Como o surto de COVID-19 da Coreia do Norte pode desencadear uma grande crise de saúde
Maceió-AL

Siga-nos

Como o surto de COVID-19 da Coreia do Norte pode desencadear uma grande crise de saúde

Coreia do Norte mapa
Coreia do Norte mapa


AR NEWS NOTÍCIAS 14 de maio de 2022

SEUL, 13 Mai (Reuters) - A admissão da Coreia do Norte de que está lutando contra um surto "explosivo" de COVID-19 levantou preocupações de que o vírus possa devastar um país com um sistema de saúde com poucos recursos, capacidade limitada de testes e nenhum programa de vacinas.

O Norte isolado confirmou na quinta-feira suas primeiras infecções por COVID-19 desde que a pandemia surgiu há mais de dois anos, mudando para o "sistema máximo de prevenção de epidemias de emergência" e impondo um bloqueio nacional. Na sexta-feira, relatou sua primeira morte relacionada ao COVID
 
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
A mídia estatal não confirmou o número total de casos de COVID-19 até agora, mas disse que mais de 350.000 pessoas apresentaram sintomas de febre desde o final de abril.

SEM VACINAÇÃO, TESTE LIMITADO
Junto com a Eritreia, a Coreia do Norte é um dos dois únicos países que não iniciaram uma campanha de vacinação contra a COVID-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O programa global de compartilhamento de vacinas COVID-19 COVAX reduziu o número de doses alocadas para a Coreia do Norte, já que o país até agora não conseguiu providenciar nenhuma remessa, supostamente devido aos requisitos de monitoramento internacional.

Pyongyang também recusou ofertas de vacinas da China.

A última avaliação relatada sobre se o líder Kim Jong Un foi vacinado foi de julho de 2021, quando a agência de espionagem da Coreia do Sul disse que não havia sinais de que ele havia recebido uma injeção.

A Coreia do Norte disse no ano passado que desenvolveu seu próprio equipamento de reação em cadeia da polimerase (PCR) para realizar testes de coronavírus, e a Rússia disse que entregou um pequeno número de kits de teste.

Mas a Coreia do Norte é fortemente sancionada por seu programa de armas nucleares e, desde 2020, mantém bloqueios estritos nas fronteiras que bloquearam muitos suprimentos.

Especialistas disseram que até agora o ritmo dos testes sugere que a Coreia do Norte não consegue lidar com o número de casos sintomáticos que relatou.

No final de março, apenas 64.207 dos 25 milhões de habitantes da Coreia do Norte haviam sido testados para COVID, e todos os resultados foram negativos, mostram os dados mais recentes da OMS.

"A Coreia do Norte está testando cerca de 1.400 pessoas por semana. Supondo que eles estejam em sua capacidade máxima, eles podem realizar 400 testes por dia no máximo - não o suficiente para testar 350.000 pessoas com sintomas", disse Kee Park, da Harvard Medical School, que trabalhou em projetos de saúde na Coreia do Norte.

Não está claro se a Coreia do Norte impôs algum mandato de máscara desde o início da pandemia. Às vezes, os cidadãos eram vistos usando máscaras, mas também sem máscaras em alguns grandes eventos políticos que mobilizaram dezenas de milhares de pessoas.

Kim foi mostrado pela primeira vez usando uma máscara na reunião de resposta ao COVID na quinta-feira.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

FALTA DE SUPRIMENTOS DO SISTEMA MÉDICO
A Coreia do Norte ocupa o último lugar no mundo por sua capacidade de responder rapidamente e mitigar a propagação de uma epidemia, de acordo com o mais recente Índice Global de Segurança da Saúde em dezembro.

Embora tenha um grande número de médicos treinados e a capacidade de mobilizar e organizar rapidamente o pessoal em caso de emergências, o sistema de saúde da Coreia do Norte é cronicamente carente de recursos.

Todas as aldeias norte-coreanas têm uma ou duas clínicas ou hospitais, e a maioria dos hospitais dos condados está equipada com instalações de raios-X, "embora não necessariamente funcionais", disse a OMS em seu relatório de Estratégia de Cooperação com o País de 2014-2019.

Kwon Young-se, o novo indicado da Coreia do Sul para ser o ministro da unificação, responsável pelos laços inter-coreanos, disse em sua audiência de confirmação na quinta-feira que acredita-se que o Norte não tenha até os suprimentos médicos mais básicos, como analgésicos e desinfetantes.

Um investigador independente de direitos humanos da ONU informou em março que as restrições da COVID-19 do Norte, incluindo o fechamento de fronteiras, poderiam ter evitado surtos massivos "embora provavelmente com um custo considerável para a situação de saúde mais ampla".

"Questões crônicas afligem o sistema de saúde do país, incluindo falta de investimento em infraestrutura, pessoal médico, equipamentos e remédios, fornecimento irregular de energia e instalações inadequadas de água e saneamento", disse o relatório.

POTENCIAL 'PESADELO'
O surto pode representar um desafio político para o líder autoritário do Norte, disseram norte-coreanos que desertaram para o Sul.

"Kim ordenou a mobilização de suprimentos médicos de reserva, o que significa que na Coreia do Norte eles agora usarão reservas de guerra e que os hospitais gerais ficaram sem remédios", disse Thae Young-ho, ex-diplomata norte-coreano que desertou para o sul em 2016. e agora é legislador.

Ji Seong-ho, outro legislador sul-coreano que deixou o Norte em 2006, disse que o vírus pode se espalhar rapidamente, em parte devido à falta de um sistema médico funcional.

"Um grande número de pessoas morreu durante a fome (nos anos 90) depois que a febre tifóide estourou. Foi um pesadelo para o regime norte-coreano e para o povo norte-coreano", disse Ji em uma sessão parlamentar.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Reportagem de Soo-hyang Choi e Josh Smith; Reportagem adicional de Hyonhee Shin. Edição por Gerry Doyle

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem