A Líbia é um 'mercado de seres humanos'
Maceió-AL

Siga-nos

A Líbia é um 'mercado de seres humanos'

Por Jan Bornman

Muitos migrantes e refugiados africanos veem a travessia do Mar Mediterrâneo como a única chance de uma vida melhor. Sally Hayden conta suas histórias angustiantes em My Fourth Time, We Drowned.

À medida que a guerra na Ucrânia continua, a União Europeia e o resto do mundo estão testemunhando o maior influxo de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.
Horizonte, Líbia em Trípoli
Horizonte, Líbia em Trípoli 


A maioria das mais de 5,2 milhões de pessoas que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças, já que a Rússia continua a atacar áreas residenciais indiscriminadamente, incluindo hospitais e prédios de apartamentos. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados estima que mais 7,1 milhões de pessoas estão deslocadas internamente na Ucrânia.

A Polônia recebeu mais de 2,9 milhões de pessoas fugindo do conflito, enquanto outros países como Romênia, Moldávia e Hungria também receberam um número significativo de refugiados. Os vizinhos da Ucrânia têm sido muito receptivos aos que fogem do conflito, mas há relatos de migrantes e refugiados da África, Oriente Médio e Sul da Ásia sendo empurrados para o fundo das filas para a partida de ônibus e trens.

É inegável que o racismo e a xenofobia desempenharam um papel na forma como as pessoas são tratadas e usadas para determinar quem tem preferência para sair. Eles têm sido uma característica proeminente na resposta da Europa às crises de refugiados e migrantes que ocorreram naquele continente e no Mediterrâneo na última década.

Os esforços da Europa Oriental para impedir que refugiados do Oriente Médio cheguem à Europa Ocidental estão bem documentados, com guardas de fronteira forçando as pessoas a recuar, atirando nelas e mantendo-as em centros de detenção por longos períodos de tempo. A Europa também fechou acordos com países como Turquia e Líbia para impedir que migrantes e refugiados cheguem ao continente.


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Centros de detenção

É por causa desse contexto que o livro de Sally Hayden My Fourth Time, We Drowned é tão relevante. Hayden, um premiado jornalista irlandês cujo trabalho se concentra na migração, conflitos e crises humanitárias, pinta um quadro perturbador das consequências das tentativas da UE de impedir a migração para a Europa. Estes incluem a criação do Fundo Fiduciário de Emergência da União Europeia para abordar as "causas profundas da migração irregular e das pessoas deslocadas em África".

Outras tentativas de impedir a passagem de pessoas para a Europa incluem um acordo de 100 milhões de euros entre a Itália e a Líbia, pelo qual a guarda costeira líbia será treinada e equipada para "deter o influxo de imigrantes ilegais".

Isso fez com que os migrantes que tentavam atravessar o Mediterrâneo fossem interceptados e escoltados de volta à Líbia, onde muitos são detidos indefinidamente em condições desumanas em centros de detenção em todo o país do norte da África.

É aqui que começa a reportagem de Hayden, depois que ela recebeu uma mensagem no Facebook em 2018 de um homem eritreu detido em um desses centros. Na época, recomeçaram os combates na Líbia, com o conflito nas ruas. Muitos migrantes e refugiados foram deixados para trás em centros de detenção enquanto os guardas fugiam.

A história começa com uma das figuras centrais do livro de Hayden, o jovem refugiado eritreu Kaleb. O livro segue suas muitas tentativas de cruzar o Mediterrâneo, que terminam com ele em centros de detenção na Líbia e abusado por traficantes de seres humanos.

Sua história de tentar encontrar uma vida melhor na Europa é contada em detalhes meticulosos, começando em um barco apertado enquanto Kaleb e outros migrantes e refugiados tentam cruzar o Mediterrâneo. "O mar estava escuro, a água fria. Algumas das cem pessoas no barco estavam chorando baixinho, estômagos revirando enquanto vomitavam de enjoo. As mulheres ocasionalmente gritavam, agarrando seus filhos enquanto rogavam ao Senhor", escreve Hayden.

Jornada de terror

A guarda costeira da Líbia mais tarde interceptaria o barco, iniciando a jornada de horror do jovem. "A interceptação de Kaleb no mar marcou a culminação esmagadora de todo o tempo e mais de US$ 10.000 que ele pagou enquanto tentava alcançar a segurança. Suas esperanças foram obliteradas pelo endurecimento da política de migração européia em sua forma mais brutal", escreve Hayden.

Sua reportagem documenta minuciosamente os anos de desespero e desesperança que os migrantes e refugiados mantidos nesses centros de detenção enfrentaram, onde passaram fome e foram maltratados pelos guardas. Mas o livro também contém relatos em primeira mão do tráfico de seres humanos e dos mercados de escravos modernos que prosperam no país.

No Souq al Khamis, um centro de detenção de imigrantes na cidade portuária de Khoms, na Líbia, os imigrantes alertam os recém-chegados sobre o que esperar escrevendo nas paredes. "Quem vem a esta casa, que Deus o ajude", diz uma mensagem. "A Líbia é um mercado de seres humanos."

Alguns migrantes e refugiados foram vendidos a traficantes diretamente deste centro de detenção. Os traficantes exigiam resgates de até US$ 20.000 de suas famílias. Onde as famílias não conseguiram pagar o dinheiro do resgate, muitos foram espancados e mortos. Com relatos detalhados de muitos dos mantidos no Souq al Khamis e outros centros como este, Hayden mostra o preço que essas condições tiveram sobre os migrantes e refugiados que já arriscaram suas vidas, repetidamente, em muitos casos, para deixar suas casas.

Sem ajuda de trabalhadores humanitários

Cerca de 20 pessoas detidas em Khoms tentaram se matar em dezembro de 2018, com um homem dizendo a Hayden: "O mundo não pode nos encontrar, estamos especialmente isolados. Alguns estão ficando desesperados. Estamos vivendo em um inferno escuro. "

Enquanto sua reportagem lança luz sobre as condições horríveis que migrantes e refugiados enfrentam em sua perigosa jornada apenas para chegar à Líbia, o trabalho de Hayden também lança luz sobre a corrupção e a inépcia de organizações não governamentais carreiristas e trabalhadores de agências de ajuda. Algumas das histórias do livro de Hayden pintam um quadro preocupante sobre aqueles que deveriam ajudar e apoiar algumas das pessoas mais vulneráveis ​​em áreas de conflito e desastres.

Mostra um contingente de trabalhadores focados no autoenriquecimento e na progressão na carreira. Em um relato particularmente chocante, Alessandra Morelli, representante do Alto Comissariado da ONU para Refugiados no Níger, comparou os refugiados reclamando de seu tratamento e do fracasso da agência de ajuda em ajudá-los a crianças fazendo birra.


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

My Fourth Time, We Drowned não apenas detalha os efeitos das falhas sistemáticas contínuas e sustentadas por aqueles na UE para lidar com a migração e as crises humanitárias globais que forçam as pessoas a fugir. Também atua como um espelho para o resto do mundo, destacando as contradições na maneira como o mundo vê a guerra na Ucrânia e acolhendo o número sem precedentes de pessoas que fogem desse conflito.

Enquanto o livro de Hayden detalha amplamente os fracassos do mundo ocidental em permitir que pessoas se afoguem no Mediterrâneo, sejam trancadas e abusadas em centros de detenção na Líbia e vendidas, espancadas e mortas por traficantes, também destaca a resiliência daqueles que fogem conflitos e outros desastres enquanto busca novas vidas e oportunidades.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem