Maceió-AL

Brasil: governo conservador de Bolsonaro traz de volta a fome

Veja também

       
Mapa da fome por região
Mapa da fome por região

 

No final de abril, o número oficial de mortes no Brasil ultrapassava 400.000. Medido pelo número de habitantes, nenhum país das Américas viu mais pessoas morrerem de infecção pelo coronavírus. Mas não é só esse número que choca. Enquanto isso, o impacto social da fracassada política de pandemia do governo Bolsonaro também está se tornando cada vez mais claro. 

Por Claudia Fix e Julia Ganter para Lateinamerika Nachrichten

“A fome está de volta”, observam estudos recentes. A crise ameaça desfazer a luta bem-sucedida contra a fome e a pobreza absoluta entre 2003 e 2013. Mesmo assim, o Brasil é o terceiro maior exportador de alimentos do mundo.


O Brasil viveu uma história de sucesso: em 2014, a proporção de brasileiros que passam fome caiu para menos de 5% e o país desapareceu do mapa mundial da fome das Nações Unidas pela primeira vez. Para o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, isso já era motivo suficiente em entrevista ao El País em 2019 para declarar que a afirmação de que a população brasileira ainda sofre com a fome é uma “mentira” e um “discurso populista”.
 

Mas, queira o presidente admitir ou não, o país está longe de ter resolvido o problema da fome.


 O Brasil já estava voltando rapidamente ao mapa mundial da fome em 2019. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD, comparável ao microcenso alemão), o percentual de domicílios com insegurança alimentar aumentou 63% entre 2013 e 2018. Em termos absolutos , isso significa que, no início de 2018, cerca de 85 milhões de brasileiros já estavam preocupados com seu futuro acesso aos alimentos, já era limitado, ou estavam passando fome - um recorde chocante desde o início da coleta de dados em 2004.


A insegurança alimentar está crescendo devido à pandemia de Corona e políticas governamentais fracassadas


Como mostram dois estudos recentes da rede Penssan e do coletivo de pesquisa Food for Justice da Freie Universität Berlin, a pandemia contribuiu para uma maior deterioração da situação alimentar. Quase 117 milhões de brasileiros estavam com insegurança alimentar no final de 2020. 19 milhões deles já estavam passando fome; quase o dobro do que em 2018, quando eram dez milhões.

Este desenvolvimento afeta certos grupos mais do que outros. Pessoas que moram em áreas rurais no Norte ou Nordeste, que têm filhos pequenos, que são a única fonte de renda familiar como mulher, ou que são negras têm um acesso consideravelmente menos seguro aos alimentos. No norte, quase um quinto da população já sofre com a fome; no nordeste, um sétimo. Cidicleiton Zumba, que LN entrevistou no início da pandemia (ver LN 550), também confirma esta deterioração. Ele mora em Tururu, um bairro precário da periferia do Recife. “Agora vemos muitas famílias indo de porta em porta em Tururu pedindo comida. Nós, como coletivo, também recebemos muitos pedidos de ajuda. Afeta especialmente as pessoas que vivem nas ruas. E desde o início da pandemia, mais e mais pessoas estão caindo na pobreza ”, disse Zumba.

O “combate à fome” foi uma das promessas mais importantes da campanha presidencial de Luís Inácio Lula da Silva.


 Em seu discurso de posse em 2003, ele proclamou: “Se, no final do meu mandato, todos os brasileiros puderem fazer uma refeição três vezes ao dia, terei cumprido a missão de minha presidência”. Em apenas seus primeiros 30 dias, seu governo lançou o programa “Fome Zero” e, entre 2004 e 2013, o número de pessoas com fome caiu pela metade para 7,2 milhões.

O fato de a situação alimentar ter melhorado no âmbito dos programas de governo do PT tem sido reconhecido internacionalmente. A FAO destaca particularmente a introdução da merenda escolar - geralmente um almoço quente com feijão, arroz e vegetais para 43 milhões de crianças e jovens. Os alimentos usados ​​para essas refeições eram comprados em grande parte da agricultura local por meio do programa PAA, que também contribuiu para o alívio da pobreza.

O primeiro revés para esta política de sucesso contra a pobreza e a fome veio em 2014. 


Os preços internacionais das matérias-primas, cujas exportações anteriormente constituíam a base financeira da política social do PT, já tinham caído desde 2012. Seguiu-se a uma queda significativa da economia. Com o golpe parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff e a posse de Michel Temer em 2016 (ver LN 507/508), teve início o desmonte da política social. Particularmente fatal neste contexto é a lei que restringe os gastos do estado, que foi aprovada em dezembro de 2016. Ela limita o orçamento do estado por 20 anos, em princípio, ao nível de 2016 (mais inflação) - apesar de uma população crescente. Portanto, mesmo que houvesse vontade política para maiores gastos sociais, a lei limita significativamente a margem de manobra do governo na pandemia.

Em nítido contraste com Lula, Bolsonaro suspendeu as atividades do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea) 


Em nítido contraste com Lula, Bolsonaro suspendeu as atividades do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea) no próprio dia de sua posse. Até então, o Consea, criado em 1993, coordenava os programas federais de segurança alimentar e desempenhava um papel importante no combate à fome, inclusive no diálogo com a sociedade civil. Em setembro de 2019, o Parlamento brasileiro votou pela extinção do Conselho, e a maioria dos funcionários da Secretaria de Segurança Alimentar foi demitida.

Em vez de “fome zero”, “planejamento zero contra a fome” agora era política governamental. 


Isso também fica evidente na dissolução das reservas governamentais de alimentos e na erosão do programa agrícola do PAA. Nos primeiros nove meses da pandemia - com todas as restrições ao comércio e transporte - o governo gastou apenas 7% do orçamento de 500 milhões do PAA. Planos já aprovados pelo Congresso e pelo Senado para aumentar os pagamentos à agricultura familiar como parte da ajuda emergencial foram vetados pelo Bolsonaro em setembro de 2020. “Mas são exatamente essas propriedades familiares que fornecem alimentos para a população”, Ana Maria Segall, pesquisadora sobre segurança alimentar, diz LN.

Apesar de 19 milhões de brasileiros passarem fome, Bolsonaro se gabou na Assembleia Geral da ONU :


 Em setembro de 2020 , Bolsonaro disse que seu país nunca havia exportado tanto e que o mundo estava “cada vez mais dependente do Brasil para alimentação”. Na verdade, o Brasil é o terceiro maior exportador de alimentos do mundo - depois dos Estados Unidos e da China. Em 2019, o país exportou 240 milhões de toneladas de açúcar, soja, milho, suco de laranja, carne bovina e outros para 180 países, gerando US $ 34,1 bilhões em vendas. Para este ano, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE) também prevê safra recorde de cereais, hortaliças e oleaginosas. O que parece paradoxal é, para Segall, uma questão de priorização: “Enquanto o agronegócio recebe incentivos do governo, a agricultura familiar fica de mãos vazias. Em vez de um paradoxo,

O cultivo de soja e milho, lucrativo para exportação, tem se expandido cada vez mais nos últimos anos - em detrimento de alimentos básicos como feijão e arroz. A desvalorização do real também significa que maiores lucros estão sendo obtidos com as vendas para o exterior. Somente entre março e julho de 2020, as exportações de arroz aumentaram 260 por cento. Importações mais caras e entesouramento durante a pandemia levaram a um aumento médio de 14% nos preços dos alimentos no ano passado: em vez de 15 reais, por exemplo, um saco de arroz de cinco quilos de repente custou 40 reais (o equivalente a cerca de dez euros em 2020) .

Apesar disso, a ajuda emergencial mensal paga durante a pandemia, inicialmente 600 reais, foi sucessivamente reduzida e finalmente suspensa por completo entre janeiro e março de 2021.

Como mostra o estudo Food for Justice, ela desempenhou um papel fundamental no ano passado: “A ajuda emergencial chegou aos mais necessitados. Sem ele, a situação seria ainda pior. Porém, o valor não é suficiente para manter um certo nível de segurança alimentar, que depende muito da renda ”, explica Renata Motta, professora da FU Berlim e integrante do coletivo de pesquisadores em entrevista ao LN. A partir de abril, a ajuda de emergência foi retomada a uma média de 250 reais (38 euros) por família - completamente insuficiente, como também constata Segall: “A ajuda de emergência só é acessível a um número limitado de pessoas e seu valor é apenas um quarto do que foi pago em meados de 2020. A população está exposta à fome e à pandemia sem o apoio do governo ”.

Eliane Farias do Nascimento, da favela Santa Luiza, no Recife, também confirma essa avaliação para LN: “Tem muita fome no bairro, muitos estão desempregados. A ajuda que eles pagam é muito pequena. Só é suficiente para comida, água potável ou eletricidade. É difícil sobreviver e pelo menos ter pão em casa. Dois dos meus filhos ainda bebem leite, mas alguns dias não consigo comprar. ”

Diante do aumento da fome e da inação do governo, a sociedade civil está se organizando para mobilizar as doações. “Tem gente com fome” é o nome de uma das campanhas promovidas por organizações cada vez maiores, como Anistia Internacional, Oxfam Brasil e Instituto Ethos.

O movimento sem terra MST regularmente doa grandes quantidades de alimentos cultivados em terras de reforma agrária por seus membros. Mais recentemente, eles distribuíram 100 toneladas de alimentos e 3.000 litros de leite em várias regiões do Brasil no final de abril. Mas organizações menores também veem as campanhas como a ordem do dia. Por exemplo, após doze anos de ativismo cultural, o coletivo Força Tururu pediu pela primeira vez a doação de alimentos no bairro em 2020 e continua fazendo até hoje em face da necessidade. “Respondemos ao sofrimento de nossos vizinhos, ao mesmo tempo em que veem que exigimos a alimentação como um direito humano”, diz Cidicleiton Zumba. “Admitir que está com fome não é fácil para ninguém, ainda é um tabu. Mas conosco eles podem falar sobre isso. E estou feliz por estarmos conseguindo quebrar esse tabu. ”

A entrevista apareceu na edição online do Lateinamerika Nachrichten No.563


 Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>