Maceió-AL

Dois terços da propaganda online antivacina foi criada por apenas 12 influenciadores nos EUA, segundo pesquisa

Veja também

Diferente daqueles que se descrevem como hesitantes em vacinas, os antivacinas tendem a empregar métodos agressivos para persuadir os outros a não receberem injeções destinadas a ajudar a prevenir doenças.
antivacina f
antivacina 


A lista foi compilada pelo Center for Countering Digital Hate (CCDH) e descobriu que a maioria das figuras, que afirmam ser líderes políticos ou médicos, está baseada nos Estados Unidos.

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

      Depois que as empresas de mídia social tomaram conhecimento da prevalência do material, alguns foram removidos, mas muitos vídeos e artigos permanecem online até hoje.

Os críticos acreditam que alguns estão explorando brechas, o que significa que, se postarem conteúdo com outro nome ou aparecerem em uma página hospedada por outro usuário, seu conteúdo anti-vax não será removido.

Imran Ahmed, presidente-executivo da CCDH, disse que os gigantes da mídia social "não arcam com nenhum custo pelo conteúdo" que hospedam, incluindo material perigoso que pode direcionar os usuários para suas plataformas.

Ele pediu às empresas que façam mais para removê-lo rapidamente, em meio a temores de que aqueles que não foram vacinados permaneçam mais vulneráveis ​​à infecção por COVID-19 e, crucialmente, à hospitalização.

Ele disse que os antivacinas mais eficazes eram "grandes profissionais de marketing" e atraíam as pessoas ao gerar conteúdo relacionado ao bem-estar ou à fertilidade, depois gradualmente vinculando esses problemas à vacinação.

Ahmed disse que os algoritmos usados ​​pelas plataformas de mídia social alimentaram as pessoas com cada vez mais conteúdo semelhante, até que elas o vejam com frequência online - normalizando assim as opiniões.

"Todas as plataformas se preocupam com o conteúdo em que as pessoas vão gastar tempo para que possam veicular anúncios ao mesmo tempo... elas estão relutantes em tomar qualquer ação confiável", disse ele.
"Os jovens obviamente olham nas redes sociais, veem muitas piadas no Instagram e no Tik Tok, coisas como 'Tomei minha vacina e isso aconteceu comigo'", disse ele.

"São piadas e os alunos até me contavam e riam enquanto as diziam, mas ainda assim tem um efeito sobre eles e em vez de vacinas serem algo meio chato, chato e necessário, é algo polêmico, estranho e um pouco alarmante."

Chris Philp, ministro do departamento de digital, cultura, mídia e esporte, disse que o governo legislará sobre multas e outras ações para forçar as empresas de mídia social a remover conteúdo considerado prejudicial, mas admitiu que policiar a internet não é uma tarefa fácil.

“A internet é um grande espaço e definitivamente há mais a fazer e estamos determinados a garantir que, com as empresas de mídia social, tomemos as medidas necessárias”, disse ele.

"Sempre há mais a fazer. E, de fato, nos próximos meses, vamos apresentar uma legislação, o projeto de lei de segurança online, para ir ainda mais longe na imposição de obrigações legais estatutárias às empresas de mídia social para garantir que elas atuar nesta área”
FonteSkynews
  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>