Maceió-AL

Dez circunstâncias que levam a uma nova pandemia

AR NEWS NOTÍCIAS 13 de junho de 2022
Vírus Microbiologia Infecção Celular Análise Genética
Vírus Microbiologia Infecção Celular Análise Genética


POR TEILOR STONE

Epidemias e pandemias, infelizmente, não são novidade. Um simples olhar sobre a história da humanidade é suficiente para mostrar que a luta de nossa espécie contra as doenças infecciosas tem sido constante. Sem falar na recente Covid, Peste Negra, cólera, tuberculose, gripe, febre tifóide ou varíola são apenas alguns exemplos daqueles que deixaram marcas indeléveis…

Cada doença requer uma ação específica e a implementação de diferentes mecanismos de prevenção, resposta e tratamento. É por isso que é essencial identificar as origens e os modos de aparecimento dos patógenos.

Nesse sentido, aproximadamente 60% das doenças infecciosas emergentes relatadas em todo o mundo são zoonoses (transmitidas entre animais e humanos). Estima-se que aproximadamente um bilhão de pessoas em todo o mundo adoecem e milhões morrem a cada ano como resultado de eventos zoonóticos. E dos mais de 30 novos patógenos humanos detectados nas últimas décadas, 75% se originaram em animais.

O recente surgimento de várias zoonoses – gripe aviária H5N1, gripe aviária H7N9, HIV, Zika, vírus do Nilo Ocidental, Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers), Ebola ou Covid-19 (Sars-CoV-2) ) entre outros – representou sérias ameaças à saúde humana e ao desenvolvimento econômico global.

Geralmente são imprevisíveis, pois muitos se originam em animais e são causados ​​por novos vírus que só são detectados após o fato. No entanto, existem pelo menos dez fatores que já sabemos com certeza estão ligados ao surgimento de uma futura epidemia ou pandemia. Aqui eles estão reunidos e explicados abaixo.

1. Guerras e Fomes


Os danos causados ​​pela guerra são obviamente muitos e complexos: morte, ferimentos e deslocamento em massa de pessoas que fogem dos combates são os mais óbvios. Mas o surgimento de epidemias infecciosas também está intimamente ligado a conflitos.

Em 2006, surtos de cólera foram relatados em 33 países africanos, 88% deles em países afetados por conflitos. Nos últimos anos, vários países do Oriente Médio e da África sofreram epidemias infecciosas como consequência direta da guerra, agravadas pela escassez de alimentos e água, deslocamento e danos à infraestrutura e serviços de saúde. .

2. Mudança de uso da terra


A mudança no uso da terra é uma grande modificação do ecossistema induzida diretamente pelas populações humanas. As consequências são muito amplas.

Essas alterações podem, de fato, afetar a diversidade, abundância e distribuição de animais silvestres e torná-los mais suscetíveis à infecção por patógenos. Além disso, ao criar novas oportunidades de contato, facilitam o movimento e a disseminação de patógenos entre as espécies, o que pode levar à infecção humana.

3. Desmatamento


Por meio do desmatamento e da fragmentação florestal, promovemos a extinção de espécies especialistas nesses habitats e o desenvolvimento e instalação de espécies mais generalistas. Algumas espécies de vida selvagem que são hospedeiras de patógenos, particularmente morcegos e outras espécies de mamíferos, como roedores, são relativamente mais abundantes em paisagens transformadas, como ecossistemas agrícolas e áreas urbanas, do que em locais não perturbados adjacentes.

O estabelecimento de pastagens, plantações ou pecuária intensiva perto das bordas das florestas também pode aumentar o fluxo de patógenos da vida selvagem para o meio ambiente. cara.

4. Urbanização descontrolada e crescimento populacional


Mudanças no tamanho e densidade da população por meio da urbanização novamente afetam a dinâmica das doenças infecciosas. Por exemplo, a gripe tende a ter epidemias mais persistentes em áreas urbanas mais populosas e densas.

