Maceió-AL

LULA : Aclamado como salvador, ridicularizado como ladrão - The Economist

Veja também

O CHEFE
O CHEFE
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas






Publicado em 9 de abril de 2022 , The Economist

Luiz Inácio Lula da Silva, mais conhecido como Lula, deve anunciar sua candidatura à presidência do Brasil. Para muitos brasileiros, será um momento para saborear. A última vez que Lula ocupou o cargo, de 2003 a 2010, seus programas de assistência social tiraram milhões da pobreza. Seu carisma rude encantou Barack Obama, então presidente dos Estados Unidos, que chamou Lula de “o político mais popular da Terra”. Quando ele deixou o palácio presidencial, com 11 caminhões cheios de presentes de simpatizantes, seu índice de aprovação era de 80%. Enquanto os brasileiros sofrem com uma pandemia mal administrada e uma inflação teimosa, não é de surpreender que Lula lidere Jair Bolsonaro, o atual populista, por dois dígitos na maioria das pesquisas.

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui
No entanto, os opositores preferem outro superlativo para o ex-presidente. Ele é “o maior corruptor da história brasileira”, disse Ciro Gomes, um adversário de centro-esquerda, no ano passado. Bolsonaro e seu filho Flávio, senador, que também estão envolvidos em acusações de corrupção, se referem a ele como “o ladrão de nove dedos” (quando jovem, Lula perdeu um dedo em um acidente de fábrica). Os rivais não vão querer que os eleitores esqueçam que Lula foi condenado a 12 anos de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção e assistiu à eleição anterior da prisão.

Antes das eleições de outubro, essas duas narrativas disputam a supremacia. A maioria dos apoiadores de seu Partido dos Trabalhadores, o pt , acredita nele quando diz que foi vítima inocente de uma conspiração para impedir seu retorno à política. Muitos na elite empresarial acreditam que ele é um bandido. A verdade é mais obscura e, como a corrupção no Brasil em geral, enlouquecedoramente complexa.

Comece pelo processo que derrubou Lula: o escândalo da “lava jato”, ou Lava Jato. O que começou em 2014 como uma operação para pegar pequenos negociantes de moeda acima de um posto de gasolina logo chegou mais longe do que qualquer um poderia imaginar. Ele revelou que as empresas estavam subornando políticos em troca de grandes contratos, expondo a corrupção sistêmica.

O público ficou furioso. A investigação envolveu centenas de empresários e políticos. Estendeu-se a 11 países e tocou uma dúzia de atuais ou ex-chefes de Estado latino-americanos, incluindo Lula. Ele foi condenado por aceitar suborno na forma de um apartamento à beira-mar e reformas em uma casa de campo, nenhuma das quais ele possuía. Em uma investigação que recuperou mais de US$ 5 bilhões em dinheiro roubado, houve muito mais crimes “vulgares” e “flagrantes”, observa um promotor da Lava Jato. Mas Lula era seu maior peixe.

Então a rede rasgou. Uma série de erros já havia minado a Lava Jato, que há muito se estendia além de suas capacidades. Mensagens vazadas divulgadas pelo Intercept, um site investigativo, revelaram que Sergio Moro, o juiz, estava colaborando com Deltan Dallagnol, o promotor, contra Lula. A imparcialidade de Moro já havia sido questionada quando ele se tornou ministro da Justiça de Bolsonaro. “O ex-presidente foi vítima de uma caçada”, diz Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula.

A Suprema Corte concordou. No ano passado, decidiu que Moro havia sido tendencioso, semanas depois que um juiz anulou as condenações de Lula. Ao todo, duas dúzias de casos contra Lula e sua família foram arquivados, suspensos ou encerrados – por causa de provas adulteradas, erros processuais ou tecnicismos. Lula, que sempre negou todas as acusações, parece vingado. “Fui injustiçado. Já provei minha inocência”, disse ele ao The Economist no ano passado.

Nem todos estão convencidos. Uma pesquisa de fevereiro revelou que 51% dos inquiridos, e 22% dos que votaram no pt , não acreditavam que o arquivamento de um dos processos contra Lula comprovasse sua inocência. Seus advogados dizem que isso se deve a um “julgamento pela mídia”. Os críticos dizem que ele não foi absolvido. “Tudo arquivado, nada esclarecido”, dizia uma manchete recente em um semanário brasileiro.

Os trapos e as máquinas zumbindo
Considere o caso dos aviões suecos. Um dos filhos de Lula recebeu 2,5 milhões de reais (US$ 740.000) de um lobista, ostensivamente para promover o futebol americano. Esse lobista estava ao mesmo tempo trabalhando para uma fabricante de aviões sueca que acabou ganhando um concurso controverso para novos caças. Os promotores acusaram Lula, que havia deixado o cargo neste momento, de influenciar sua protegida e sucessora Dilma Rousseff a concordar com o acordo. Em 2 de março, tornou-se o último caso contra Lula a ser arquivado, por causa de provas adulteradas.

Outro caso envolveu uma casa de campo em Atibaia de propriedade de sócios de outro filho de Lula. A Odebrecht, uma construtora, alegou que pagou para reforma-la. Depoimentos e documentos judiciais colocaram Lula e seus pertences no local. Alguém do instituto que leva o nome de Lula recebeu atualizações por e-mail sobre questões de manutenção, gambás e filhotes de pavão. No entanto, apesar do que foi apresentado no julgamento, Moro não recebeu provas suficientes para justificar a abertura do caso, disse o juiz da Suprema Corte que se recusou a reabrir o processo. Outros casos poderiam ser revividos pelo tribunal federal, mas isso levaria anos. O julgamento final provavelmente virá de um estudo histórico, não de uma decisão judicial.

