Maceió-AL

Pandemia de gripe aviária preocupa cada vez mais a ciência

AR NEWS NOTÍCIAS 15 de junho de 2022
h5n1
h5n1


Infecções em massa em aves selvagens põem em risco espécies, são difíceis de conter e aumentam a probabilidade de o vírus se espalhar para humanos.

por Brittney J Miller
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Desde outubro de 2021, a cepa de influenza aviária H5N1 causou cerca de 3.000 surtos em aves em dezenas de países. Mais de 77 milhões de aves foram abatidas para conter a propagação do vírus, que quase sempre causa doenças graves ou morte em galinhas. Outras 400.000 aves selvagens morreram em 2.600 surtos: o dobro da última grande onda em 2016/17.

Os pesquisadores dizem que o vírus parece estar se espalhando mais facilmente do que nunca em aves selvagens, tornando os surtos particularmente difíceis de conter. Aves selvagens ajudam a transportar o vírus pelo mundo, com seus padrões de migração determinando quando e onde ele se espalhará em seguida. Grandes surtos provavelmente continuarão na Ásia e na Europa, e as infecções podem se espalhar para continentes anteriormente não afetados, como América do Sul e Austrália.

Embora as pessoas possam contrair o vírus, as infecções são bastante raras. Apenas dois casos foram relatados desde outubro, um no Reino Unido e um nos Estados Unidos. No entanto, os cientistas estão preocupados que os altos níveis de vírus que circulam nas populações de aves aumentem o risco de transmissão para humanos. Os vírus da gripe aviária mudam lentamente ao longo do tempo, mas a mutação certa pode torná-los transmissíveis a humanos e outras espécies, diz Ian Barr, vice-diretor do centro de gripe da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Doherty Institute em Melbourne: "Esses vírus são como bombas-relógio. Infecções ocasionais não são um problema - o perigo real é

origem do vírus

A cepa altamente patogênica H5N1 apareceu em gansos comerciais na Ásia por volta de 1996 e se espalhou para aves na Europa e África no início dos anos 2000. Em 2005, a cepa estava causando mortes em massa entre as aves selvagens, primeiro no leste da Ásia e depois na Europa. Desde então, a cepa continuou a infectar aves selvagens em muitas partes do mundo, diz Andy Ramey, geneticista de pesquisa da vida selvagem do Centro de Ciências do Alasca do Serviço Geológico dos EUA, em Anchorage. Através de transmissões repetidas, diz Ramey, o H5N1 parece ter se adaptado melhor às aves selvagens. "Agora se tornou uma nova doença da vida selvagem", diz ele.

Em 2014, uma nova linhagem H5 altamente patogênica, designada 2.3.4.4, surgiu e começou a infectar aves selvagens sem sempre matá-las. Isso permitiu que o vírus se espalhasse para a América do Norte pela primeira vez. Desde então, essa linha dominou surtos em todo o mundo, incluindo os atuais. A Europa experimentou o pior surto da doença até hoje .

Algumas espécies de aves selvagens são mais afetadas pelo vírus do que outras. Alguns patos-reais infectados (Anas platyrhynchos) não mostram sinais de doença, enquanto o vírus matou cerca de 10% da população reprodutora de gansos-cracas (Branta leucopsis) no arquipélago norueguês de Svalbard no final de 2021 e centenas de pelicanos dálmatas (Pelecanus crispus) na Grécia no início de 2022. Milhares de grous cinzentos (Grus grus) morreram em Israel. Pesquisadores da vida selvagem estão tentando entender por que o vírus ataca diferentes espécies de maneira diferente. Eles estão particularmente preocupados com o impacto do vírus em espécies de aves ameaçadas de extinção com populações menores ou áreas geográficas limitadas, e em espécies que são particularmente suscetíveis à infecção, como grous -gris (Grus americana) e gansos imperadores (Anser canagicus).

Ramey acrescenta que apenas uma fração dos casos em aves selvagens é diagnosticada e relatada. O aumento da vigilância pode esclarecer a verdadeira extensão da mortalidade entre as aves selvagens, diz ele.

conter a propagação

Uma melhor vigilância de aves selvagens infectadas também pode ajudar a alertar as granjas sobre o risco de futuras epidemias - embora regiões com grandes populações de aves ou aves migratórias tenham alto risco de novos surtos, não importa quão boa seja a vigilância, diz Keith Hamilton, chefe do Departamento de Preparação e Resiliência da Organização Mundial de Saúde Animal.

Rastrear doenças em aves selvagens é demorado, caro e desafiador devido ao tamanho de suas populações, diz Hamilton. Ele sugere vigilância direcionada em áreas onde o vírus é mais provável de ocorrer, como rotas de migração populares ou áreas de reprodução.

Uma vacina eficaz para aves também pode ajudar a conter a disseminação, assim como reduzir o número de aves nas instalações de produção, diz Michelle Wille, virologista de aves selvagens da Universidade de Sydney. A indústria avícola também pode melhorar ainda mais a segurança restringindo o acesso às instalações, protegendo suas fontes de água e reduzindo o contato entre aves e aves selvagens.


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

Embora os bandos de aves possam ser abatidos para impedir a propagação da doença, os pesquisadores enfatizam que as aves selvagens não devem ser prejudicadas para conter os surtos. Matar aves selvagens para prevenir infecções adicionais não funcionaria devido ao enorme tamanho e ampla distribuição de suas populações, diz Lina Awada, epidemiologista veterinária da Organização Mundial de Saúde Animal. Na verdade, poderia piorar a situação porque interromperia os movimentos e o comportamento das aves selvagens, incentivando a disseminação do vírus, diz ela.

“Assim como não devemos atirar em morcegos por causa do vírus corona, a solução está em matar pássaros selvagens”, diz Wille. Os pesquisadores dizem que é necessária uma abordagem holística que leve em consideração como a gripe aviária se espalha através de aves selvagens, aves e humanos. A colaboração entre pesquisadores de saúde pública e grupos de saúde animal é crucial para detectar spillovers humanos. "Se conseguirmos controlar a gripe aviária em aves, vamos controlá-la em humanos e provavelmente também a conteremos em aves selvagens", diz Wille.


© Springer Nature Limited

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem