{ads}

Epidemia persistente: bactéria transmitida por ácaros continua causando estragos no Nepal

Leia outros artigos :

Iaques carregando mantimentos no Nepal


Na semana passada, uma mulher de 40 anos, residente na área de New Baneshwar, em Katmandu, foi conduzida às pressas ao pronto-socorro do Hospital Civil, queixando-se de fraqueza nos membros. Apesar de ter ingerido medicamentos após diversos exames em uma clínica particular, seus males persistiam: febre elevada e intensas dores no corpo, cefaleia, dor abdominal, bem como dores articulares e musculares.

"Os médicos do Hospital Civil prescreveram uma série de exames, incluindo testes de tifo, que inicialmente apontaram um resultado positivo", compartilhou um parente, que preferiu manter o caso em sigilo. "Contudo, os médicos consideraram o resultado do teste como falso positivo, recomendando uma segunda análise. Surpreendentemente, o segundo teste também confirmou a presença do tifo do arbusto."

O tifo do arbusto, ou tifo do mato, é uma enfermidade infecciosa provocada pelo parasita Orientia tsutsugamushi, uma bactéria transmitida por ácaros. A infecção ocorre em humanos quando são picados por larvas infectadas (ácaros larvais) encontradas em roedores.

Até o momento, acreditava-se que as pessoas que residem em áreas rurais ou trabalham em pastagens e campos enfrentavam um risco elevado de infecção. No entanto, observa-se um aumento preocupante de casos em indivíduos provenientes de ambientes urbanos, indicando uma crescente ameaça dessa doença fatal.

A Divisão de Epidemiologia e Controle de Doenças, encarregada de conter surtos no país, relatou que mais de 3.900 pessoas foram infectadas pelo tifo desde janeiro de 2023.

"Surpreendentemente, muitos residentes em áreas urbanas testaram positivo para o tifo", disse o Dr. Gokarna Dahal, líder da Secção de Controlo de Vetores da divisão. "Apesar de as áreas rurais continuarem sendo as mais afetadas, os habitantes urbanos também têm contraído a doença e precisado de internação hospitalar."

De acordo com os funcionários da divisão, mais de 1.000 pessoas na província de Sudurpaschim testaram positivo para a doença este ano. Distritos como Kailali e Kanchanpur, na província de Sudurpaschim, e Nuwakot e Dhading, na província de Bagmati, estão entre as áreas mais impactadas, registrando o maior número de casos. As autoridades alertam que a quantidade de infectados pode aumentar nos próximos dias, pois a temporada de tifo ainda persiste, e leva tempo para que todos os casos sejam registrados no sistema governamental.

Os médicos ressaltam que febre alta, cefaleia, dor abdominal, dor nas costas, dores articulares e musculares, erupções cutâneas vermelhas, náuseas e vômitos são alguns dos sintomas da infecção por tifo.

Em casos graves, os pacientes podem apresentar sangramentos, o que pode levar à falência de órgãos. A infecção também pode causar dificuldades respiratórias, inflamação do cérebro e dos pulmões, insuficiência renal e, eventualmente, falência de múltiplos órgãos. Se não tratada imediatamente, a doença pode ser fatal.

O Nepal testemunhou um aumento nos casos de tifo após os trágicos terremotos de 2015, que resultaram na perda de quase 9.000 vidas.

Três meses após os terremotos, o Instituto de Ciências da Saúde BP Koirala, em Dharan, alertou a Divisão de Epidemiologia e Controle de Doenças sobre seis crianças com febre incomum e graves problemas respiratórios. Amostras de soro foram coletadas para análises posteriores em Katmandu e Bangkok, confirmando um surto de tifo. Na época, quatro crianças já haviam falecido durante o tratamento. Até o final de 2015, foram confirmados 101 casos em 16 distritos, e mais quatro pessoas sucumbiram à doença.

A magnitude do surto aumentou em 2016, com 831 casos de tifo relatados em 47 distritos, e 14 óbitos até o fim daquele ano. Segundo dados do Ministério da Saúde e População, mais de 1.026 pessoas foram infectadas pela doença em 2020. Em 2021, esse número aumentou para 1.999, e em 2022, ultrapassou 2.900 casos. O tifo, uma doença tropical negligenciada, emerge como um novo desafio de saúde no Nepal, de acordo com os especialistas.

Os médicos enfatizam que o risco de gravidade e mortalidade pode ser minimizado se os pacientes forem diagnosticados e tratados precocemente.

"O dilema reside no fato de que a maioria dos hospitais e profissionais de saúde ainda não recomenda os testes de tifo", observa o Dr. Sher Bahadur Pun, chefe da Unidade de Pesquisa Clínica do Hospital de Doenças Tropicais e Infecciosas de Sukraraj. "O atraso no diagnóstico acarreta um início tardio do tratamento, aumentando assim o perigo para a saúde dos indivíduos infectados."

Os médicos destacam que antibióticos comuns como doxiciclina e azitromicina, listados como medicamentos essenciais fornecidos pelo governo para distribuição gratuita em unidades de saúde em todo o país, têm a capacidade de curar a doença, se administrados precocemente.
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.