Maceió-AL

À medida que a ameaça da varíola dos macacos cresce, os cientistas debatem a melhor estratégia de vacina

AR NEWS NOTÍCIAS 
O Canadá começou a oferecer uma vacina contra a varíola dos macacos feita pela Bavarian Nordic para grupos selecionados, incluindo contatos de casos conhecidos da doença. CHRISTINNE MUSCHI/REUTERS
O Canadá começou a oferecer uma vacina contra a varíola dos macacos feita pela Bavarian Nordic para grupos selecionados, incluindo contatos de casos conhecidos da doença. CHRISTINNE MUSCHI/REUTERS


POR KAI KUPFERSCHMIDT

A vacina escolhida é uma vacina contra a varíola aparentemente mais segura, mas a eficácia permanece incerta

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Em 1959, o microbiologista alemão Anton Mayr pegou uma cepa de vaccinia, um poxvírus usado para inocular contra a varíola, e começou a cultivá-la em células retiradas de embriões de galinha. Após vários anos transferindo a cepa para células frescas a cada poucos dias, o vírus havia mudado tanto que não podia mais se reproduzir na maioria das células de mamíferos. Mas ainda poderia produzir uma resposta imune que protegesse contra a varíola.

Mayr tinha começado a estudar como os poxvírus evoluem, mas por acidente ele produziu uma vacina contra a varíola potencialmente mais segura. Apelidado de Vaccinia Ankara Modificada (MVA) porque a cepa viral original veio daquela cidade turca, a vacina teve uma curta carreira. “Com a varíola erradicada em 1980, ela desapareceu no freezer”, diz Gerd Sutter, virologista da Universidade Ludwig Maximilian de Munique, que estuda a cepa de vaccinia de Mayr há décadas.

Agora, esse vírus, ainda mais enfraquecido e trazido ao mercado pela empresa farmacêutica dinamarquesa Bavarian Nordic, pode se tornar a chave para deter o maior surto de varíola já visto fora da África, que já adoeceu mais de 1.000 pessoas. É a única vacina licenciada em qualquer lugar para uso contra a varíola, embora outras vacinas de varíola mais arriscadas também pareçam oferecer alguma proteção. Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e vários outros países já começaram a “tocar” a vacina, oferecendo-a aos contatos de casos identificados de varicela, incluindo profissionais de saúde e parceiros sexuais. “A MVA será muito importante neste surto porque é uma vacina não replicante, o que significa que não tem o mesmo perfil de efeitos colaterais que algumas das outras vacinas [vírus] vivas” que estão sendo consideradas, diz Rosamund Lewis,

Mas o papel que a vacina desempenhará depende de uma série de fatores: se aqueles com maior risco de infecção podem ser identificados e vacinados, se a vacina é tão eficaz quanto o esperado e se o suficiente está disponível para interromper o surto crescente. A OMS até agora só apoiou a vacinação em anel – o MVA é idealmente administrado dentro de 4 dias após a exposição, mas recomendado por até 14 dias – mas alguns cientistas dizem que é muito difícil alcançar os contatos específicos que as pessoas tiveram. Eles defendem campanhas de vacinação mais amplas na população mais afetada até agora: homens que fazem sexo com homens (HSH).

Centenas de milhões de doses de vacina contra a varíola são armazenadas em todo o mundo, seguro contra uma possível liberação do temido vírus por terroristas ou em guerra, e são conhecidas por oferecer alguma proteção contra a varíola. 

Um estudo na República Democrática do Congo (RDC) na década de 1980 descobriu que os contatos domiciliares de pessoas doentes com varíola eram sete vezes menos propensos a contrair a doença se tivessem sido vacinados contra a varíola. No entanto, a grande maioria das vacinas contra a varíola existentes consiste em vaccinia ainda replicante. Estes podem causar efeitos colaterais raros, mas com risco de vida, como encefalite ou vaccinia progressiva, a disseminação do vírus da vacina para todo o corpo, à qual as pessoas imunocomprometidas são vulneráveis.

Embora 66 pessoas já tenham morrido de varíola este ano em países africanos, os casos recentes em países não endêmicos foram em sua maioria leves. E muitos contatos dos infectados vivem com HIV, o que pode torná-los mais propensos a sofrer os efeitos colaterais da vaccinia. Dados os riscos e benefícios, “o uso dessas vacinas está fora de questão”, diz Sutter.
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

A vacina não replicante da Bavarian Nordic, comercializada como Jynneos nos Estados Unidos e como Imvanex na Europa, evita parte do risco. O mesmo acontece com uma vacina à base de vaccinia chamada LC16m8, licenciada para varíola apenas no Japão, que também parece causar menos efeitos colaterais. “Acredito que esses são os que serão usados ​​[no novo surto] porque têm um perfil de segurança muito aprimorado”, diz Marion Gruber, que chefiou o escritório de vacinas da Food and Drug Administration dos EUA até outubro de 2021.