5. Mudanças climáticas


As mudanças climáticas aumentam o risco de transmissão viral entre espécies. Muitas espécies de vírus ainda são desconhecidas, mas provavelmente têm a capacidade de infectar nossa espécie. Felizmente, a grande maioria deles atualmente circula silenciosamente entre os mamíferos selvagens.

No entanto, o esperado aumento das temperaturas com a mudança climática levará a migrações massivas de animais em busca de condições ambientais mais amenas, o que facilitará o surgimento de “hotspots de biodiversidade” (área biogeográfica ameaçada com pelo menos 1500 espécies vegetais e animais endêmicos). Se atingirem áreas com alta densidade populacional humana, principalmente na Ásia e na África, novas possibilidades de disseminação zoonótica para humanos surgirão.

De acordo com previsões recentes baseadas em cenários de mudanças climáticas, até 2070, a transmissão de vírus entre espécies aumentará aproximadamente 4.000 vezes.

6. Globalização


A globalização facilitou a disseminação de muitos agentes infecciosos para todos os cantos do mundo.

A transmissão de doenças infecciosas é o melhor exemplo da crescente porosidade das fronteiras. A globalização e o aumento da conectividade aceleram o potencial surgimento de uma pandemia e sua rápida disseminação, devido ao constante movimento de microrganismos através do comércio e transporte internacional.

7. Caça, comércio e consumo de carne de caça


A transmissão de zoonoses pode ocorrer em qualquer ponto da cadeia produtiva da carne de caça, desde a caça na floresta até o local de consumo. Os patógenos que foram transmitidos aos humanos pela carne de animais selvagens são numerosos e incluem, mas não estão limitados ao HIV, vírus Ebola, vírus espumoso símio e vírus da varíola dos macacos…

8 . Tráfico ilegal de dinheiro e mercados de vida selvagem


Um ecossistema com alta riqueza de espécies reduz a taxa de encontro entre indivíduos suscetíveis e infecciosos, o que diminui a probabilidade de transmissão de patógenos. Por outro lado, os mercados de animais vivos e outros recintos de comércio ilegal escondidos são lugares onde as mais diversas espécies são amontoadas em gaiolas superlotadas.

Nessas condições, eles não apenas compartilham o mesmo espaço insalubre e não natural, mas também ectoparasitas e endoparasitas portadores de doenças. Os animais sangram, babam, defecam e urinam uns nos outros resultando na troca de microrganismos patogênicos e parasitas, forçando interações entre espécies que nunca deveriam ter acontecido.

9 . Evolução microbiana


Os microrganismos estão em constante evolução, naturalmente e em resposta a pressões diretas e indiretas de seleção de seu ambiente. Um exemplo bem estabelecido é o dos vírus influenza A, cujo reservatório ancestral são as aves aquáticas, a partir das quais conseguiram infectar outros tipos de animais.

O desenvolvimento mundial de muitos tipos de resistência antimicrobiana em patógenos humanos comuns é uma demonstração clara da enorme capacidade dos microrganismos de se adaptarem rapidamente.

10. Colapso dos sistemas de saúde pública


Nas últimas décadas, em muitos países, houve uma retirada gradual do apoio financeiro aos sistemas públicos de saúde.

Isso dizimou a infraestrutura crítica necessária para lidar com epidemias repentinas. O surgimento recente e rápido de novas ameaças de doenças infecciosas, como o Covid-19, juntamente com o ressurgimento de doenças mais antigas, como sarampo e tuberculose, tem implicações importantes para os sistemas de saúde pública globais.

Devemos estar cientes de que a preparação para possíveis epidemias e pandemias futuras requer um estudo cuidadoso e cuidadoso dos fatores potenciais que facilitam o surgimento de doenças infecciosas. Uma análise cuidadosa e crítica ajudará a projetar estratégias futuras de previsão e prevenção.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem