O perigo Francês : as ligações entre o partido de extrema-direita de Marine Le Pen e o presidente genocida russo
Maceió-AL

Siga-nos

O perigo Francês : as ligações entre o partido de extrema-direita de Marine Le Pen e o presidente genocida russo

A França vai às urnas no domingo para o turno final da eleição presidencial, com Marine Le Pen, do partido de extrema direita Rally Nacional, apenas alguns pontos atrás do titular Emmanuel Macron. Uma vitória de Le Pen teria grandes implicações para a segurança europeia após a invasão da Ucrânia pela Rússia.
Eleição de Marine Le Pen é um perigo para a França e o mundo
Eleição de Marine Le Pen é um perigo para a França e o mundo


Ligações com  Putin

Em um ardente debate televisionado na quarta-feira, o atual presidente Emmanuel Macron procurou destacar as ligações entre o partido de extrema-direita de Marine Le Pen e o presidente russo, Vladimir Putin. Seu partido Rally Nacional recebeu vários empréstimos da Rússia em 2014, incluindo um empréstimo de US$ 9,75 milhões do First Czech Russian Bank, vinculado ao Kremlin.

"Para nosso país, isso é uma má notícia, porque você depende do regime russo e depende de Putin", disse Macron. “Você não fala com outros líderes, fala com seu banqueiro quando fala com a Rússia, esse é o problema… Nenhum de nós foi buscar financiamento de um banco russo, e principalmente de um que está perto do poder na Rússia. ”

Le Pen disse que era sabido que os bancos franceses se recusaram a emprestar seu dinheiro, então ela procurou ajuda financeira na Rússia.

Mudanças na OTAN

O que significaria uma presidência Le Pen para a segurança da Europa em tempos de conflito? Sua abordagem da Rússia contrasta fortemente com a da maioria dos líderes ocidentais. Falando em um evento de imprensa no início deste mês, ela descreveu sua política sobre o conflito na Ucrânia.

“Assim que a guerra russo-ucraniana terminar e for resolvida por um tratado de paz, pedirei a implementação de uma aproximação estratégica entre a OTAN e a Rússia.” disse Le Pen.

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
Embora tenha condenado a invasão da Ucrânia, a líder do Rally Nacional, de 53 anos, tem sido muito menos crítica em relação ao próprio Vladimir Putin. Ela criticou o fornecimento de armas pesadas à Ucrânia por membros da Otan e planeja enfraquecer os laços franceses com a aliança.

“Uma vez eleito presidente, deixarei o comando integrado da OTAN, mas não renunciarei à aplicação do artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte sobre segurança coletiva.” Le Pen disse a repórteres em 13 de abril.

unidade ocidental

Uma vitória de Le Pen enfraqueceria severamente a unidade ocidental contra a Rússia, diz o analista político francês Renaud Foucart, da Universidade de Lancaster.

“Ela foi uma das primeiras, se não a única, candidata francesa a reconhecer a Crimeia, a anexação da Crimeia pela Rússia. Então, muito, muito claramente, ela não será a favor de sanções mais fortes. Ela se opôs a eles e tem sido muito, muito vocal sobre se opor às sanções aos combustíveis fósseis, ao gás e ao petróleo da Rússia”, disse Foucart à VOA.

No entanto, nas últimas semanas, Le Pen subiu nas pesquisas, apesar de suas ligações anteriores com um regime russo acusado de crimes de guerra na Ucrânia. Gérard Araud, ex-embaixador da França nas Nações Unidas e agora um ilustre membro do Conselho do Atlântico, diz que Le Pen tentou transformar sua imagem durante a campanha.

“Ela se distanciou de alguma forma de Putin. Ela condenou o ataque contra a Ucrânia. Segundo ponto, você sabe que na França – como nos EUA – as eleições são decididas não por questões de política externa, mas por questões de política doméstica. E como nos EUA, a França está enfrentando uma onda de inflação.”

Le Pen concentrou sua campanha no aumento do custo de vida e caracterizou Macron como um presidente distante mais obcecado pela Europa do que pela França. Pesquisas mostram que ela ganhou votos nas áreas mais pobres da França e entre as gerações mais jovens que se sentem desiludidas com a falta de empregos e oportunidades.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
Ele quebrou?

Durante anos, Le Pen fez campanha para a França deixar a União Europeia. Agora ela diz que o chamado "Frexit" não é sua política.

“Os britânicos se livraram da burocracia de Bruxelas, que eles nunca poderiam suportar, para mudar para um conceito ambicioso de Grã-Bretanha global”, disse ela em 13 de abril, em referência à votação do Reino Unido em 2016 para deixar a UE.

“Este não é o nosso projeto. Queremos reformar a UE por dentro. Quanto mais nos libertarmos da camisa de força de Bruxelas enquanto permanecemos dentro da UE, mais nos abriremos para o mundo mais amplo. Parece-me que foi isso que os britânicos entenderam bem”, disse Le Pen.

O ex-embaixador francês na ONU Gérard Araud diz que a agenda de reformas de Le Pen é tão radical que inevitavelmente fracassará.

“Ela vai mudar isso de forma tão dramática, tão radical, que, na verdade, ou ela não implementará seu programa ou deixará a União Europeia.”

“Se ela for eleita, basicamente será bastante caótico. O euro cairá e haverá uma crise emergente entre Paris e Berlim, porque ela quer realmente acabar com toda a cooperação franco-alemã. E, claro, uma crise com Bruxelas, com muitas incertezas no caminho”, disse Araud à VOA.

O analista Renaud Foucart concorda: “Mais importante, ela não tem clareza sobre quem seriam seus aliados (na UE). Para chegar a esse tipo de acordo, você precisaria encontrar outros países que tenham a mesma opinião. Mas mesmo dentro de sua própria família política… ela não parece ser capaz de encontrar um acordo.”

Reação global

Os líderes europeus evitaram amplamente comentar as eleições. No entanto, o primeiro-ministro Justin Trudeau, do Canadá, aliado da Otan, disse na quinta-feira que "seria uma coisa boa para o mundo" se Macron fosse reeleito.

Mesmo que Macron ganhe um segundo mandato, a França enfrentará problemas difíceis nos próximos anos, diz Gérard Araud.

“Socialmente, há algo que é muito insalubre. Porque Macron foi eleito em 2017, e se ele for reeleito em 2022, será a mesma coisa – basicamente pelos 'têm' contra os 'não têm'. E então há essa profunda divisão na sociedade francesa”, disse Araud.

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem