Maceió-AL

Guatemala: Jornal que denunciava corrupção deixa de ser impresso

Veja também

ARQUIVO - O premiado jornalista José Rubén Zamora, preso na véspera, fica dentro de uma cela após uma audiência na Cidade da Guatemala, sábado, 30 de julho de 2022. (AP Photo/Moisés Castillo, arquivo, arquivo)
ARQUIVO - O premiado jornalista José Rubén Zamora, preso na véspera, fica dentro de uma cela após uma audiência na Cidade da Guatemala, sábado, 30 de julho de 2022. (AP Photo/Moisés Castillo)
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió , 01/12 de 2022




CIDADE DA GUATEMALA (AP) — Em comemoração ao Dia do Jornalista na Guatemala, El Periódico, jornal matutino que publicou dezenas de casos de corrupção, esgotou-se e será publicado apenas em formato digital. O presidente do jornal, José Rubén Zamora, está preso há mais de quatro meses acusado de lavagem de dinheiro, tráfico de influência e chantagem, mas os órgãos de imprensa afirmam que sua prisão é injustificada e uma represália por seu trabalho.

Em coluna de despedida, Zamora agradeceu aos que apoiaram o jornal na quarta-feira.

“São 30 anos de luta contra a corrupção e a impunidade, contra o abuso de poder e o terrorismo de Estado, a favor da liberdade, da transparência e da responsabilidade, da democracia e do mercado”, escreveu e assinou “preso político” e deu a localização do presídio onde ele está.

Diversas organizações internacionais, dos Estados Unidos e de países da União Europeia, manifestaram sua preocupação com a situação do país, a rápida deterioração do Estado de Direito e a criminalização de funcionários do Judiciário, defensores de direitos humanos, opositores e jornalistas.

Durante o governo do presidente Alejandro Giammattei, mais de 30 oficiais de justiça e dezenas de ativistas e jornalistas que temiam por sua integridade foram para o exílio.

O jornal, fundado em 1996 -o mesmo ano em que foi assinada a paz na Guatemala após 36 anos de guerra civil-, fez tremer vários governos com suas notas sobre atos de corrupção que, após sua investigação judicial, se transformaram em processos penais que culminaram em condenações.

Em julho, Zamora, um dos maiores críticos de Giammattei, foi preso por ordem do Ministério Público.

Antes, o governo já havia retirado o anúncio oficial do jornal e, segundo familiares de Zamora, havia assediado empresários para que não anunciassem na mídia. Zamora então pediu doações e, segundo o Ministério Público, recebeu cerca de R$ 38 mil de uma pessoa. Então ele contatou seu amigo Rónald García Navarijo para depositar o dinheiro em um banco, mas em vez disso denunciou Zamora. García Navarijo é processado por vários atos de corrupção.

A defesa de Zamora afirma que ele não depositou o dinheiro em sua própria conta para não saber quem era o doador. Uma audiência está marcada para 8 de dezembro para determinar se ele vai a julgamento.

A promotoria negou a perseguição ao jornalista.

Para Mario Recinos, presidente da Associação de Jornalistas da Guatemala (APG), a situação da imprensa no país é grave. “Estamos entre limitações à liberdade de expressão, assédio, criminalização do trabalho jornalístico e perseguição judicial. Esta última é a questão mais preocupante para a mídia e jornalistas independentes e que têm criticado a gestão do governo”.

Recinos disse que durante o governo Giammattei, cinco jornalistas acusados ​​pelo Ministério Público "que visa limitar o direito dos jornalistas a informar e o direito da população a ser informada" foram para o exílio.

Zamora foi premiado nacional e internacionalmente e recebeu o reconhecimento do Comitê Internacional de Liberdade de Imprensa do Comitê para a Proteção de Jornalistas e o Prêmio Rei da Espanha de Mídia Ibero-Americana Destaque. Várias instituições de imprensa globais pediram sua libertação e a Associação Interamericana de Imprensa (SIP) o nomeou um de seus diretores para os próximos três anos, quando ele já estava preso.

"O que todo esse período tem mostrado é que tem chamado a união dos jornalistas e ter uma posição de exigir 'não vão nos calar'. Não queremos reconhecimento, não queremos medalhas, o que queremos é respeito pelo nosso trabalho, que reconhece o papel que a liberdade de expressão desempenha em uma democracia", disse Recinos.

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui



Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎




📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>