Maceió-AL

Omicron está 'matando pessoas' e não deve ser chamado de 'leve', alerta a OMS

Veja também


 

edros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS)
Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS)

       O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na quinta-feira contra a descrição da variante Omicron como "leve" em meio a um "tsunami de casos" que atinge os sistemas de saúde em todo o mundo.

"Na semana passada, o maior número de casos de COVID-19 foi relatado até agora na pandemia", disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus a repórteres durante uma coletiva de imprensa regular.

O último relatório semanal da agência da ONU mostrou que um recorde de 9,5 milhões de infecções por COVID-19 foram relatadas em todo o mundo na semana anterior - um aumento de 71% em relação ao período de sete dias anterior.

Todas as regiões relataram um aumento no número de infecções por COVID-19, com o maior aumento (100%) observado nas Américas, seguido pelo Sudeste Asiático (78%) e Europa (65%).

Ainda assim, o chefe da OMS enfatizou que "sabemos, com certeza, que se trata de uma subestimação dos casos porque os números relatados não refletem o acúmulo de testes em torno dos feriados, o número de autotestes positivos não registrados e os sistemas de vigilância sobrecarregados que casos perdidos em todo o mundo. "

Omicron, detectado pela primeira vez na África do Sul em novembro, foi responsabilizado pela última onda. A variante foi considerada "preocupante" pela OMS porque estudos mostram que é mais transmissível e mais resistente ao tratamento do que outras variantes , incluindo Delta, com pessoas mais propensas a serem infectadas ou reinfectadas mesmo quando totalmente vacinadas.

O Dr. Tedros alertou que "embora o Omicron pareça ser menos grave em comparação com o Delta, especialmente nos vacinados, isso não significa que deva ser classificado como 'leve'."

“Assim como as variantes anteriores; o Omicron está hospitalizando e matando pessoas”, enfatizou.


Houve 41.000 vidas perdidas com a doença na semana passada - um aumento de 10% semana após semana - elevando o número total de mortes da pandemia para mais de 5,4 milhões de mortes, de acordo com a atualização da OMS. A região africana é a única, no entanto, a ter relatado um aumento semanal em novas mortes (22%), embora a Europa tenha o maior número de mortes, com 22.817 mortes.

"O tsunami de casos é tão grande e rápido que está sobrecarregando os sistemas de saúde em todo o mundo", disse o Dr. Tedros.

“Os hospitais estão ficando superlotados e com falta de pessoal, o que resulta ainda em mortes evitáveis ​​não apenas por COVID-19, mas por outras doenças e lesões onde os pacientes não podem receber atendimento oportuno”, acrescentou.



 Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>