Maceió-AL

"O significado da liberdade é o mesmo para todos os povos." As histórias de três soldados estrangeiros mortos na Ucrânia

Veja também

As histórias de três soldados estrangeiros mortos na Ucrânia
As histórias de três soldados estrangeiros mortos na Ucrânia 
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,29/11  de 2022




Eles vieram dos EUA, Reino Unido e Geórgia. Como as famílias explicam a decisão deles.

A Plataforma do Memorial de Kiev, em colaboração com jornalistas do Libertatea, coletou informações e testemunhos sobre três soldados estrangeiros – um americano, um britânico e um georgiano – que deram suas vidas pela Ucrânia. O que os fez arriscar por um conflito que não envolvesse os militares de seu país?   



🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

Stephen Zabielski – o americano que teve 5 filhos adotivos 

O americano de origem polonesa tinha 52 anos. Em 22 de março, Stephen chega à Ucrânia, acreditando que pode ajudar o exército ucraniano. Ele teve uma vasta experiência militar durante a Guerra do Golfo Pérsico. Infelizmente, ele foi morto pelos russos em 15 de maio na região de Donetsk. Ele era casado, tinha 5 filhos adotivos, vinha de uma família numerosa com 7 irmãos e irmãs. Ele era um fã de motocicletas Harley-Davidson.  Ele anunciou para sua família no jantar "Quando em fevereiro a Ucrânia, por meio de seu presidente Volodymyr Zelensky, pedia a ajuda de todo o mundo, percebi como o comportamento de meu marido mudou repentinamente. Stephen tinha raízes polonesas e se sentia próximo dos ucranianos", disse Fran Fulci Zabielski, esposa do soldado americano morto na Ucrânia, ao Libertatea. Ele decidiu ir para a guerra durante um jantar em família, argumentando que os ucranianos também têm filhos e têm o direito de ser livres. "Stephen disse que tinha que ajudar o povo ucraniano, argumentando que se ele não se envolvesse agora, a guerra viria para a América", disse Fran Fulci, esposa do soldado morto.


Uma experiência valiosa para o exército ucraniano 

Militares estrangeiros lutando nas Forças Armadas da Ucrânia foram muito importantes para o sistema de defesa ucraniano.  A esposa de Stephen Zabielski afirma que ele foi chamado por seus colegas de "o padrinho de suas vidas". E o pai de Jordan Gatley sempre se lembra de seu filho dizendo que ele estava participando da Ucrânia em "missões muito perigosas, mas ao mesmo tempo muito necessárias". Muitos de seus camaradas de armas são gratos a ele por suas instruções e conselhos oportunos com base em sua experiência militar nos últimos anos. A mulher conta a Libertatea que o corpo sem vida de Stephen chegou em casa somente após 3 semanas. 


“Retirei $ 10.000 do fundo de pensão para transportar seus restos mortais da Ucrânia para a Polônia. Ele foi cremado nos EUA. Era isso que ele queria que eu fizesse caso algo acontecesse e ele morresse antes de mim", afirma Fran Fulci.

Ela conta como a memória do marido ficou na memória daqueles que ele salvou. E ele dá como exemplo o momento final. Ele descreve secamente: “Stephen estava empurrando outro soldado para fora da estrada minada. Graças a esse fato, o soldado permaneceu vivo e meu marido morreu”. 
Foto enviada à redação pela família do militar
Foto enviada à redação pela família do militar 

Jordan Gatley - o britânico de 24 anos, morto por um atirador russo 

O britânico Jordan Gatley foi um dos primeiros estrangeiros a chegar à Ucrânia desde o início da guerra. Ele lutou na Legião Internacional até junho, quando foi morto perto de Severodonetsk, no Donbass, por um franco-atirador russo. As batalhas em que participou foram chamadas por seu comandante de "inferno na terra".

"Ele não podia ficar em casa" Dean Gatley, pai do soldado britânico, afirma que seu filho não poderia ficar indiferente aos terríveis acontecimentos na Ucrânia. "Ele queria ajudar os ucranianos a lutar de forma mais eficaz contra os invasores russos", diz Dean, acrescentando que seu filho era um herói destemido e não podia ser persuadido por ninguém a ficar em casa.

