Maceió-AL

Omicron : lições importantes de pandemias anteriores

Veja também

        

Omicron
Omicron

Chegamos a um ponto nesta pandemia que nós, como público, nos perguntamos o que teria acontecido se o surto de gripe espanhola tivesse ocorrido durante uma era de internet.

Teríamos entrado em pânico e nos cruzado tanto quanto fazemos agora? A Covid-19 não passou de uma montanha-russa de ataques de pânico em meio a restrições e regulamentos alterados.

Como qualquer outro vírus, o coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), carinhosamente conhecido agora como Covid-19, também estava sujeito a mutações.

Vimos a ascensão e queda de uma variedade de tipos de gripe, alguns dos quais eram restritos a locais específicos e nunca levantaram muito uma sobrancelha porque os poderes não foram afetados diretamente.

Pandemias respiratórias ao longo dos anos



1. Gripe asiática


A pandemia de 1889-1890, freqüentemente conhecida como gripe asiática ou gripe russa, matou cerca de 1 milhão de pessoas em uma população mundial de cerca de 1,5 bilhão.

Foi a última grande pandemia do século 19 e está entre as pandemias mais mortais da história. Os efeitos mais relatados da pandemia ocorreram de outubro de 1889 a dezembro de 1890, com recorrências em 1891 a 1895.

2. Gripe espanhola (1918–1920)


A pandemia de gripe de 1918, comumente referida como gripe espanhola, foi uma pandemia de influenza de categoria 5 causada por uma cepa de vírus Influenza A invulgarmente grave e mortal do subtipo H1N1.

A pandemia de gripe espanhola durou de 1918 a 1920. Várias estimativas dizem que matou entre 17 milhões e 100 milhões de pessoas.

Os sintomas em 1918 eram tão incomuns que inicialmente a gripe foi diagnosticada erroneamente como dengue, cólera ou febre tifóide.

3. Gripe asiática (1957–1958)


A gripe asiática foi um surto pandêmico de gripe aviária de categoria 2 que se originou na China no início de 1956 e durou até 1958. Ela se originou de uma mutação em patos selvagens combinada com uma cepa humana pré-existente.

4. Gripe de Hong Kong (1968-1969)


A gripe de Hong Kong foi uma pandemia de gripe de categoria 2 causada por uma cepa do H3N2 descendente do H2N2 por mudança antigênica, na qual genes de vários subtipos foram reorganizados para formar um novo vírus.

A pandemia de gripe de Hong Kong de 1968 e 1969 matou cerca de 1 a 4 milhões de pessoas em todo o mundo. Aqueles com mais de 65 anos tiveram as maiores taxas de mortalidade.

5. Gripe russa (1977-1979)


A gripe russa de 1977 foi uma pandemia de gripe relativamente benigna, afetando principalmente a população com idade inferior a 26 ou 25 anos. Estima-se que 700.000 pessoas morreram devido à pandemia em todo o mundo. A causa foi a cepa do vírus H1N1, que não foi vista depois de 1957 até seu reaparecimento na China e na União Soviética em 1977.

A análise genética e várias características incomuns da pandemia levaram a especulações de que o vírus foi liberado ao público por meio de um acidente de laboratório. Som farmiliar?

Lições de pandemias anteriores


Para não minimizar a escala e magnitude de qualquer pandemia global, cada uma dessas pandemias anteriores veio com suas próprias lições e saltos no avanço da medicina.

A contenção e a comunicação adequada estão no centro das aulas.

O pânico em massa é a razão pela qual tivemos que aprender a contenção e comunicação adequada em pandemias. Não é nenhum segredo que o medo da morte pode levar as pessoas a agirem irracionalmente e, em certos casos, aumentar suas chances de pegar exatamente o que temem.

Covid-19 teve seu quinhão de variantes, cada uma sendo saudada como mais mortal do que a anterior e cada uma levando a uma nova onda de pânico em massa.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a primeira variante foi batizada de Alpha, com a documentação mais antiga feita no Reino Unido em setembro de 2020.

Em seguida, veio a variante Beta documentada na África do Sul, depois a variante Gama do Brasil, seguida pela variante Delta da Índia. Existem mais variantes que ainda estão sendo monitoradas e não causaram tanto pânico quanto outras.

Agora nos vemos lidando com a variante Omicron que veio com um novo conjunto de listas vermelhas dos poderes constituídos e avisos sobre a situação de qual país é pior do que de quem.

Cientistas sul-africanos foram os primeiros a identificar a variante, que já foi detectada em países ao redor do mundo. Em seguida, descobriu-se que a Omicron já estava presente na Europa antes do anúncio da proibição de viagens.