O Canadá e os Estados Unidos já licenciaram o MVA para uso contra a varíola e a Bavarian Nordic está em negociações com a Agência Europeia de Medicamentos (EMA). “Eu realmente espero que daqui a 1 ou 2 meses isso possa ser aprovado” na Europa, diz Marco Cavaleri, da EMA.

O Reino Unido vem usando o MVA “off-label” há alguns anos para vacinar contatos de casos importados de varíola. O Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização da OMS deve divulgar orientações nos próximos dias que apoiarão o MVA, mas também recomendará o uso de vacinas anteriores em determinados cenários. Ainda assim, Cavaleri diz: “Se [MVA] estiver disponível, claramente essa será a vacina a ser iniciada”.

Exatamente quanto está disponível permanece obscuro. “Os países têm relutado nas últimas duas décadas em compartilhar essas informações em detalhes com a OMS, mas a OMS agora está entrando em contato com todos eles novamente”, diz Lewis. Os Estados Unidos, que apoiaram o desenvolvimento do MVA, provavelmente têm a maior oferta. Um porta-voz federal disse que o Estoque Nacional Estratégico tem 36.000 doses, que outras 36.000 doses serão entregues “em um futuro próximo” e que a empresa está armazenando material a granel para milhões de doses reservadas nos EUA. Um porta-voz nórdico da Baviera disse que muitos outros países encomendaram sua vacina MVA nas últimas semanas e a empresa estava tentando enviar lotes menores para países “para que eles pudessem começar a vacinar mais cedo ou mais tarde”.

Quão amplamente implantar o MVA, ou qualquer vacina, continua sendo o principal debate. A vacinação em anel entre HSH pode ser um desafio devido ao estigma enfrentado por esse grupo em muitas culturas e à natureza dos contatos. Um artigo publicado na semana passada na Eurosurveillance observou que, no Reino Unido, muitos dos infectados relataram contatos sexuais com pessoas cujos detalhes eles não conheciam ou não queriam compartilhar.

A província canadense de Quebec já estendeu as vacinações de contatos diretos de casos de varíola a qualquer homem que teve mais de dois parceiros sexuais masculinos nos últimos 14 dias. Outra forma de enfrentar o problema, diz o epidemiologista da Escola de Saúde Pública de Yale, Gregg Gonsalves, “seria oferecê-lo a indivíduos que participaram de eventos sociais nos quais o contato próximo com alguém infectado fosse possível, mas isso aumentaria o número de recrutados. para a vacinação ainda mais.” A Alemanha também provavelmente oferecerá a vacina de forma mais ampla, embora não tenha vacina suficiente disponível rapidamente para todos os HSH, diz Leif Erik Sander, especialista em doenças infecciosas do Hospital Universitário Charité, em Berlim.

Mesmo onde foram identificados contatos de casos infectados, a aceitação foi baixa. O mesmo estudo do Reino Unido relatou que 169 dos 245 profissionais de saúde aos quais foi oferecido AMIU o fizeram, mas apenas 15 dos 107 contatos em outros grupos. “É muito desafiador atingir grupos de alto risco, equilibrando o estigma e incentivando a aceitação das vacinas”, diz Boghuma Titanji, virologista da Emory University. A politização das vacinas durante a COVID-19 aumentou as barreiras, acrescenta.

Até que ponto o MVA realmente protege os humanos da varíola dos macacos é incerto. A licença para MVA no Canadá e nos Estados Unidos é baseada em estudos com animais, onde foi demonstrado que protege macacos e cães da pradaria, além de dados em humanos que mostram uma forte resposta de anticorpos. Um par de estudos da DRC vacinou 1600 profissionais de saúde com uma das duas formulações de MVA e não encontrou casos de varíola em cada período de estudo de 2 anos. Mas não havia grupos de controle, e um profissional de saúde vacinado pegou varíola meio ano depois. “A verdade é que não conhecemos a eficácia de nenhuma dessas vacinas contra a varíola dos macacos”, diz Ira Longini, bioestatístico da Universidade da Flórida que assessora a OMS.

É por isso que a OMS instou os países que implantam a vacina contra a varíola dos macacos a estudar como ela funciona e a melhor forma de usá-la. “Se quisermos conter esses surtos e aprender algo sobre a eficácia dessas vacinas, terá que ser um esforço concertado com protocolos e organizados adequadamente”, diz Longini. Uma questão é se uma única dose da vacina, que normalmente é administrada em duas doses com 4 semanas de intervalo, pode ser suficiente. Isso poderia encorajar mais aceitação e esticar os suprimentos.

A questão da equidade das vacinas também é grande. Titanji observa que as esperanças de MVA são baseadas em parte nos dados da RDC. “É quase uma obrigação moral garantir que, se essas vacinas estão sendo utilizadas em outro lugar agora, as pessoas sobre as quais os dados foram gerados, que lidam com a varíola há 50 anos, também tenham acesso a ela”.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem