Maceió-AL

O aumento na chantagem sexual online durante a pandemia - Sextortion

Veja também

Predador online - Sextortion

Predador online - Sextortion na pandemia Covid-19


Durante a pandemia, os homens tinham duas vezes mais chances do que as mulheres de serem vítimas de extorsionários online que ameaçavam publicar fotos, vídeos e informações explícitas sobre eles.


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

 
Isso está de acordo com um novo estudo inédito publicado na revista revisada por pares  Victims & Offenders .

Jovens, mulheres negras e nativas americanas e indivíduos LGBTQ também estavam em maior risco desse crime cibernético (conhecido como sextortion), mostrou a pesquisa com mais de 2.000 adultos nos EUA.

Sextortion é uma forma de extorsão na qual o chantagista ameaça publicar imagens ou vídeos explícitos e privados online, a menos que suas demandas sejam atendidas.


O agressor pode ser um parceiro atual ou anterior, um estranho que invadiu as fotos ou a webcam de uma pessoa ou um golpista de namoro online.

Os relatos de sextortion ao FBI aumentaram durante a pandemia, um momento de transição significativa para uma vida mais digital por meio de trabalho remoto e socialização, dizem os pesquisadores.

Desde o início da pandemia, organizações sem fins lucrativos, instituições governamentais e profissionais do direito nos EUA também relataram um aumento substancial na violência sexual facilitada pela tecnologia.

Mas enquanto outras formas de violência sexual facilitada pela tecnologia, como a pornografia não consensual (às vezes chamada de “vingança”), têm sido cada vez mais pesquisadas nos últimos anos, o sextortion tem recebido menos atenção.

Financiado por uma doação da National Science Foundation (NSF) concedida à Florida International University (FIU) e à Cyber ​​Civil Rights Initiative (CCRI), o estudo perguntou a 2.006 pessoas se elas já haviam sido vítimas de sextortion, definido como “o ato de ameaçar expor uma imagem nua ou sexualmente explícita para levar uma pessoa a fazer algo como enviar mais imagens nuas ou sexualmente explícitas, pagar dinheiro a alguém ou realizar atos sexuais”.

Quatro e meio por cento dos homens e 2,3 por cento das mulheres disseram ter sofrido sextortion desde o início da pandemia.

Isso surpreendeu os pesquisadores, que esperavam que as mulheres corressem maior risco.

“Existem várias razões pelas quais os homens dos EUA relataram com mais frequência serem vítimas de sextortion durante a pandemia do que as mulheres”, diz a pesquisadora Dr. Asia Eaton, professora associada de psicologia da FIU e chefe de pesquisa do CCRI.

“Pesquisas recentes destacaram as disparidades de gênero no trabalho de cuidado não remunerado e no trabalho doméstico desde o início da pandemia; é possível que os homens tenham tido mais tempo para passar online do que as mulheres durante a pandemia.”

A tendência dos homens de serem “menos seletivos” do que as mulheres no namoro também pode abri-los a sextortion, acrescenta Eaton, que observa que os homens são mais propensos a serem vítimas de golpes de romance online em geral.

Os resultados também revelaram diferenças relacionadas a raça e sexualidade nas taxas de sextortion, com mulheres negras, mulheres nativas americanas e indivíduos LGBTQ – três grupos que correm maior risco de outros tipos de violência sexual e coerção – também com maior risco de sextortion.

Mulheres negras e nativas americanas eram cerca de sete vezes mais propensas a serem vítimas de sextortion do que mulheres brancas. As taxas em entrevistados LGBTQ foram até três vezes maiores do que em indivíduos heterossexuais.

A idade também foi um fator, com maiores taxas entre 18 a 29 anos, talvez pela maior experimentação sexual e uso de tecnologia nessa faixa etária.

O estudo também descobriu que as pessoas que sofreram violência sexual de um parceiro antes da pandemia eram mais propensas a sofrer sextortion durante a pandemia.

Sextortion foi mais comumente perpetrado por estranhos e parceiros românticos – atuais e antigos.

Os autores do estudo dizem que é necessário mais trabalho para determinar por que o risco de sextortion varia com raça, idade, gênero e orientação sexual, bem como seu impacto no bem-estar das pessoas.

É possível, por exemplo, que o sextortion tenha um impacto mais prejudicial nas mulheres, apesar de ser menos visado do que os homens.

Os pesquisadores concluem que perguntas sobre violência sexual facilitada pela tecnologia devem ser adicionadas aos testes usados ​​por profissionais clínicos para auxiliar na identificação de pacientes que estão em relacionamentos abusivos antes de encaminhá-los para aconselhamento e outras ajudas.

A prevenção também é importante. “Os programas de educação sexual que ensinam sobre consentimento, prazer e comunicação e tomada de decisão de relacionamento saudável podem reduzir a violência sexual pessoal e facilitada pela tecnologia”, diz o Dr. Eaton.

As limitações do estudo incluem que os dados consistem apenas em auto-relatos e que foram coletados apenas no primeiro ano da pandemia.

Fonte: Victims & Offenders 
An International Journal of Evidence-based Research, Policy, and Practice


  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>