Maceió-AL

Peru informa primeira morte por varíola ; qual direção a pandemia de Covid pode ir ?

Veja também

Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS NOTÍCIAS   Brasil, Maceió 02 de agosto de 2022




  • Peru confirma a primeira morte no país por varíola
  • Em que direção os especialistas acham que a pandemia de Covid pode ir?


🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

Peru confirma a primeira morte no país por varíola

As autoridades peruanas confirmaram a primeira morte no país devido à varíola, doença que deixou mais de 300 casos em território peruano até o momento.

O Hospital Nacional Dos de Mayo indicou em comunicado que o doente de 41 anos "foi admitido de urgência por insuficiência respiratória e lesões cutâneas com história de infecção por VIH e tuberculose, com abandono do tratamento antirretroviral".

"Estas lesões eram compatíveis com os sinais da varicela, e o diagnóstico foi confirmado pelo Instituto Nacional de Saúde", disse, antes de acrescentar que o homem foi internado em cuidados intensivos onde "apesar dos esforços feitos pelos especialistas para lhe salvar a vida , ocorreu a morte".

Assim, detalhou que a causa da morte foi insuficiência respiratória, insuficiência renal aguda e choque séptico. “É importante mencionar que pacientes com comorbidades como HIV e tuberculose que abandonam o tratamento por diversos motivos podem desenvolver infecções graves”, ressaltou.

“O Hospital Nacional Dos de Mayo reafirma o seu compromisso de continuar a prestar cuidados atempados aos doentes que se dirigem às suas instalações por qualquer doença, de modo a determinar o diagnóstico precoce e respetivo tratamento”.

Por sua vez, o Ministério da Saúde peruano afirmou em sua conta oficial no Twitter que até o momento foram detectados 313 casos de varíola em nove regiões do país. "Todos os pacientes estão recebendo atendimento médico. Foram registradas 99 altas médicas e está sendo feita a identificação do contato", concluiu.

Monkeypox é uma zoonose viral, ou seja, uma doença causada por vírus transmitidos de animais para pessoas, que produz sintomas semelhantes aos observados em pacientes com varíola no passado, embora menos graves, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) em seu local na rede Internet.

A organização, que no final de julho declarou a doença uma emergência de saúde pública de interesse internacional, destaca que a varíola “ocorre principalmente em áreas de floresta tropical da África central e ocidental e, esporadicamente, é exportada para outras regiões”.

O Peru se tornou o quarto país não africano a confirmar mortes por varíola nas últimas semanas, depois da Espanha -onde duas pessoas morreram-, Brasil e Índia, que confirmaram sua primeira morte por esta doença na segunda-feira.

Continue a leitura após o anúncio:
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

Em que direção os especialistas acham que a pandemia de Covid pode ir?

O terceiro inverno da pandemia de coronavírus está no horizonte no Hemisfério Norte, e os cientistas estão alertando tanto os governos enfraquecidos quanto a população para se prepararem para mais ondas de COVID-19.

Até um milhão de casos diários de infecção podem ser registrados neste inverno apenas nos Estados Unidos, Chris Murray, diretor do Instituto de Metrologia e Avaliação em Saúde (IHME), um grupo independente da Universidade de Washington que monitorou a pandemia. O número seria aproximadamente o dobro do número diário atual.

No Reino Unido e na Europa, os cientistas estão prevendo uma série de ondas de COVID-19 à medida que as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados nos meses mais frios, desta vez em grande parte sem máscaras faciais ou restrições ao distanciamento físico.

No entanto, embora o número de casos possa aumentar novamente nos próximos meses, é improvável que as mortes e hospitalizações aumentem na mesma proporção, disseram especialistas, ajudados pela vacinação e doses de reforço, infecção anterior, variantes mais leves e a disponibilidade de tratamentos altamente eficazes. para COVID-19.

"As pessoas que correm maior risco são aquelas que nunca tiveram o vírus, e quase ninguém sobrou", disse Murray.

Essas previsões levantam novas questões sobre quando os países farão a transição da fase de emergência do COVID-19 para o status de doença endêmica, onde comunidades com altas taxas de vacinação experimentam surtos menores, possivelmente sazonais.

Muitos especialistas previram que essa transição começaria no início de 2022, mas a chegada da variante Omicron do coronavírus, com mutações importantes, interrompeu essas estimativas.

A pergunta "Acabou a pandemia?" deve ser "deixado de lado", disse Adam Kucharski, epidemiologista da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. Na opinião dele e de outros, o COVID-19 está se transformando em uma ameaça endêmica que continua tendo alta incidência. "Alguém me disse uma vez que a definição de endemia é que a vida se torna um pouco mais difícil", acrescentou.

O aspecto imprevisível é a possibilidade de uma nova variante aparecer que superará as atuais subvariantes dominantes do Omicron. Se essa variante também causar doenças mais graves e conseguir escapar da imunidade anterior, esse seria o "pior cenário", de acordo com um relatório recente do escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Europa.

“Todos os cenários (com novas variantes) indicam o potencial de uma grande onda futura em um nível tão ruim ou pior que as ondas epidêmicas de 2020/2021”, disse o relatório baseado em um modelo do Imperial College London.

Muitos dos especialistas em doenças entrevistados pela Reuters disseram que fazer previsões para o COVID-19 se tornou muito mais difícil, pois muitas pessoas dependem de testes rápidos em casa que não são relatados às autoridades de saúde do governo. , sendo as taxas de infecção obscuras.

BA.5, a subvariante Omicron que atualmente está causando o pico de casos em muitas regiões, é altamente transmissível, o que significa que muitos pacientes hospitalizados por outras doenças podem testar positivo para COVID-19 e estão entre os casos graves.

Os cientistas dizem que outras incógnitas complicam suas previsões, como a questão do potencial aumento da eficácia de uma combinação de vacinação e infecção com COVID-19 – a chamada imunidade híbrida – e a eficácia das campanhas de reforço.

“Qualquer um que diga que pode prever o futuro dessa pandemia está confiante demais ou mentindo”, disse David Dowdy, especialista em doenças infecciosas da Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

Os especialistas estão acompanhando de perto os desenvolvimentos na Austrália, onde os hospitais estão sobrecarregados no contexto de uma temporada de gripe combinada com o COVID-19. Segundo eles, é possível que os estados ocidentais enfrentem um padrão semelhante após várias temporadas de gripe tranquila.

"Se acontece lá, pode acontecer aqui. Vamos nos preparar para uma temporada de gripe no verdadeiro sentido da palavra", disse John McCauley, diretor do World Influenza Center do Francis Crick Institute, em Londres.

Segundo a OMS, cada país deve enfrentar as novas ondas com todas as ferramentas do arsenal pandêmico – de vacinas a intervenções como testes e distanciamento físico ou máscaras de proteção.

O governo israelense suspendeu recentemente os testes de rotina de viajantes para COVID-19 em seu aeroporto internacional, mas está pronto para retomar a prática "dentro de dias" se enfrentar um grande aumento nos casos, disse Sharon Alroy. Preis, diretor da agência de saúde pública do Ministério da Saúde em Israel.

“Quando há uma onda de infecções, temos que colocar nossas máscaras, temos que fazer o teste”, disse ela, acrescentando que “isso é viver com o COVID-19”. 

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️



🖥️ FONTES : 

Com Agências
📙 GLOSSÁRIO:

Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>