Os críticos têm uma segunda queixa mais grave sobre Lula: que ele presidiu a corrupção sistêmica. Durante seu primeiro mandato, o pt usou ilegalmente dinheiro público para pagar aos políticos um mensalão , em troca de apoio ao seu programa. As políticas que promulgaram ajudaram muitos brasileiros, mas a um alto custo moral.

A Lava Jato também mostrou que, sob o governo do pt , empresas estatais rotineiramente concediam contratos acolchoados a empresas corruptas, principalmente a Odebrecht. Malu Gaspar, jornalista que escreveu um livro sobre o escritório, conta como Marcelo Odebrecht, seu ceo , pediu ao departamento de “Operações Estruturadas” (ou à equipe especializada em propina) que somasse suas “doações” do pt . Nos dois últimos anos do governo Lula, esses pagamentos somaram 200 milhões de reais (cerca de US$ 115 milhões em 2010).

Lula sempre sustentou que não sabia nem da política do mensalão nem dos pagamentos da Odebrecht. Mas dois de seus chefes de gabinete, Antonio Palocci e José Dirceu, estiveram no centro de ambos os escândalos. Em público, Lula denunciou a Odebrecht como uma “organização criminosa”. No entanto, na planilha de codinomes coloridos da empresa, seus contadores o chamavam de “Amigo”; depois que deixou o cargo, ele viajou pela África e pela América Latina.


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Mas seria “muito impreciso” dizer que apenas o pt se comportou dessa forma, diz Caio Rodríguez, principal conselheiro da Odebrecht durante a Lava Jato. A investigação se concentrou principalmente neles porque estavam no governo federal. Mas ele observa que, em termos de quantidade, as propinas que a Odebrecht deu em nível estadual ao principal grupo de oposição, o Partido da Social Democracia Brasileira, foram praticamente as mesmas. Em termos de número de parlamentares investigados, o mais sujo foi um dos antigos partidos de Bolsonaro, o Partido Progressista, não o pt . Historicamente, também, “não há diferença” entre o pt e os governos anteriores, diz Fernando Limongi, sociólogo. Era “negócios como sempre”.

Se Lula vencer, será diferente desta vez? Muito vai depender do quanto a Lava Jato desorganizou o estado de coisas usual. Uma mudança significativa é que as empresas que subornam políticos agora enfrentam punições legais e financeiras incapacitantes se forem pegas. Isso pode impedir futuros delitos.

No entanto, apesar das manchetes, a Lava Jato não acabou com a impunidade no Brasil. Investigou e processou indivíduos, em parte usando métodos semelhantes aos das forças-tarefa anticorrupção americanas, como a delação premiada. Mas foi incapaz de erradicar uma cultura de corrupção. Os poderosos reagiram. Erros e lapsos de promotores, incluindo Moro, levaram à anulação de centenas de condenações. A intromissão política na investigação enfraqueceu a confiança no sistema de justiça. O suborno e o desfalque continuam, e o público já não se importa tanto quanto antes. A corrupção foi durante anos a questão número um para os eleitores; pesquisas agora o classificam em quinto ou sexto. Com a inflação em 11%, eles têm outros problemas para se preocupar.

E embora Bolsonaro tenha chegado ao poder prometendo acabar com a corrupção, ele aproveitou discretamente a reação contra a Lava Jato. O presidente prejudicou instituições-chave que lutam contra a corrupção, substituindo seus líderes e reduzindo seus poderes. Ele demitiu o chefe da Polícia Federal. Moro diz que isso foi para interromper uma investigação sobre seus filhos. Bolsonaro nega. Moro deixou o cargo de ministro da Justiça em protesto. Finalmente, ao criar um “orçamento secreto”, Bolsonaro serviu milhões de dólares em carne de porco para alguns dos membros mais sujos do Congresso. Em 2020 anunciou o fim de vez da Lava Jato.

Na lava jato

Os esforços anticorrupção estão agora mais fracos do que há anos, diz Bruno Brandão, da Transparência Internacional Brasil, um órgão de vigilância que defendeu a Lava Jato. Lula pode tentar reverter esse declínio, avalia Silvana Batini, que estava na força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro. Como presidente – e ao contrário de Bolsonaro – Lula nomeou um procurador-geral de uma lista não partidária. Fortaleceu a Polícia Federal. Após grandes protestos em 2013, Dilma Rousseff apresentou a lei que lançou as bases para a Lava Jato. Apesar da corrupção dentro de suas próprias fileiras, o pt fortaleceu as instituições que acabaram por derrubá-los.

É improvável que Lula dê uma explicação sutil de tudo isso aos eleitores, muito menos um mea culpa . Em vez disso, ele está processando as pessoas. Em 22 de março, ele ganhou indenização do Sr. Dallagnol, o promotor nos memorandos vazados, por um PowerPoint difamatório que este apresentou antes de qualquer caso ter sido aberto. Os advogados de Lula chamaram a indenização de “um símbolo da reparação histórica que é devida”. Seu cliente chamou seus acusadores de “pirralhos messiânicos”. Outros três processos contra detratores estão pendentes.

Em 31 de março, Moro, que se apresentou como candidato da “terceira via” à presidência, anunciou que suspenderia sua campanha. Alguns dias depois, ele pareceu mudar de ideia. Tal indecisão aumenta a probabilidade de um confronto entre Lula e Bolsonaro, e também de uma corrida mais acirrada. É uma competição que fará estranhos companheiros de cama. Antes de Bolsonaro se tornar presidente, Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo, disse que a volta de Lula ao poder significaria voltar “à cena do crime”. Agora, espera-se que Alckmin seja o companheiro de chapa de Lula. Sua reviravolta pode cheirar a oportunismo. Mas em outubro muitos brasileiros podem acabar fazendo uma escolha semelhante.

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>