Maceió-AL

Cientistas identificam o que torna a variante Delta perigosa no Covid-19 - University of Colorado

Veja também

AR NEWS NOTÍCIAS   Brasil, Maceió 20   de julho de 2022


Cientistas identificam o que torna a variante Delta perigosa e explicam o recente aumento nas infecções por COVID-19
Cientistas identificam o que torna a variante Delta perigosa e explicam o recente aumento nas infecções por COVID-19


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Desde junho, o número de infecções por COVID-19 começou a aumentar novamente, pois a variante omicron mais transmissível começou a detectar mutações da variante delta, levando a novas subvariantes BA.4/BA.5 e variantes Deltacron. 

De todas as cinco variantes conhecidas de preocupação, que demonstraram evitar anticorpos terapêuticos e vacinas desenvolvidas contra o vírus SARS-CoV-2 original não mutado, o delta é o mais virulento, levando a sintomas graves e aumento da mortalidade entre as pessoas infectadas. 

Um novo estudo revisado por pares fornece respostas sobre por que o delta é a variante mais letal do SARS-CoV-2.

Para responder a essa pergunta crítica, pesquisadores da Escola Skaggs de Farmácia e Ciências Farmacêuticas da Universidade do Colorado realizaram análises biofísicas robustas na variante delta e nas mutações individuais que compõem a variante delta.

O estudo foi publicado na edição do Journal of Molecular Biology e apresentado na capa da revista.

“Nossas descobertas ajudam a explicar por que os pacientes que foram vacinados ainda podem ser infectados pelas novas variantes e por que os pacientes que contraíram a variante delta têm maior probabilidade de serem hospitalizados”, disse o autor Krishna Mallela, PhD, professor do departamento de ciências farmacêuticas na Escola de Farmácia e Ciências Farmacêuticas da CU Skaggs, localizada no Campus Médico Anschutz da Universidade do Colorado.

Os pesquisadores Casey Patrick, Vaibhav Upadhyay e Alexandra Lucas do laboratório de Mallela identificaram o efeito de resíduos mutantes no domínio de ligação ao receptor (RBD) através do qual o SARS-CoV-2 se liga aos receptores ACE2 que diminuem a capacidade de neutralização de anticorpos aprovados e plasma policlonal recuperado pacientes.

“Devido ao fato de sabermos que as vacinas estão se tornando menos eficazes contra variantes emergentes do SARS-CoV-2, é importante entender quais mutações estão causando essa diminuição na capacidade de neutralização”, disse Mallela.

Os cientistas descrevem informações cruciais sobre resíduos mutantes que agora ocorrem com frequência em variantes do SARS-CoV-2.

O estudante de pós-graduação Casey Patrick discute seus resultados nas variantes do SARS-CoV-2 com Mallela.

“Desde que realizamos análises individuais dessas mutações, temos uma compreensão fundamental de como alguns resíduos estão afetando o escape imunológico e a infectividade do SARS-CoV-2”, disse Mallela.

Os pesquisadores descobriram que o delta exibia características biofísicas únicas, ao contrário das variantes anteriores alfa, beta e gama. O sistema imunológico humano gera anticorpos para neutralizar o vírus em resposta à infecção pelo vírus. Esses anticorpos neutralizantes foram classificados em diferentes classes, dependendo da localização do epítopo no RBD, e alguns desses anticorpos foram previamente aprovados para uso emergencial pelo FDA. Os resultados do laboratório de Mallela indicaram que a variante delta evoluiu para escapar dos anticorpos Classe 2 e Classe 3, em vez de aumentar a ligação ao receptor ou escapar dos anticorpos Classe 1. Os anticorpos de classe 1 ligam-se ao RBD apenas em conformação ascendente onde o RBD é acessível à ligação ao ACE2, enquanto os anticorpos de classe 2 e classe 3 se ligam ao RBD independentemente de estar em conformação ascendente (acessível a ACE2) ou conformação descendente (inacessível a ACE2). Delta também mostra maior expressão de proteína. Acredita-se que uma mutação na variante delta, T478K, tenha evoluído de pacientes que foram infectados com variantes anteriores do SARS-CoV-2. Essa mutação demonstrou escapar de anticorpos gerados por infecções anteriores por COVID-19.

Os resultados indicam que a fuga imune de anticorpos neutralizantes é o principal parâmetro biofísico que está determinando o cenário de fitness das variantes emergentes.



Continue a leitura após o anúncio:
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎



🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️



🖥️ FONTES : 
Fonte da história:
Materiais fornecidos pelo Campus Médico Anschutz da Universidade do Colorado 


📙 GLOSSÁRIO:

Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>