Maceió-AL

As consequências infelizes do retorno de Lula - Editorial Financial Times

Veja também

As consequências infelizes do retorno de Lula - Editorial Financial Times
As consequências infelizes do retorno de Lula - Editorial Financial Times
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas





Editorial Financial Times , março de 2021

Decisão que anula condenações do ex-presidente do Brasil fere credibilidade dos tribunais

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui


O político mais famoso da América Latina fez um retorno triunfante ao centro do palco depois que um juiz da Suprema Corte anulou inesperadamente suas condenações por corrupção. Não importa que a decisão a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha sido baseada em mero tecnicismo; seus apoiadores saudaram a decisão como uma justificativa de sua crença de longa data de que Lula foi vítima de uma vingança politicamente motivada.

As consequências da decisão, supondo que seja mantida pelo tribunal pleno, são imensas. De uma só vez, redesenha o mapa eleitoral para as eleições presidenciais do ano que vem, permitindo que Lula volte a concorrer. O presidente de extrema direita Jair Bolsonaro estava em uma posição forte para ganhar a reeleição contra uma oposição dividida; agora ele provavelmente enfrentará um forte desafio da esquerda. 

Bolsonaro tem um histórico lamentável no poder permitindo que o desmatamento da Amazônia suba para os máximos de 12 anos e administrando perigosamente a pandemia, enquanto decepciona as esperanças dos investidores por grandes reformas econômicas. Isso pode levar à conclusão de que uma decisão que permita o retorno de Lula só pode ser boa para o Brasil.

No entanto, a decisão do juiz tem consequências infelizes. É um duro golpe contra a credibilidade da maior e mais bem-sucedida investigação de corrupção da América Latina. Isso levanta questões perturbadoras sobre o sistema de justiça do Brasil. E aumenta as chances de que os políticos notoriamente venais do país possam voltar aos negócios como de costume.

O caso contra o ex-presidente de esquerda, que governou de 2003 a 2010, decorreu da investigação de corrupção “Lava Jato” . Batizada com o nome de uma lavagem de carros usada para lavar dinheiro em Brasília, a investigação começou em 2014 e descobriu um vasto esquema de contratos por propinas envolvendo o grupo petrolífero estatal Petrobras, um grupo de empresas de construção e vários políticos proeminentes. A investigação destruiu a impunidade que reinava entre a elite do país e ganhou enorme apoio público.

Mas, em seu zelo de prender os poderosos, os promotores cometeram erros graves. Mensagens vazadas entre um juiz que julga os casos, Sergio Moro, e promotores discutindo quais evidências usar contra Lula sugeriram que os cantos estavam sendo cortados para garantir condenações. A decisão posterior de Moro de aceitar um cargo de gabinete no governo de Bolsonaro só alimentou acusações de viés político. Mais tarde, ele renunciou, mas o estrago já estava feito.




Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Lula agora atiçou as chamas envolvendo “Lava Jato” em seu discurso de retorno. Em vez de abordar a corrupção generalizada descoberta em seu turno pela investigação, ele se declarou vítima da “maior mentira judicial em 500 anos” e alegou que o juiz que revogou sua sentença “reconheceu que não houve nenhum crime cometido por mim”. . O juiz não fez tal coisa: ele apenas decidiu que o tribunal provincial que ouviu os casos não tinha jurisdição, o que significa que eles devem começar de novo em um tribunal diferente.

Essas sutilezas legais serão perdidas para a maioria dos brasileiros, e por isso o supremo tribunal tem apenas a si mesmo para culpar. Decidir sobre a jurisdição de um tribunal quase quatro anos depois de ter proferido a sentença parece bizarro; permitir que uma decisão tão crucial seja tomada por um único juiz originalmente nomeado pelo partido de Lula é convidar a acusações de parcialidade.

O Brasil agora enfrenta a sinistra perspectiva de impunidade para os corruptos: a investigação “Lava Jato” foi encerrada discretamente no mês passado após sete anos. Quase tão desagradável é a promessa de uma eleição polarizada no próximo ano entre candidatos da extrema direita e da esquerda antiquada.

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>