."


4. "Não utilizo registros ou estudos, porque lido com o presente vital, não com o passado"

Muitos movimentos da pseudopsicologia, ou incursões falaciosas de psicologias não clínicas no campo da saúde, caracterizam-se por uma rejeição absoluta dos métodos de coleta e monitoramento da informação clínica, sob o pretexto de que o que interessa ao paciente é o seu bem-estar atual e não seus problemas anteriores. Portanto, desconsideram-se os prontuários, as notas de evolução e os antecedentes hereditários-familiares, esperando que tenha algum tipo de efeito terapêutico, pois "se algo não é lembrado é como se não existisse". Para um charlatão, gastar tempo coletando, analisando e descrevendo informações clínicas é uma perda de tempo e um ato que viola as leis de saúde em quase todos os países.


5. "Depois da sessão, não tente pensar no que aconteceu, o tratamento fará o seu trabalho na hora certa", ou "Para que isso funcione, você tem que parar de pensar e começar a sentir"

O pensamento crítico é o grande inimigo dos charlatães, e é por isso que muitas vezes eles manipulam seus pacientes, induzindo-os a pensar que pensar é ruim, ou simplesmente prejudicial ao tratamento. Desse modo, encontramos pseudo-terapias que garantem que seu processo de ação seja tão profundo e pessoal que, se a pessoa tentar entender ou explicar o que aconteceu, o efeito simplesmente se perderá. Isso é muito parecido com o mito do homem que sempre soube qual número da loteria seria o vencedor, só que se contasse a alguém ou se valesse desse conhecimento, naquele momento o número ganhador mudaria para outro. Todos os pacientes têm o direito a uma segunda opinião, ao consentimento informado e a fazer tantas perguntas quanto necessárias para compreender o tratamento no qual devem se envolver.

 6. "Se não deu certo é porque você não seguiu o tratamento corretamente"

Por fim, constatamos que os tratamentos promovidos pelos charlatães têm garantia de 100% de eficácia, apenas por um pequeno detalhe: eles dependem de cada passo ser seguido à risca com precisão cirúrgica, do que caso contrário o tratamento falha. Isso se opõe totalmente à simplicidade e clareza com que explicam as causas de uma condição. Ao contrário, muitos tratamentos pseudo-psicológicos recorrem a explicações de seu funcionamento tão complicadas que nem mesmo seus promotores sabem explicá-las com clareza. Assim como na Idade Média os fenômenos da eletricidade estática eram tão espetaculares que os alquimistas os usavam para surpreender as massas, hoje encontramos falsos terapeutas que recorrem a ramos da ciência como a mecânica quântica, a teoria das cordas.


Se você é um paciente e ouve uma dessas frases, ou uma paráfrase deles, de um profissional autoproclamado, é quase certo que seja um charlatão. Se você é psicólogo e está em busca de novos horizontes de especialização, preste atenção às frases com as quais a terapia de seu interesse é promovida, para não cair em incursões falaciosas de teorias psicológicas no ambiente clínico.

Artigo publicado  na Actualidad Clínica 

LAS 6 FRASES QUE DELATAN A LOS CHARLATANES, PSEUDOPSICÓLOGOS Y FALSOS TERAPEUTAS

Posted by Mtro. Cesar Andres Monroy Fonseca 

Perfil:César Andrés Monroy Fonseca é graduado em Psicologia pela Universidade Claustro de Sor Juana (México), mestre em Neurociências pela Universidade de Barcelona (Espanha), Cientista de Pesquisa Clínica Sênior da ACRP (EUA) e Pesquisador Ativo do México Sistema de Pesquisa em Psicologia. Ele realizou vários experimentos testando as hipóteses de tratamento mais avançadas, incluindo inibição vascular, inibição de DPP4, inibição de PDE-4, proteínas de choque calórico e o uso de anticorpos monoclonais. Sua experiência clínica varia de doenças neurológicas, como esclerose múltipla, coreia de Huntington, epilepsia e demência de Alzheimer, até situações clínicas altamente complexas, como psicose não afetiva e o tratamento da depressão secundária a uma doença médica.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem