{ads}

O Irã é cúmplice do ataque do Hamas a Israel, afirmam os EUA

Leia outros artigos :

Um outdoor anti-Israel é visto em uma rua de Teerã, Irã, em 10 de outubro de 2023.


Os Estados Unidos consideram o Irã, no mínimo, cúmplice no ataque realizado pelo Hamas a Israel, afirmou o Departamento de Estado na terça-feira, após ressaltar que não possui provas diretas do envolvimento de Teerã.

O porta-voz Matthew Miller comunicou aos repórteres que o governo Biden está atualmente buscando determinar se o regime do Irã ou componentes de seu sistema contribuíram para o planejamento do ataque conduzido pelos militantes do Hamas.

"O Irã provavelmente estava ciente de que o Hamas planejava operações contra Israel, mas não temos detalhes precisos sobre o momento ou a extensão do que aconteceu", explicou Miller durante uma coletiva de imprensa do Departamento de Estado.

A República Islâmica tem apoiado o Hamas ao longo dos anos. No entanto, ainda não está claro em que medida os Guardiães da Revolução Islâmica do Irã (IRGC) estiveram envolvidos na operação mais recente do Hamas.

Ghazi Hamad, porta-voz do Hamas, afirmou à BBC que o grupo recebeu apoio direto do Irã para o ataque a Israel. Uma reportagem do Wall Street Journal sugeriu o mesmo, citando fontes não identificadas do Hamas e do Hezbollah.

O Irã negou qualquer envolvimento na operação, que resultou na morte de mais de 1.200 israelenses. "Dizem que o Irã Islâmico estava por trás dessa ação... estão errados... Os próprios palestinos a realizaram", declarou o Líder Supremo Ali Khamenei na terça-feira.

Em ocasiões anteriores, ele orgulhosamente afirmou que seu regime participou de conflitos contra Israel, como a guerra de 33 dias com o Hezbollah em 2006, e que o Irã continuará a apoiar "qualquer grupo que combata o regime sionista".

A extensão do envolvimento do regime no ataque do Hamas, quando estiver claramente estabelecida, provavelmente influenciará a natureza da resposta de Israel e dos Estados Unidos. Muitos em Washington já pressionam por medidas retaliatórias, incluindo o congelamento dos 6 bilhões de dólares das receitas antigas do Irã desbloqueadas no mês passado, a fim de garantir a libertação de cinco iranianos-americanos mantidos reféns em Teerã.

Senadores dos EUA escreveram ao presidente Biden, exigindo a negação do acesso a esse dinheiro (atualmente detido em um banco do Catar).

"O Departamento de Estado deveria revogar imediatamente as isenções que permitiam a conversão e a transferência dos fundos iranianos para contas bancárias mais acessíveis", afirmou a carta dos legisladores a Biden, "e trabalhar com o Catar, um aliado dos EUA, para congelar imediatamente as contas que contêm esses fundos".

Os signatários acreditam que os 6 bilhões de dólares, mesmo que utilizados inteiramente para fins humanitários, liberariam outros recursos no Irã para atividades "malignas".

Em resposta a esse argumento, o porta-voz do Departamento de Estado afirmou que "nem um centavo" dos 6 bilhões de dólares foi gasto até o momento. "E temos a capacidade de congelá-lo a qualquer momento", concluiu Miller.

O ataque do Hamas a Israel provocou a indignação daqueles que acreditam que alertaram a administração Biden sobre as consequências de sua abordagem tolerante em relação ao regime do Irã.

"As concessões aos aiatolás nos fizeram acreditar que a América não se defenderá a si mesma ou a nossos aliados", disse o senador Tom Cotton à Fox News na terça-feira: "O presidente Biden deve reverter suas políticas que encorajaram o Irã e seus representantes terroristas".

Parece que essa será uma linha de ataque que os republicanos não abandonarão tão cedo.

"Não se enganem: a violência genocida do Hamas foi parcialmente possibilitada pelo descongelamento de bilhões de dólares por Biden para o Irã", declarou o senador Ted Cruz na terça-feira.

Tim Scott, outro senador republicano que é membro graduado da Comissão Bancária do Senado, pediu uma audiência e uma investigação sobre o "desbloqueio de 6 bilhões de dólares para o Irã".

"Devemos demonstrar força - e não complacência - quando se trata do Irã", afirmou o senador Scott em uma declaração na terça-feira, "é por isso que agora é o momento de aprovar minha Lei de Fortalecimento das Sanções ao Irã e enviar a mensagem de que o Irã não deve esperar que as sanções dos EUA caduquem".
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.