Maceió-AL

Perguntas frequentes sobre monkeypox - varíola dos macacos

Veja também

AR NEWS NOTÍCIAS 
Perguntas e respostas frequentes sobre monkeypox
Perguntas e respostas frequentes sobre monkeypox 


1. O que é varíola dos macacos ?

Monkeypox é causada por infecção com o vírus monkeypox, um membro do gênero Orthopoxvirus na família Poxviridae. Atualmente existem mais de 80 poxvírus conhecidos pela ciência e esses poxvírus foram isolados de diferentes espécies de aves, insetos, répteis, marsupiais e mamíferos. Os poxvírus que podem causar doenças humanas incluem o vírus da varíola (ou varíola) e o vírus do molusco contagioso. A primeira foi erradicada em 1980 por programas de vacinação em massa. Além disso, a doença humana pode ser causada por infecção com varíola dos macacos, orf, varíola bovina e Tanapoxvírus. Esses vírus são abrigados por diferentes espécies animais e podem se espalhar para a população humana (ou seja, são vírus zoonóticos) quando há exposição suficiente. Esses vírus não são altamente transmissíveis de pessoa para pessoa.

2. Onde ocorre a varíola dos macacos?

Monkeypox foi descoberto pela primeira vez em 1958 na Dinamarca, quando dois surtos de uma doença semelhante à varíola ocorreram em colônias de macacos mantidos para pesquisa, daí o nome "monkeypox". O primeiro caso humano de varíola dos macacos foi registrado em 1970 na República Democrática do Congo. Monkeypox é endêmica (ou de ocorrência natural) em países da África central e ocidental. Essa distribuição do vírus da varíola dos macacos é atribuída ao fato de ser naturalmente abrigado por animais encontrados nesta parte da África. Acredita-se que os roedores, provavelmente certas espécies de esquilos encontrados nas áreas de floresta profunda dos países endêmicos, possam ser o hospedeiro natural do vírus. As infecções por Monkeypox em humanos são observadas nos países endêmicos, embora em um nível relativamente baixo. Um aumento da varíola humana foi observado nos últimos anos na Nigéria, mas também em outros locais da Região. Casos humanos de varíola dos macacos foram relatados fora dos países endêmicos nos EUA em 2003 em um surto relacionado ao comércio de animais exóticos. Além disso, casos de varíola foram relatados em Israel, Cingapura e Reino Unido. Em 13 de maio de 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi notificada de dois casos confirmados laboratorialmente e um caso provável de varíola dos macacos, do mesmo domicílio, no Reino Unido. Desde que a doença foi detectada em vários países europeus, EUA e Austrália. Atualizações sobre o desenvolvimento deste surto estão disponíveis no site do NICD. Casos humanos de varíola dos macacos foram relatados fora dos países endêmicos nos EUA em 2003 em um surto relacionado ao comércio de animais exóticos. Além disso, casos de varíola foram relatados em Israel, Cingapura e Reino Unido. Em 13 de maio de 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi notificada de dois casos confirmados laboratorialmente e um caso provável de varíola dos macacos, do mesmo domicílio, no Reino Unido. Desde que a doença foi detectada em vários países europeus, EUA e Austrália. Atualizações sobre o desenvolvimento deste surto estão disponíveis no site do NICD. Casos humanos de varíola dos macacos foram relatados fora dos países endêmicos nos EUA em 2003 em um surto relacionado ao comércio de animais exóticos. Além disso, casos de varíola foram relatados em Israel, Cingapura e Reino Unido. Em 13 de maio de 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi notificada de dois casos confirmados laboratorialmente e um caso provável de varíola dos macacos, do mesmo domicílio, no Reino Unido. Desde que a doença foi detectada em vários países europeus, EUA e Austrália. Atualizações sobre o desenvolvimento deste surto estão disponíveis no site do NICD. da mesma casa, no Reino Unido. Desde que a doença foi detectada em vários países europeus, EUA e Austrália. Atualizações sobre o desenvolvimento deste surto estão disponíveis no site do NICD. da mesma casa, no Reino Unido. Desde que a doença foi detectada em vários países europeus, EUA e Austrália. Atualizações sobre o desenvolvimento deste surto estão disponíveis no site do NICD.

3. Como é transmitido o vírus da varíola dos macacos?

O vírus Monkeypox pode ser transmitido a uma pessoa em contato com o vírus de um animal, humano ou materiais contaminados com o vírus. A entrada do vírus é através da pele quebrada, do trato respiratório ou das membranas mucosas (olhos, nariz ou boca). Em países endêmicos, o vírus da varíola dos macacos pode ser transmitido pelo manuseio de carne de caça infectada,mordida ou arranhão de animal, fluidos corporais e objetos contaminados. Na África, a infecção por varíola dos macacos foi encontrada em muitas espécies animais: esquilos de corda, esquilos de árvore, ratos gambianos, camundongos listrados, arganazes e primatas. Certas espécies de roedores são suspeitas de serem o principal portador da doença (hospedeiro do reservatório) da varíola dos macacos, embora isso ainda não tenha sido comprovado. Em países não endêmicos, é mais provável que as pessoas sejam expostas à varíola dos macacos através do contato com um indivíduo que já esteja doente com varíola dos macacos. Casos de varíola dos macacos que se espalham por animais, fora das áreas endêmicas, são muito raros, mas podem envolver o comércio de animais exóticos ou potencial por contato com materiais derivados de animais infectados, como peles e couro.

