Maceió-AL

Putin teria tido um ataque de tosse e dor no peito antes de um discurso

Veja também

Chefe do Kremlin Vladimir Putin
Chefe do Kremlin Vladimir Putin
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas







O presidente russo, Vladimir Putin, precisava de ajuda médica enquanto se preparava para se dirigir a uma audiência russa e anunciar uma mobilização geral. O recurso foi publicado 13 horas depois no registro. Ele, entre outras coisas, continha ameaças nucleares apocalípticas.

Isso é relatado pelo The Daily Mail, citando fontes do Kremlin.

Putin teria tido um ataque de tosse e dor no peito antes de um discurso televisionado aos cidadãos anunciando uma mobilização parcial na Rússia e alertando que não estava blefando sobre ameaças de usar quaisquer meios militares possíveis.

Os jornalistas referem-se a publicações nas redes sociais russas, que supostamente são dirigidas por um ex-integrante do Kremlin, e escrevem que o discurso de Putin foi regravado várias vezes devido à saúde precária do presidente russo.

Putin estava atrasado para o início da gravação e, além disso, foi dominado por um ataque de tosse. Ele também se queixou aos médicos sobre dores no peito. Representantes do círculo interno admitem que o chefe de Estado disse aos enfermos para pensar mais sobre o conteúdo de seu apelo.
🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

Como resultado, ele afirmou que os reservistas no total de 25 milhões de pessoas não poderiam deixar a Federação Russa. Ao mesmo tempo, o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse que 300.000 reservistas seriam convocados. Além disso, pela primeira vez nos últimos meses, foram divulgados números oficiais de baixas militares russas - 5.937 pessoas mortas, segundo Shoigu - cuja confiabilidade até mesmo os ultra-realistas russos duvidam.

De acordo com as estimativas do Estado-Maior General das Forças Armadas da Ucrânia, a Rússia já perdeu 55.110 pessoas nesta guerra.

Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Também é alegado que vários ministros russos importantes foram convidados a renunciar após a ordem de Putin de realizar referendos nos territórios ocupados da Ucrânia. Em particular, a presidente do Banco Central, Elvira Nabiullina, cujos esforços mantêm a economia russa à tona, apesar das sanções.

O Pentágono considera os "referendos" na Ucrânia uma operação de informação do Kremlin. Esta iniciativa da liderança russa, segundo o secretário de imprensa do Departamento de Defesa dos EUA, visa desviar a atenção da difícil situação do exército russo .

Anteriormente , a Focus entendia por que Putin precisava de "referendos" e mobilização . O chefe do Kremlin chamou os territórios ocupados da Ucrânia de "terras históricas de Novorossiya" e apoiou os chamados "referendos".

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>