Maceió-AL

O segredo da resposta bem-sucedida da Dinamarca à COVID-19

Veja também

Aqueles eram os dias: o aeroporto inteiro para você e ninguém do trabalho poderia reconhecê-lo (foto: VisitDenmark)
Aqueles eram os dias: o aeroporto inteiro para você e ninguém do trabalho poderia reconhecê-lo (foto: VisitDenmark)
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,28 de agosto  de 2022



A confiança da nação em seu governo permitiu a implementação eficiente de políticas de proteção, concordam especialistas


🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

28 de agosto de 2022 04h46| por Amy Thorpe

Cerca de 3,2 milhões de casos e 6.500 mortes depois que o coronavírus foi detectado pela primeira vez dentro de suas fronteiras, a Dinamarca finalmente está vendo a pandemia pelo espelho retrovisor.

Escolas e empresas foram totalmente reabertas, as máscaras não são mais obrigatórias e o distanciamento social não é aplicado. Em suma, nenhuma restrição COVID-19 permanece.

Mas como o país chegou a esse ponto? A resposta está parcialmente em um profundo senso de união que sustenta a sociedade dinamarquesa.

A importância da confiança 

A Dinamarca é geralmente considerada uma sociedade confiante, apesar de certas atitudes em relação aos imigrantes. Dados acumulados pelo European Social Survey de 2002 a 2018 indicam que o país tem os mais altos níveis de confiança na Europa.

Isso provou ser benéfico para a Dinamarca à medida que a pandemia se desenrolava em todo o mundo. A população rapidamente se ajustou aos regulamentos do governo, que viram a Dinamarca se tornar um dos primeiros países europeus a instituir um bloqueio nacional, fechar suas fronteiras e impor o distanciamento social.

Estima-se que 90% dos dinamarqueses tenham fé no sistema de saúde de seu país, de acordo com o Hope Project, uma iniciativa que rastreia a percepção do público sobre o gerenciamento do COVID-19 pelo governo. Isso significava que, quando os testes e as vacinas foram introduzidos, eles encontraram pouca resistência.

“Fiquei um pouco preocupado quando o sistema de teste estava sendo lançado. Isso é algo que as pessoas verão como uma violação de seus direitos?” lembrou Michael Bang Petersen, chefe do Hope Project, em entrevista à ala de notícias do Fundo Monetário Internacional.

“As pessoas, em vez disso, viram isso como algo que você fez um pelo outro. Estou sendo testado não porque o estado diz que preciso ser testado, mas estou sendo testado para protegê-lo, para que possamos voltar a um modo de vida normal muito mais rápido. ”


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Erros na estrada
Infelizmente, há um lado negativo no senso de confiança dinamarquês, que o governo provavelmente deu como certo durante uma das eras mais preocupantes da pandemia: Minkgate.

Em 3 de novembro de 2020, o Statens Serum Institut identificou uma nova variante do COVID-19 presente na população de 17 milhões de visons da Dinamarca, levando o governo da PM Mette Frederiksen a exigir um abate em massa.

No entanto, só mais tarde veio à tona que o PM deu a ordem de matar sem autoridade legal. Como resultado, o Parlamento criou a Comissão Mink para investigar quais falhas na governança levaram ao erro, resultando em um relatório que considerou as ações de Frederiksen “grosseiramente enganosas e claramente ilegais”. Uma série de ministros e chefes de departamento também foram criticados no documento, com vários deles agora envolvidos em casos disciplinares.

Além de custar quase 18,6 bilhões de coroas em despesas, o desastre do vison também custou ao governo dinamarquês a confiança de muitas das pessoas que atende.

“No mínimo, a Comissão Mink descobre incompetência violenta no serviço público”, escreveu Petersen no Twitter. “A pesquisa mostra que essa experiência é suficiente para diminuir a confiança dos cidadãos.”

Olhando para o futuro

Após dois anos e meio tumultuados, a Dinamarca está preparada para futuras ameaças à saúde? Primeiro, há espaço para crescer com os erros do passado, de acordo com a presidente do Djøf, Sara Vergo.

“O que podemos aprender com [Minkgate]?” ela perguntou ao Dr. “Podemos aprender que precisamos gastar um pouco mais de tempo, mesmo em situações de pressão, para pensar sobre [nossas ações].”

Reflexões internas como essa ajudaram o governo a manter a confiança do público no passado. Para dar conta de fragilidades em sua gestão inicial do coronavírus, várias adaptações foram feitas nos primeiros dias da pandemia, como a ampliação dos poderes do ministro da saúde e da terceira idade.

O atual surto de Monkeypox pode em breve servir como um teste de estresse para as fortificações que o governo dinamarquês implementou contra doenças infecciosas. Mas não importa o vírus, o COVID-19 provou que a confiança é parte da chave para vencer a batalha.

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>