Jordan Gatley com seu pai Dean no início de sua carreira militar. ele tinha 18 anos
Jordan Gatley com seu pai Dean no início de sua carreira militar. ele tinha 18 anos 


Algumas das cinzas foram enviadas para os militares na Ucrânia O pai de Jordan diz que o corpo sem vida de seu filho chegou em casa após 6 semanas. Ele foi cremado e algumas das cinzas foram enviadas para seus companheiros no front. "Jordan lutou pelas pessoas que precisavam de sua ajuda, não importa onde morassem. Ele queria impedir Putin de ocupar outros estados europeus. Os ucranianos disseram-nos que ele salvou muitas vidas humanas”, refere o pai do soldado britânico Jordan Gatley, acrescentando que o seu filho foi mencionado postumamente pelo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pelo seu heroísmo.

Foto enviada à redação pela família do militar
Foto enviada à redação pela família do militar 

David Ratiani – o georgiano que voltou vivo do Afeganistão, mas morreu na Ucrânia

 O georgiano David Ratiani tinha 50 anos quando foi morto no território da Ucrânia após a explosão de uma mina. Ele tinha 27 anos de experiência no exército, participou da missão de paz no Afeganistão em 2008. Antes da explosão da mina, ele ajudava um companheiro de combate na França que havia machucado a perna. Ele tinha uma esposa e filhos.

Foto enviada à redação pela família do militar
Foto enviada à redação pela família do militar 



Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

"Ele estava lutando pela Ucrânia, sonhando em resolver os problemas da Geórgia" 

Ia Ratiani, esposa do soldado georgiano David, chamado de Dato pelos amigos, afirma que ninguém conseguiu convencer o marido a não vir em auxílio do exército ucraniano. David Ratiani era originário da Abkhazia, de uma cidade ocupada pela Rússia, por isso "lutava pela Ucrânia, sonhava em resolver os problemas da Geórgia". "Antes de partir, ele falou com as crianças, explicando-lhes que iria para a guerra por elas, pela paz na Ucrânia e na Geórgia", disse a mulher ao Libertatea. Ele acrescenta que a Ucrânia ajudou muito o povo georgiano durante a guerra na Abkházia.
Ia Ratiani e seu marido, David
Ia Ratiani e seu marido, David


"Dato salvou minha vida após a morte" "Dato foi um herói e morreu como um herói: ajudando um soldado francês que tinha problemas nas pernas e não conseguia chegar sozinho ao nosso centro. Era uma história típica dele - ajudar o próximo", diz Oleksii Bobrovnikov, soldado e jornalista ucraniano, que lutou lado a lado com o georgiano David Ratiani. O ucraniano menciona que antes de sua morte, David deu a ele o uso de seus óculos de combate tático por um tempo, salvando sua vida em um ponto. "Caminhamos 300-400 metros em um campo, os russos podiam nos ver muito bem. Sem óculos eu não poderia ter chegado ao meu destino à noite. Foi assim que o David salvou a minha vida sem já estar connosco”, recorda o militar.  
David Ratiani e Oleksii Bobrovnikov no outono de 2021
David Ratiani e Oleksii Bobrovnikov no outono de 2021 

"Achei que ele voltaria vivo para casa" Ia Ratiani acreditava que seu marido voltaria vivo para casa, sabendo que ele tinha muita experiência militar. A esposa do soldado georgiano soube em 18 de março que dois cidadãos georgianos foram mortos na Ucrânia. Ela continuou esperando que não fosse seu marido. Em algum momento ela foi chamada pelas autoridades e informada da morte de David.

"Tudo em mim morreu. Jamais esquecerei os olhares assustados das crianças e a voz dolorida de sua irmã, mas, acima de tudo, cuidei da mãe de David. Eu queria sumir da face da terra porque não consegui acalmá-la de forma alguma então...", Ia Ratiani lembra o momento em que soube que seu marido foi morto na Ucrânia. 
A esposa do soldado acredita que "o bem vencerá o mal de qualquer maneira". "Embora a Ucrânia não seja nossa pátria, o significado de liberdade é o mesmo para todos os povos", diz Ia Ratiani.
Na Geórgia, David Ratiani deixou dois filhos
Na Geórgia, David Ratiani deixou dois filhos 



📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências
https://www.libertatea.ro/stiri/sensul-libertatii-este-acelasi-pentru-toate-popoarele-povestile-a-trei-militari-straini-morti-in-ucraina-4362755
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>