{ads}

Controvérsia na ONU: China e Cuba retêm assentos no Conselho de Direitos Humanos apesar das acusações de abusos

Leia outros artigos :

O CDHNU foi criticado por permitir que países como China e Cuba, conhecidos por violações dos direitos humanos, se tornem membros do conselho, o que foi chamado de farsa.

A reeleição da China e de Cuba para o Conselho de Direitos Humanos da ONU (CDHNU) em 10 de outubro foi recebida com condenação por parte de grupos de direitos humanos, ativistas e políticos dos Estados Unidos. A votação aconteceu durante a Assembleia Geral da ONU, preenchendo 15 assentos no Conselho de Direitos Humanos de 47 membros.

Após a reeleição, o senador Jim Risch, membro do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA, criticou a inclusão da China no CDHNU, afirmando que o país se juntou ao conselho apenas para bloquear críticas aos seus abusos contra os direitos humanos em Xinjiang, Tibet e outras regiões. Nikki Haley, ex-embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, também expressou desapontamento, chamando o CDHNU de "farsa" por permitir que países como China e Cuba, que violam os direitos humanos, sejam membros do conselho.

Na votação, a China recebeu 154 votos no grupo Ásia-Pacífico, ficando em último lugar entre os países eleitos. Mais de 80 grupos de direitos humanos emitiram uma declaração conjunta instando os estados membros da ONU a não votarem na China, destacando os abusos dos direitos humanos cometidos pelo regime chinês, incluindo perseguição aos uigures, repressão em Hong Kong e prisões arbitrárias.

Os Estados Unidos, sob a administração Trump, se retiraram do CDHNU em 2018, citando a inclusão de países violadores de direitos humanos no conselho. No entanto, a administração Biden reverteu essa decisão, e os Estados Unidos retornaram oficialmente ao CDHNU em outubro de 2021. Após a reeleição da China e de Cuba, alguns políticos dos EUA, como o deputado Chip Roy, defenderam a desfinanciar o Conselho de Direitos Humanos da ONU, argumentando que os dólares dos contribuintes não deveriam financiar uma organização que apoia países que violam os valores americanos e a dignidade humana básica. O deputado Ronny Jackson também expressou apoio à desfinanciamento do conselho em um post no X.

A reeleição da China e de Cuba para o Conselho de Direitos Humanos da ONU (CDHNU) em 10 de outubro foi recebida com condenação por parte de grupos de direitos humanos, ativistas e políticos dos Estados Unidos. A votação aconteceu durante a Assembleia Geral da ONU, preenchendo 15 assentos no Conselho de Direitos Humanos de 47 membros.

Após a reeleição, o senador Jim Risch, membro do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA, criticou a inclusão da China no CDHNU, afirmando que o país se juntou ao conselho apenas para bloquear críticas aos seus abusos contra os direitos humanos em Xinjiang, Tibet e outras regiões. Nikki Haley, ex-embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, também expressou desapontamento, chamando o CDHNU de "farsa" por permitir que países como China e Cuba, que violam os direitos humanos, sejam membros do conselho.

Na votação, a China recebeu 154 votos no grupo Ásia-Pacífico, ficando em último lugar entre os países eleitos. Mais de 80 grupos de direitos humanos emitiram uma declaração conjunta instando os estados membros da ONU a não votarem na China, destacando os abusos dos direitos humanos cometidos pelo regime chinês, incluindo perseguição aos uigures, repressão em Hong Kong e prisões arbitrárias.

Os Estados Unidos, sob a administração Trump, se retiraram do CDHNU em 2018, citando a inclusão de países violadores de direitos humanos no conselho. No entanto, a administração Biden reverteu essa decisão, e os Estados Unidos retornaram oficialmente ao CDHNU em outubro de 2021. Após a reeleição da China e de Cuba, alguns políticos dos EUA, como o deputado Chip Roy, defenderam a desfinanciar o Conselho de Direitos Humanos da ONU, argumentando que os dólares dos contribuintes não deveriam financiar uma organização que apoia países que violam os valores americanos e a dignidade humana básica. O deputado Ronny Jackson também expressou apoio ao desfinanciamento do conselho em um post no X.
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.