Maceió-AL

Os EUA aconselham impedir a instalação de um cabo submarino que o conecte a Cuba

Veja também

Um cubano se conecta à internet em Havana. CUBA DIÁRIO
Um cubano se conecta à internet em Havana. CUBA DIÁRIO
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,01/12  de 2022




O Departamento de Justiça adverte que algo assim é desaconselhável, já que Havana representa uma "ameaça de contra-espionagem".

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos recomendou na quarta -feira à Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) que negue a licença para a instalação do primeiro cabo submarino de telecomunicações que ligaria os Estados Unidos a Cuba.

O governo cubano representa uma "ameaça de contra-espionagem" para os EUA e, como o monopólio estatal de telecomunicações ETECSA administraria o sistema de aterrissagem de cabo, Havana poderia "acessar dados sensíveis dos EUA que viajam pelo novo segmento de cabo". , citado pela EFE.

"Enquanto o governo de Cuba continuar sendo uma ameaça de contra-espionagem para os Estados Unidos e for um aliado de outros que fazem o mesmo, os riscos para nossa infraestrutura são simplesmente grandes demais ", disse o vice-procurador de segurança interna Matthew G. Olsen em uma declaração.

Segundo o Departamento de Justiça, as relações de Havana com outros “adversários estrangeiros”, como a China ou a Rússia, representam um risco para o governo se tal conexão existisse.

Olsen destacou que os Estados Unidos, no entanto, "apoiam a existência de uma rede de Internet segura, confiável e aberta em todo o mundo, incluindo Cuba".

O sistema de cabos subaquáticos ARCOS-1 USA Inc. solicitou à FCC a adaptação de sua rede, incluindo a primeira e única conexão do gênero entre os Estados Unidos e Cuba.

A rede ARCOS-1 conecta 24 pontos de pouso em 15 países do continente, incluindo Estados Unidos, Venezuela, Colômbia, Panamá, Nicarágua e México.

Em 2016, o subsecretário de Estado norte-americano do governo de Barack Obama, Daniel Sepúlveda, anunciou o interesse de Havana em instalar um cabo submarino entre Miami e a Ilha que permitisse uma conexão direta com a Internet.

O responsável norte-americano disse então que os Estados Unidos estão a promover uma análise sobre o assunto, e acrescentou que uma vez existente a ligação, gostaria de saber o interesse da ETECSA em participar em iniciativas mistas com empresas especializadas na instalação de torres celulares ou na implantação redes sem fio.

Cuba está conectada à Venezuela por um cabo submarino, mas apesar disso a conectividade à Internet na ilha é cara e lenta , enquanto o regime bloqueia sites, pune quem usa as redes sociais para postar críticas contra ele e impõe interrupções de serviço durante protestos e ondas de repressão impedir a divulgação de informações que o afetem.

Em seu relatório mais recente, a ONG internacional Freedom House classificou Cuba em quarto lugar entre os países com menos liberdade na Internet no mundo.

Esta qualificação, que coloca a ilha como um país de internet "não livre", representa uma posição inferior a 2020. Cuba acumula 20 pontos em 100 possíveis no ranking da Freedom House, que mede a existência de obstáculos para se conectar à rede das redes, bem como os limites impostos aos conteúdos online e as violações dos direitos dos internautas. 



Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎


Apenas a China, com dez pontos, Myanmar, com 12, e o Irã, com 16, se classificaram pior que a Ilha no ranking.

Segundo o relatório, "apesar das melhorias na infra-estrutura técnica, Cuba tem uma das taxas de conectividade mais baixas do Hemisfério Ocidental, o acesso regular à Internet continua extremamente caro e as conexões são precárias".

Além disso, "as autoridades monitoram o uso e trabalham para direcionar o tráfego para a intranet controlada pelo governo. O estado se envolve em esforços de manipulação de conteúdo e bloqueia sites de notícias independentes. têm sido usados ​​nos últimos anos para intimidar e silenciar o jornalismo digital".

A Freedom House enfatizou que a internet foi outro cenário de repressão aos protestos antes, durante e depois do 11 de setembro. “As autoridades restringiram a conectividade à Internet, bloquearam redes sociais e plataformas de comunicação e interromperam seletivamente o atendimento dos opositores”, resumiu.

O relatório enfatizou que, após a entrada em vigor do Decreto-Lei 35 de Telecomunicações em agosto de 2021, a obrigação dos provedores de serviços de censurar conteúdo online sem supervisão judicial ou medidas de transparência foi incorporada na ordem legal.

Da mesma forma, o novo Código Penal, aprovado em maio de 2022 e que entrou em vigor a 1 de dezembro, “criminaliza ainda mais o discurso online, estabelecendo penas explícitas e muitas vezes mais severas para vários alegados crimes cometidos através de redes digitais, incluindo calúnia e uso de redes sociais para organizar protestos", diz ele.

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>