4. Quais são os sinais e sintomas da varíola dos macacos?

 O período de incubação (tempo desde a infecção até os sintomas) da varíola dos macacos é, em média, de 7 a 14 dias, mas pode variar de 5 a 21 dias. Os sintomas iniciais incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, calafrios e exaustão. Dentro de 1-3 dias do início da doença, lesões semelhantes a bolhas (muito parecidas com a catapora) se desenvolverão no rosto, nas extremidades, incluindo as solas dos pés e as palmas das mãos. As lesões podem, no entanto, ocorrer em outras partes do corpo. O número de lesões irá variar e nem todas as lesões estarão no mesmo estágio de desenvolvimento. As lesões progridem através de vários estágios antes de cicatrizar e resolver . A maioria dos casos humanos se resolve dentro de 2-3 semanas após o início sem efeitos colaterais. A taxa de mortalidade de casos em surtos mais recentes foi em média 1%.

5. Quando uma pessoa infectada por varíola dos macacos deixa de ser contagiosa?

Uma pessoa infectada é contagiosa desde o início da erupção/lesões até o estágio de crosta. Uma vez que todas as crostas caíram, uma pessoa não é mais contagiosa.

6. Como é diagnosticada a varíola dos macacos?

Monkeypox é diagnosticado por um profissional de saúde em consideração à apresentação clínica do paciente. A erupção seria o sinal mais revelador. No entanto, o profissional de saúde considerará possíveis exposições para o caso, considerando que a probabilidade de contrair varíola dos macacos é muito baixa. Muitas outras doenças, como a catapora, podem causar erupções cutâneas semelhantes e são mais comuns. As amostras podem ser testadas no Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis para confirmar o diagnóstico de varíola dos macacos. Para obter mais informações sobre testes laboratoriais da varíola dos macacos, consulte o site do NICD.

7. Como é tratada a varíola dos macacos?

O tratamento é de suporte, como na maioria das infecções virais. A maioria dos casos humanos de infecção pelo vírus da varíola dos macacos não requer nenhum tratamento específico e a doença se resolve por conta própria. Existem medicamentos antivirais que um médico pode considerar usar para o tratamento de casos mais graves de varíola dos macacos, caso a caso.

8. Como prevenir a varíola dos macacos?

Em países não endêmicos, é mais provável que as pessoas sejam expostas à varíola dos macacos através do contato com um indivíduo que já esteja doente com varíola dos macacos. A propagação da varíola pode ser interrompida pelo rastreamento de contatos de pessoas diagnosticadas e isolando quaisquer pessoas que desenvolvam a doença. A imunidade residual da vacinação contra a varíola na população com 40 anos ou mais também pode contribuir para prevenir casos ou levar a infecções mais leves. Há cerca de 85% de proteção oferecida pela vacina contra a varíola (que foi usada para erradicar a doença do vírus da varíola humana conhecida como varíola) e a varíola dos macacos.

9. Qual é o risco de contrair varíola no Brasil ?

As implicações para o Brasil são que o risco de importação de varíola dos macacos já é uma realidade, pois as lições aprendidas com o COVID-19 ilustraram que surtos em outra parte do mundo podem rapidamente se tornar uma preocupação global. 

A OMS não recomendou nenhuma restrição de viagem e está trabalhando com os países afetados para limitar a transmissão e determinar as fontes de exposição. 

Para qualquer pessoa que entre no Brasil, relatando qualquer doença durante a viagem ou ao retornar de uma área endêmica deve ser relatada a um profissional de saúde, incluindo informações sobre todas as viagens recentes, histórico de imunização e contato com quaisquer casos conhecidos. 

Residentes e viajantes para países endêmicos devem evitar o contato com animais doentes que possam abrigar o vírus da varíola, como roedores, marsupiais, primatas e devem abster-se de comer ou manusear caça selvagem.

 Uma boa história é importante para descartar quaisquer outros diagnósticos diferenciais, incluindo malária.

Residentes e viajantes para países afetados no surto atual devem relatar qualquer doença a um profissional de saúde, incluindo informações sobre todas as viagens recentes e participação em eventos de massa, festivais e festas e contato com quaisquer casos conhecidos. A importância da higienização das mãos com água e sabão ou desinfetante à base de álcool deve ser enfatizada.

10. Onde posso encontrar mais informações?

Para profissionais de saúde: (SOMENTE para consultas médicas/clínicas e laboratoriais) : https://www.arnewsnoticias.com/search/label/monkeypox
Outros: 
Centers for Disease Control and Prevention, Atlanta, Estados Unidos da América. https://www.cdc.gov/poxvirus/monkeypox/index.htmlOrganização Mundial da Saúde. http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs161/en/
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>