Maceió-AL

Região do Curdistão registra primeira morte por febre do Congo

AR NEWS NOTÍCIAS 13 de junho de 2022
Templo Curdo  Iraque
Homem em oração - Templo Curdo,Iraque 


ERBIL, Região do Curdistão  -  O porta-voz do Ministério da Saúde da Região do Curdistão confirmou no sábado o primeiro caso de morte relacionada à febre do Congo; no mesmo dia, ele disse que um paciente com COVID-19 morreu como resultado da doença respiratória após mais de 40 dias sem mortes registradas por coronavírus.

O primeiro caso de febre hemorrágica da Crimeia-Congo foi registrado na região do Curdistão em 10 de maio. A pessoa infectada era um jovem de 17 anos da província de Erbil. A Região confirmou quatro casos de febre até agora, de acordo com o porta-voz do Ministério da Saúde, Aso Hawezi. 

Hawezi disse em um comunicadodivulgou na página do ministério no Facebook no sábado que um desses casos, um homem de 27 anos do subdistrito de Khalifan, na província de Erbil, morreu mais cedo naquele dia. O funcionário não identificou o falecido. 
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
A febre é transmitida por carrapatos e causa hemorragia grave, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). É endêmico no Iraque desde 1979 e reapareceu novamente no ano passado.

As pessoas são frequentemente infectadas após serem expostas ao sangue de animais infectados, por exemplo, após o abate de gado.

A região do Curdistão não registra nenhuma morte relacionada ao coronavírus desde 29 de abril. No entanto, o porta-voz disse a Rawchi Hassan de Rudaw que um paciente com COVID-19 morreu no sábado.

O Ministério da Saúde registrou47 novos casos de coronavírus na sexta-feira, elevando o número total de casos conhecidos para 438.477. Destes, 7.450 morreram.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem