Maceió-AL

Especialistas da OMS dizem que a teoria do vazamento do COVID-19 de um laboratório não pode ser descartada

AR NEWS NOTÍCIAS 09 de junho de 2022
vazamento do COVID-19
vazamento do COVID-19


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

LONDRES - Um grupo de especialistas elaborado pela Organização Mundial da Saúde para ajudar a investigar as origens da pandemia de coronavírus diz que mais pesquisas são necessárias para determinar como o COVID-19 começou, incluindo uma análise mais detalhada da possibilidade de ter sido um acidente de laboratório.

Essa postura marca uma reversão acentuada da avaliação inicial da agência de saúde da ONU sobre as origens da pandemia. A OMS concluiu no ano passado que era “extremamente improvável” que o COVID-19 pudesse ter se espalhado em humanos a partir de um laboratório. Muitos cientistas suspeitam que o coronavírus saltou para as pessoas de morcegos, possivelmente através de outro animal.

Em um relatório divulgado na quinta-feira, o grupo de especialistas da OMS disse que ainda faltam “dados-chave” para explicar como a pandemia começou. Os cientistas disseram que o grupo “permanecerá aberto a toda e qualquer evidência científica que se torne disponível no futuro para permitir testes abrangentes de todas as hipóteses razoáveis”.
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

Identificar a origem de uma doença em animais normalmente leva anos; levou cerca de 15 anos para os cientistas encontrarem as espécies de morcegos que eram o reservatório natural da SARS, um parente do COVID-19.

O grupo de especialistas da OMS também observou que, como os acidentes de laboratório no passado provocaram alguns surtos, a teoria altamente politizada não pode ser descartada.

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, especulou repetidamente – sem evidências – que o COVID-19 foi iniciado em um laboratório chinês. Ele também acusou a OMS de “conluio” com a China  para encobrir o surto inicial, citando os contínuos elogios públicos da agência de saúde da ONU ao país.

O grupo de especialistas da OMS disse que o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, enviou duas cartas a altos funcionários do governo chinês em fevereiro solicitando informações, incluindo detalhes sobre os primeiros casos humanos de COVID-19 na cidade de Wuhan; não está claro se os chineses responderam.

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem