Maceió-AL

HIV usa a própria resposta de 'emergência' da célula hospedeira para replicação, diz pesquisador

Veja também

Pesquisadores da Universidade de Missouri e da Universidade de Minnesota descobriram como o HIV escapa a uma das melhores defesas do corpo – e seu trabalho colaborativo pode oferecer esperança para futuros tratamentos que impeçam a propagação do HIV no corpo.

O RNA mensageiro (mRNA) do HIV é conhecido por utilizar o sistema de uma célula hospedeira para criar suas próprias proteínas virais.

A hipermetilação do cap HIV-1 m 7 -G reforça significativamente a produção de vírus infecciosos
A hipermetilação do cap HIV-1 m 7 -G reforça significativamente a produção de vírus infecciosos



 Em resposta, a célula infectada desliga a via infiltrada. Mas, apesar desses obstáculos, o HIV ainda é capaz de se replicar e se espalhar. Pesquisadores e cientistas há muito lutam para determinar como o HIV realiza um truque aparentemente impossível.

O vírus HIV precisa usar a própria fábrica do hospedeiro para se replicar



Xiao Heng, professor associado de bioquímica da MU, estava entre os colaboradores que descobriram que, depois que as vias globais de tradução de mRNA (ferramentas que permitem que uma célula se replique) são desligadas, o HIV pode representar a resposta ao estresse do hospedeiro. Esse disfarce ajuda a obter acesso a caminhos de tradução de emergência, oferecendo essencialmente credenciais forjadas. Essas credenciais forjadas permitem que o HIV entre em áreas "restritas" da célula para que possa continuar produzindo suas próprias proteínas virais.

"Quando a célula hospedeira reconhece o HIV, ela para de se dividir e apenas mantém a sobrevivência", disse Heng. “Em resposta, o HIV aprende com o hospedeiro e usa a maneira como as células reagem quando estão estressadas”.

Após a infecção, o HIV ataca os glóbulos brancos do sistema imunológico . Essas células permanecerão infectadas pelo resto da vida do paciente. Se não for tratado, o HIV pode evoluir para AIDS.

"A AIDS existe há quase quatro décadas, e no início sempre estávamos falando sobre novas terapias antivirais - mas ainda temos 38 milhões de pessoas vivendo com AIDS", disse Heng. “Se formos capazes de identificar e interromper  clinicamente esse processo, poderemos regular o HIV daqui para frente”.

Para ajudar a ilustrar suas descobertas, Heng levou a pesquisa a um grupo de alunos da terceira, quarta e quinta séries em Columbia, Missouri. Depois de discutir seu trabalho e responder a perguntas, ela pediu aos alunos que desenhassem como imaginavam o processo dentro de uma célula. A criatividade deles ofereceu a Heng outra maneira de descrever essas funções complexas.

"O vírus precisa usar a própria fábrica do hospedeiro para se replicar", disse ela. "Mas as células o reconhecem como um intruso e fecham a fábrica. Então o HIV tem que encontrar uma maneira de produzir sua própria proteína necessária. Então, o HIV é capaz de se disfarçar usando um 'chapéu' diferente que lhe permite acessar o hospedeiro vias de emergência. Isso permite que ele produza suas próprias proteínas, se embale e infecte outras células."

Heng espera que sua descoberta possa ser usada para desenvolver tratamentos novos e mais eficazes para o HIV, incluindo um dia encontrar uma cura.

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Fonte: PNAS https://www.pnas.org/content/119/1/e2105153118

  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>