Maceió-AL

OMS: "Acreditamos que o surto de Monkeypox pode ser interrompido"

Veja também

Monkeypox
Monkeypox 
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS NOTÍCIAS   Brasil, Maceió 27 de julho de 2022




O surto de Monkeypox, que se espalha rapidamente, pode ser interrompido, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) na terça-feira, “com as estratégias certas nos grupos certos”.
🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

Mas “o tempo está passando e todos nós precisamos nos unir para que isso aconteça”, alertou a Dra. Rosamund Lewis, líder técnica da OMS sobre Monkeypox, que estava falando na coletiva de imprensa regular em Genebra.

Uma emergência de saúde pública

No sábado, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que a propagação do vírus é uma emergência de saúde pública de interesse internacional (PHEIC), o nível mais alto de alerta da organização. “Através disso, esperamos melhorar a coordenação, a cooperação dos países e todas as partes interessadas, bem como a solidariedade global”, disse Lewis.

A OMS avaliou o risco para a saúde pública do Monkeypox na região europeia como alto, mas no nível global como moderado.

Com “outras regiões não tão severamente afetadas no momento”, era necessário declarar um PHEIC “para garantir que o surto fosse interrompido o mais rápido possível”.

Este ano, houve mais de 16.000 casos confirmados de varíola em mais de 75 países. Dr. Lewis disse que o número real era provavelmente maior.

Ela destacou que na República Democrática do Congo, vários milhares de casos eram suspeitos, mas as instalações de teste são limitadas. “O painel global não incluiu casos suspeitos”, disse ela.

Cerca de 81 crianças menores de 17 anos foram relatadas como infectadas globalmente, acrescentou ela, com a maioria dos casos entre homens jovens, com idade média de 37 anos.

'Estigma tão perigoso quanto vírus'

Identificado pela primeira vez em macacos, o vírus é transmitido principalmente através do contato próximo com uma pessoa infectada (você pode ler nosso explicativo detalhado sobre a doença, aqui).

Até este ano, o vírus que causa Monkeypox raramente se espalhou para fora da África, onde é endêmico. Mas relatos de um punhado de casos na Grã-Bretanha no início de maio sinalizaram que o surto havia se espalhado para a Europa.

O Dr. Lewis destacou que o estigma e a discriminação devem ser evitados, pois isso prejudicaria a resposta à doença.

“No momento, o surto ainda está concentrado em grupos de homens que fazem sexo com homens em alguns países, mas esse não é o caso em todos os lugares”, disse ela. “É realmente importante reconhecer também que o estigma e a discriminação podem ser muito prejudiciais e tão perigosos quanto qualquer vírus em si”, disse ela.

Monkeypox pode causar uma série de sinais e sintomas, incluindo feridas dolorosas. Algumas pessoas desenvolveram sintomas graves que precisam de cuidados em uma unidade de saúde. Aqueles com maior risco de doença grave ou complicações incluem mulheres grávidas, crianças e pessoas imunocomprometidas.

Coordenação de vacinas

Dr. Lewis disse que a OMS está trabalhando com os Estados-membros e a União Européia na liberação de vacinas e com parceiros para determinar um mecanismo de coordenação global. Ela enfatizou que a vacinação em massa não era necessária, mas a OMS havia recomendado a vacinação pós-exposição.

O compartilhamento de vacinas deve ser feito de acordo com as necessidades de saúde pública, país por país e localidade por localidade. Nem todas as regiões tinham a mesma epidemiologia, explicou ela.

O Dr. Lewis enfatizou que os países com capacidade de fabricação para diagnósticos, vacinas ou terapêuticas de varíola e Monkeypox devem aumentar a produção.


Continue a leitura após o anúncio:
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

Os países e fabricantes devem trabalhar com a OMS para garantir que sejam disponibilizados com base nas necessidades de saúde pública, solidariedade e a um custo razoável para os países onde são mais necessários.

Dr. Lewis explicou que cerca de 16,4 milhões de vacinas estavam atualmente disponíveis a granel, mas precisavam ser concluídas. Os países que atualmente produzem vacinas são Dinamarca, Japão e Estados Unidos.

Ela lembrou que a recomendação atual para pessoas com varíola era se isolar e não viajar até que se recuperassem; Casos de contato devem estar verificando sua temperatura e monitorando possíveis outros sintomas pelo período de 9 a 21 dias.

“Quando alguém é vacinado, leva várias semanas para que a resposta imune seja gerada pelo organismo”, disse ela.

O que há em um nome?

Segundo o Dr. Lewis, o nome “Monkeypox” já está presente na Classificação Internacional de Doenças, e um processo teve que ser seguido para potencialmente mudar seu nome. 

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️



🖥️ FONTES : 
Notícias da ONU
Com Agências
📙 GLOSSÁRIO:

Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>