Casos de sarampo aumentam 80%, outras doenças podem se seguir, diz ONU
Maceió-AL

Siga-nos

Casos de sarampo aumentam 80%, outras doenças podem se seguir, diz ONU

Os casos de sarampo aumentaram quase 80% em todo o mundo este ano, informou a ONU nesta quarta-feira, alertando que o aumento da doença do “canário em uma mina de carvão” indica que surtos de outras doenças estão a caminho.
uma menina doente está sentada perto da cama
uma menina doente está sentada perto da cama

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

A pandemia de coronavírus interrompeu as campanhas de vacinação para doenças não-Covid em todo o mundo, criando uma "tempestade perfeita" que pode colocar em risco a vida de milhões de crianças, disseram a agência infantil da ONU, UNICEF, e a Organização Mundial da Saúde em comunicado.

Mais de 17.300 casos de sarampo foram relatados globalmente em janeiro e fevereiro, em comparação com cerca de 9.600 durante os meses do ano passado, de acordo com novos dados das agências da ONU.

Houve 21 grandes e disruptivos surtos de sarampo nos últimos 12 meses até abril, a maioria deles na África e no leste do Mediterrâneo, mostraram os dados.

Christopher Gregory, consultor sênior de saúde da seção de imunização do Unicef, disse à AFP que, como o sarampo é a "doença mais contagiosa evitável por vacina", muitas vezes serve como um sinal de alerta.

"O sarampo é o que chamamos de traçador, ou o canário na mina de carvão, que realmente nos mostra onde estão essas fraquezas no sistema de imunização", disse ele.

Ele disse que a febre amarela está entre as doenças que podem surgir a seguir, depois que casos crescentes foram relatados na África Ocidental.

“Estamos particularmente preocupados com os países mais frágeis, onde os sistemas de saúde já estão realmente lutando, onde ainda estão tentando lidar com os impactos do Covid além desses surtos”, disse ele.

A Somália registrou de longe o maior número de casos de sarampo nos últimos 12 meses, com mais de 9.000, mostraram os dados da ONU, seguida pelo Iêmen, Afeganistão, Nigéria e Etiópia – todos países que lutam contra algum tipo de conflito.

Também há temores de que a guerra na Ucrânia possa desencadear um ressurgimento no país depois de registrar a maior taxa de sarampo da Europa entre 2017-2019.

Gregory disse que tem sido muito difícil acompanhar qualquer doença na Ucrânia desde o início da guerra, acrescentando que a maior preocupação era "o que poderíamos estar perdendo".

Impacto 'sentido por décadas'
Mais de 23 milhões de crianças perderam as vacinas de rotina em 2020, com a queda da pandemia de Covid, o maior número em mais de uma década.

As agências da ONU disseram que 57 campanhas de vacinação em 43 países adiadas no início da pandemia ainda não foram concluídas, afetando 203 milhões de pessoas – a maioria crianças.

A Covid também continua pressionando as instalações de saúde e afastando a equipe e a atenção da vacinação para doenças mortais de longa data.


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

"O impacto dessas interrupções nos serviços de imunização será sentido nas próximas décadas", disse o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado.

“Agora é o momento de colocar a imunização essencial de volta nos trilhos e lançar campanhas de recuperação para que todos possam ter acesso a essas vacinas que salvam vidas”.

Gregory disse que era hora de colocar a imunização infantil em "pelo menos o mesmo nível de prioridade que terminar a vacinação contra a Covid".

O sarampo é uma doença causada por um vírus que ataca principalmente crianças. As complicações mais graves incluem cegueira, inchaço cerebral, diarreia e infecções respiratórias graves.

A aceitação da vacinação de pelo menos 95% é a melhor maneira de evitar a propagação, embora muitos países estejam muito aquém dessa meta - a Somália está em apenas 46%, de acordo com dados da ONU.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem