{ads}

Líderes latino-americanos reagem ao ataque dos terroristas do Hamas a Israel

Leia outros artigos :

Embora condenassem o terrorismo, muitos governos latino-americanos expressaram solidariedade com os palestinos

A maioria dos governos latino-americanos reagiu com críticas aos ataques perpetrados pelo grupo militante Hamas em Israel no dia 7 de outubro. No entanto, muitos desses governos também expressaram solidariedade aos palestinos e aos territórios palestinos, juntamente com suas condenações oficiais aos ataques.

As Forças de Defesa de Israel responderam aos ataques do Hamas isolando a Faixa de Gaza e lançando ataques aéreos em retaliação. O Hamas foi designado como organização terrorista pela União Europeia, Estados Unidos, Israel e outros governos. Até quarta-feira, mais de 1.100 pessoas, incluindo pelo menos 300 crianças, foram mortas em operações das Forças de Defesa de Israel em Gaza, de acordo com autoridades de saúde palestinas, e mais de 5.000 ficaram feridas. O conflito também se estendeu à Cisjordânia ocupada por Israel, onde o Ministério da Saúde de Israel relatou 1.200 mortes e mais de 3.000 feridos.

O governo colombiano inicialmente emitiu um comunicado condenando veementemente o terrorismo e os ataques à população civil, mas uma versão subsequente retirou a palavra "terrorismo" do documento. O presidente colombiano, Gustavo Petro, expressou suas opiniões nas redes sociais, comparando a injustiça sofrida pelo povo palestino à injustiça enfrentada pelos judeus durante o regime nazista na Europa. Isso levou a uma discussão acalorada com o embaixador de Israel na Colômbia, Gali Dagan.

A Bolívia, que rompeu relações com Israel em 2009 em protesto contra a operação militar de Israel em Gaza na época, expressou "profunda preocupação" com os acontecimentos violentos na Faixa de Gaza e criticou a inação das Nações Unidas e do Conselho de Segurança.

O governo de Cuba descreveu o conflito como uma consequência de décadas de violação dos direitos palestinos e das políticas agressivas de Israel. A Venezuela, por sua vez, não condenou explicitamente os ataques, mas pediu por "negociações genuínas" entre Israel e Palestina.

Em contraste com seus pares, o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, condenou explicitamente o Hamas, comparando-o às gangues criminosas em El Salvador. A comunidade judaica da Argentina e o presidente argentino Alberto Fernandez também condenaram fortemente o ataque do Hamas. O Chile condenou os ataques a Israel com veemência, enquanto a Comunidade Palestiniana do Chile reiterou sua esperança por uma solução pacífica e criticou a violação contínua dos direitos palestinos por Israel.

O Brasil, atualmente presidente do Conselho de Segurança da ONU, pediu máxima contenção de todas as partes para evitar uma escalada e reiterou seu apoio a uma solução de dois Estados, de acordo com as resoluções das Nações Unidas. O México enfatizou a necessidade de uma solução política para o conflito, apoiando um Estado Palestino politicamente e economicamente viável, lado a lado com Israel, dentro de fronteiras seguras e reconhecidas internacionalmente.
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :
Deutsche Welle
NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.