Maceió-AL

China se move para esmagar protestos contra covid e estudantes são enviados para casa; polícia em patrulha

Veja também

Pessoas se reúnem na Universidade de Columbia, em Nova York, na segunda-feira, durante um protesto em apoio aos protestos na China que pedem o fim das duras restrições do COVID-19
Pessoas se reúnem na Universidade de Columbia, em Nova York, na segunda-feira, durante um protesto em apoio aos protestos na China que pedem o fim das duras restrições do COVID-19
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,29/11  de 2022




Estudantes mandados para casa, polícia em patrulha enquanto China restringe protestos

As autoridades diminuíram alguns controles após manifestações em pelo menos oito cidades do continente e Hong Kong – mas afirmaram que seguiriam uma estratégia de “zero-COVID” que confinou milhões de pessoas em suas casas por meses a fio.

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

As universidades chinesas enviaram estudantes para casa e a polícia se espalhou em Pequim e Xangai para impedir mais protestos na terça-feira, depois que multidões irritadas com as severas restrições antivírus pediram a renúncia do líder Xi Jinping, na maior manifestação pública de dissidência em décadas.

As autoridades diminuíram alguns controles após manifestações em pelo menos oito cidades do continente e Hong Kong – mas afirmaram que seguiriam uma estratégia de “zero-COVID” que confinou milhões de pessoas em suas casas por meses a fio.

Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎


As forças de segurança detiveram um número desconhecido de pessoas e intensificaram a vigilância. Com a polícia em vigor, não houve notícias de protestos na terça-feira em Pequim, Xangai ou outras grandes cidades do continente que viram multidões se reunirem no fim de semana. Esses foram os protestos mais generalizados desde que o exército esmagou o movimento pró-democracia liderado por estudantes na Praça da Paz Celestial em 1989.

Em Hong Kong, cerca de uma dezena de pessoas, a maioria do continente, protestaram em uma universidade.

A Universidade de Tsinghua, em Pequim, onde os estudantes se reuniram no fim de semana, e outras escolas na capital e na província de Guangdong, no sul, enviaram estudantes para casa. As escolas disseram que estavam sendo protegidas do COVID-19 , mas dispersá-las para cidades distantes também reduz a probabilidade de mais manifestações. Os líderes chineses desconfiam das universidades, que têm sido focos de ativismo, incluindo os protestos de Tiananmen.

No domingo, os alunos de Tsinghua foram informados de que poderiam ir para casa mais cedo no semestre. A escola, que é a alma mater de Xi, providenciou ônibus para levá-los à estação de trem ou ao aeroporto.

Nove dormitórios estudantis em Tsinghua foram fechados na segunda-feira depois que alguns alunos deram positivo para o COVID-19, de acordo com um que observou que o fechamento dificultaria a concentração de multidões. O aluno deu apenas seu sobrenome, Chen, por medo de represálias das autoridades

A Universidade Florestal de Pequim também disse que providenciaria para que os alunos voltassem para casa. Ele disse que todos os seus professores e alunos testaram negativo para o vírus. As universidades disseram que as aulas e os exames finais seriam realizados online. As autoridades esperam “desarmar a situação” limpando os campi, disse Dali Yang, especialista em política chinesa da Universidade de Chicago.


📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>