Apesar do fato de que essa variante já foi vista em muitas outras partes do mundo, os países africanos são os responsáveis ​​por isso quando se trata de regulamentos e restrições de viagens.

Destino Tanzânia


Recentemente, a Tanzânia foi adicionada à lista vermelha dos EUA e os viajantes alertaram sobre o destino Tanzânia. Os líderes africanos estão revidando contra as proibições de viagens impostas à variante Omicron, acusando os países ricos de serem hipócritas por impor novas restrições.

No entanto, para a Tanzânia, muito permanece desconhecido, pois a vida continua normalmente. 


Para muitos na diáspora, as preocupações com sua segurança ao se aventurarem nessa situação desconhecida continuam a prejudicar seu melhor julgamento.

“Esses relatórios realmente me incomodam, porque minha mente está voltada para a Tanzânia”, disse o Sr. Lusajo Kibonde, um tanzaniano que reside nos EUA.

Com todas as mensagens de vários meios de comunicação que o induzem ao medo, ele se vê como um dos muitos que querem voltar para casa, mas ficam se perguntando.

O Center for Disease Control (CDC) classificou diferentes categorias de risco, sendo a mais elevada o Nível 4, que é onde a Tanzânia se encontra, ao lado de França e Portugal, entre outros.

O que fazer

O que aprendemos com essa pandemia é que ela veio para ficar e continuará a sofrer mutações. Podemos não compreender o funcionamento completo das mutações virais, mas temos medidas a tomar para ajudar a nos proteger.

A Tanzânia, como qualquer outro país, também é muito afetada pelo covid-19. Isso não significa que não se possa viajar pelo país e desfrutar de toda a beleza que ela tem a oferecer.

Ao iniciarmos a época festiva, recomendamos que aproveite  dentro dos parâmetros de segurança estabelecidos.


Máscaras: Este pedido nunca deixou de estar em vigor. O fato de haver uma nova variante sendo detectada a cada duas vezes deve ser suficiente para motivar o uso de máscaras. Também nesta estação das chuvas, muitos ficarão expostos a gripes e tosses; é melhor se proteger do que deixar ao acaso, vacinado ou não.

Sanitize: Assim como mascarar, manter suas mãos, balcões e superfícies limpas ajudará muito a manter os germes longe.

Vacinar: Na Tanzânia, a vacinação tem sido um motivo de preocupação para aqueles que são contra. No entanto, muito foi exposto sobre os benefícios que as vacinas trazem e, se você precisar de uma viagem, é provável que precise receber a vacina. Para o bem da sua saúde e dos seus entes queridos, aproveite para vacinar ou potenciar a sua vacinação.

Evite multidões desnecessárias: Esta é a época para se reunir com a família e amigos que não vemos há muito tempo, mas isso não é uma desculpa para se colocar em situações de risco. Mesmo que você possa ser vacinado, covid-19 se mostrou resistente e isso significa que ainda pode haver uma chance de contaminação.

Faça exercícios e alimente-se de maneira saudável: para manter seu corpo em forma, exercícios e uma boa dieta têm desempenhado um papel importante no fortalecimento do sistema imunológico. Enquanto você se delicia com comidas festivas, não se esqueça de malhar e ficar em forma.

Faça o teste antes de viajar: verifique a situação covid-19 do seu destino e os requisitos de viagem antes de viajar. Os países podem ter seus próprios requisitos de entrada e saída. Você foi exposto a covid-19, a menos que tenha sido totalmente vacinado ou se recuperado de covid-19 nos últimos 90 dias.

O CDC alerta contra viagens se você estiver doente, se tiver testado positivo para covid-19 e não encerrou o isolamento (mesmo se estiver totalmente vacinado) e se estiver esperando os resultados de um teste para covid-19. Se o seu teste der positivo enquanto você estiver no seu destino, você precisará isolar e adiar o seu retorno até que seja seguro encerrar o isolamento. Seus companheiros de viagem podem precisar de uma auto-quarentena.

Isolar se exposto: Entre as muitas medidas estabelecidas, o isolamento após a exposição da contaminação tem sido bastante eficaz em reduzir a propagação da doença. A tecnologia nos permitiu ficar em contato durante os momentos de isolamento e, se ocorrer exposição, isso é uma façanha factível, caso você seja exposto.

Esta época festiva não deve ser passada com medo e preocupação com o que pode ou não acontecer. Em vez disso, use esse período para refletir sobre o que aconteceu e aprender as lições que as pandemias anteriores nos ensinaram a desfrutar das festas em meio à cobiça.


 Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>