Maceió-AL

Varíola: vacinas e tratamentos em estoque... em antecipação a um ataque bioterrorista

Veja também

AR NEWS NOTÍCIAS 02 de junho de 2022
varíola
varíola

Estamos muito longe da explosão viral do Covid-19 e a versão do "hemisfério norte" da varíola dos macacos pode ser "diferente" da cepa africana. Para combater esta epidemia emergente, as autoridades de saúde têm vacinas e tratamentos para a varíola. Se a varíola foi erradicada há 40 anos, graças à vacinação, ela faz parte das "ameaças" virais ou bacteriológicas identificadas e é objeto de estoques médicos estratégicos.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Três semanas após a detecção de casos de varíola dos macacos (monkeypox em inglês) fora do continente africano, onde esta doença viral é classificada como endêmica, os epidemiologistas ainda não conseguem explicar a trajetória do vírus. 

A ANRS( L’ANRS-maladies infectieuses émergentes ) fizeram um balanço, quinta-feira, 2 de junho, sobre o estado do conhecimento.

1. Como o vírus se espalha?


Seis casos foram diagnosticados no Reino Unido em 12 de maio; em 31 de maio, havia 179 pessoas diagnosticadas em todo o Canal. Foram identificados 321 casos na União Europeia, mais de metade deles na Península Ibérica. Na mesma data, a Public Health France contabilizou 33 casos na França, dos quais mais de dois terços na Île-de-France. A progressão é preocupante, mas sem comparação com o mais recente vírus emergente que abalou o planeta. Nenhuma morte foi relatada desde o aparecimento da varíola no Hemisfério Norte. Este vírus tem um modo de transmissão menos volátil do que o Covid-19.  

Os casos relatados são essencialmente “homens fazendo sexo com homens. Em particular pessoas que tiveram vários parceiros”, diz Alexandra Mailles. Por enquanto, a relação sexual não é identificada como meio de transmissão.
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
“É transmitido por membranas mucosas ou pele com lesões, por gotículas e também pela roupa de casa”.
ALEXANDRA MAILLES (epidemiologista francesa de saúde pública)

2. A contaminação pode ser contida?

“Temos tratamentos e vacinas”, asseguram os infectologistas mobilizados pela ANRS. Em ambos os casos, há estoques e autorizações de comercialização em modo acelerado. Isso decorre de uma antecipação estratégica no caso de um “ataque bioterrorista” ressuscitando o vírus… da varíola, considerada erradicada da superfície do planeta desde 1980.
Os dois vírus são da mesma “família”, sem que os pesquisadores mencionem uma “mutação” da varíola. Do lado do tratamento, o infectologista Xavier Lescure, especialista em doenças infecciosas do departamento de doenças infecciosas e tropicais do hospital Bichat Claude-Bernard AP-HP, fala sobre o tecovirimat, projetado para a varíola, que "mostrou efeitos muito poderosos em animais" . Continuaria contraindicado para crianças, gestantes e imunocomprometidos, mas existe um remédio mais adequado à sua constituição: brincidovofir.
A vacina disponível contra a varíola, MVA, está sendo usada em ensaios clínicos contra “tuberculose, HIV e malária” e, embora sua eficácia em humanos seja desconhecida, tem “100% de eficácia em primatas”, anuncia Brigitte Autran, Professora Emérita de Imunologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Sorbonne.
Nenhuma campanha de vacinação massiva em perspectiva: “O período de incubação da varíola dos macacos é longo, o que possibilita a vacinação após a exposição, bloqueando a propagação do vírus e a transmissão”, assegura Brigitte Autran.

3. Como a doença está evoluindo na África?

Monkeypox tem sido monitorado em países da África Ocidental e Central desde a década de 1970. "É endêmico em regiões florestais remotas, onde a população está em contato com o mundo animal", explica Steve Ahuka Mundeke, chefe do Departamento de Virologia do Instituto Nacional para Pesquisa Biomédica da República Democrática do Congo. "Os reservatórios da doença" não foram identificados, mas é mais provável que sejam roedores do que primatas.


Na RDC, a contaminação "é apenas um terço de humano para humano" (dois terços de animal para humano), especifica Steve Ahuka Mundeke. Na África, as crianças podem desenvolver formas graves. Podem ocorrer complicações respiratórias e superinfecções bacterianas das lesões. A letalidade do vírus representa entre “1 e 10%” dos casos.
Para Steve Ahuka Mundeke, a varíola dos macacos tem "menos adaptabilidade do que o HIV ou o Ebola". O que é certo: seu surgimento no Hemisfério Norte terá o efeito benéfico de dar um “impulso à pesquisa”. 
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

FONTE: ANRS | Doenças infecciosas emergentes, criada em 1º de janeiro de 2021 , é uma agência independente do Inserm. Suas missões são liderar, avaliar, coordenar e financiar pesquisas sobre HIV/AIDS, hepatites virais, infecções sexualmente transmissíveis, tuberculose e doenças infecciosas emergentes e reemergentes (em particular doenças respiratórias emergentes, incluindo Covid-19, febres hemorrágicas virais, arboviroses ).

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>