Maceió-AL

Bolo de carne de insetos, árvores fertilizantes e plantas repelentes de mosquitos - a promessa da bioeconomia da África

AR NEWS NOTÍCIAS 27 de maio de 2022
bioeconomia da África
bioeconomia da África

A África sente os impactos do COVID-19, conflitos e mudanças climáticas talvez mais do que qualquer outra região do mundo. Os custos de alimentos, combustível e fertilizantes dispararam nos últimos meses, aumentando a desaceleração do crescimento econômico que a pandemia instigou.

Mas a resposta de África para enfrentar este conjunto de desafios no futuro inclui novas abordagens: os vastos e diversos recursos vegetais do continente, que em combinação de ciência e conhecimento avançados podem ser cultivados e processados ​​como parte da sua "bioeconomia". Desbloquear o potencial da bioeconomia pode ajudar a impulsionar a próxima fase do desenvolvimento econômico da África, ao mesmo tempo em que conserva melhor o meio ambiente e combate as mudanças climáticas, como explica um novo relatório do Malabo Montpellier Panel. Estratégias de bioeconomia surgiram em muitos países ao redor do mundo durante a última década. As estratégias de bioeconomia da África devem ser adaptadas aos contextos locais e sub-regionais. Embora a base científica e de conhecimento da bioeconomia seja geral e se beneficie da cooperação entre países, Esses recursos são inerentemente renováveis ​​e econômicos, mas muitas vezes são negligenciados, subutilizados ou, pior ainda, desperdiçados. Vários países africanos estão agora a abraçar o potencial de uma bioeconomia com efeitos em cascata nos seus setores alimentar e agrícola, saúde, energia e industrial.

Em primeiro lugar, a África é imensamente rica em quantidade e diversidade de biomassa. Muitas espécies de plantas africanas nativas são altamente nutritivas ou oferecem outros benefícios para a saúde ou medicinais. O uso dessas espécies pode criar meios de subsistência e renda, especialmente nas áreas rurais da África, mas também para empreendedores e jovens.

A laranja de macaco, por exemplo, está amplamente disponível no sul da África e é rica em vitamina C, zinco e ferro. Ao processá-lo, pode ser disponibilizado mesmo fora de época para melhorar as dietas e, ao mesmo tempo, criar empregos. Enquanto isso, as moscas do lago, que abundam na região do Lago Vitória, na África Oriental, são altamente nutritivas e estão sendo capturadas na estação e processadas em produtos menos perecíveis, como biscoitos à base de moscas do lago, muffins, pães de carne e salsichas.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

A lista de possibilidades parece interminável e inclui não apenas produtos alimentícios, mas também recursos para medicamentos, cosméticos e biofertilizantes. Alguns exemplos incluem baobá, marula, pepino selvagem, trufa do deserto de Kalahari, garra do diabo, Faidherbia "árvores fertilizantes" e a planta Lippia javanica, cujo óleo atua como um repelente natural de mosquitos.

Da mesma forma, os resíduos de processamento agrícola da África estão sendo usados ​​de novas maneiras. Esses subprodutos - tipicamente o miolo, cascas, caules, folhas e assim por diante de culturas de commodities como cana-de-açúcar, café e algodão, podem se tornar produtivos, inclusive como fontes de bioenergia para substituir o combustível fóssil e até mesmo para embalagens. Isso reduz as emissões gerais de carbono, pois o desperdício de alimentos é um grande emissor de gases de efeito estufa.
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
Aqui, novamente, há muitos exemplos a serem destacados. Uma empresa sul-africana, por exemplo, está usando caroço de cana-de-açúcar para cultivar cogumelos em vez de turfa. Um projeto em Uganda está convertendo resíduos de gado em biogás , ajudando o matadouro a economizar 90% nos custos de energia e evitando a poluição da água no Lago Vitória. Em outros lugares, o pseudocaule semelhante a papel das bananas está sendo usado em vez de plástico como embalagem biodegradável para amortecer frutas e vegetais macios durante o transporte.

A inovação também está sendo apoiada em todo o continente africano para melhorar o desempenho e os benefícios dos produtos naturais. Isso inclui biotecnologia agrícola para desenvolver novas raças resistentes a pragas e doenças e tolerantes ao calor e à seca; pesquisa bioquímica para ajudar a evitar doenças; e até mesmo novos processos comercialmente viáveis ​​para converter vários subprodutos em bens de valor agregado, como sacolas biodegradáveis, absorventes higiênicos, têxteis, briquetes, alimentos e bebidas, ração animal enriquecida e assim por diante.

A África do Sul é líder global nesse aspecto, já tendo reconhecido o potencial de capitalização de suas riquezas naturais. Não só é um dos países com maior diversidade biológica do mundo, mas também é atualmente um dos 15 países do mundo - e o único na África - que aprovou uma estratégia de bioeconomia dedicada e abrangente.

Nas últimas duas décadas, os formuladores de políticas da África do Sul desenvolveram um portfólio de políticas, estratégias e instituições de apoio para desenvolver uma bioeconomia próspera, investindo em educação, melhorando a colaboração entre universidades e indústria, fortalecendo seu ambiente de propriedade intelectual e apoiando pequenas empresas. Ajustes de política em paralelo garantiram que o processo esteja enraizado em uma visão clara e focado em setores-chave com os mais promissores, como agricultura, saúde e bens industriais. Entre 2007 e 2020, a contribuição da bioeconomia para o PIB da África do Sul permaneceu relativamente consistente em cerca de 8% e gerou entre 14 e 16 milhões de empregos.

Outros países também estão no caminho de desenvolver suas bioeconomias de maneira semelhante. A Namíbia está trabalhando com a ONU para desenvolver sua primeira estratégia de bioeconomia. Uganda também está finalizando sua estratégia nacional de bioeconomia, enquanto sua Organização Nacional de Pesquisa Agrícola e as universidades se tornaram um centro de excelência em P&D agrícola, e várias incubadoras estão fornecendo uma valiosa plataforma de lançamento para empreendedores de bioempresas. Gana transformou seu setor de cacau com biociências e tecnologia e estabeleceu uma ampla gama de indústrias de caju, karité e seus subprodutos.

Em todo o continente, os governos africanos têm o potencial de transformar suas economias de maneiras semelhantes, lançando simultaneamente novos canais para o desenvolvimento econômico sustentável e tornando-se menos dependentes das cadeias de suprimentos globais.


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Fontes:Dr. Ousmane Badiane é o Presidente Executivo da AKADEMIYA2063 e C0-Chair, Malabo Montpellier Panel

O Prof. Joachim von Braun, é o Distinguished Professor, University of Bonn, Co-Chair, Malabo Montpellier Panel , e membro do International Advisory Group on Global Bioeconomy

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem