Maceió-AL

Detetive de vírus: em busca de zika, dengue e SARS-CoV-2

Veja também

Danielle Bruna Leal de Oliveira é pesquisadora em microbiologia e virologia da Universidade de São Paulo, Brasil. Crédito: Pablo Albarenga para a Natureza
Danielle Bruna Leal de Oliveira é pesquisadora em microbiologia e virologia da Universidade de São Paulo, Brasil. Crédito: Pablo Albarenga para a Nature



Por Patrícia Maia Noronha

Danielle Bruna Leal de Oliveira rastreia patógenos para o sistema público de saúde do Brasil.


Nesta foto, estou olhando em um microscópio digital para observar o dano estrutural que o SARS-CoV-2 causa às células de um macaco verde africano ( Chlorocebus sabaeus ). Estou dentro do NB3, o laboratório de biossegurança máxima da Universidade de São Paulo (USP) no Brasil, usando equipamentos de proteção. Nesta sala, parecemos astronautas.

Hoje em dia, podemos observar as mutações moleculares à medida que ocorrem, usando software de computador junto com técnicas de laboratório avançadas. Podemos detectar os vírus que causam doenças respiratórias em apenas 15 minutos.

Sonhava em ser pesquisadora desde a adolescência. Como a maioria das pessoas de Belém (a cidade no norte do Brasil onde cresci), minha família tem uma origem étnica mista de europeus e indígenas. Eu queria pesquisar o impacto genético disso, então na graduação estudei genética na Universidade Federal do Pará em Belém.

Depois descobri que precisava esperar seis meses para me candidatar ao doutorado em genética na USP. Mas o programa de microbiologia estava levando pessoas, e eu tinha uma experiência útil em biologia molecular desde meu primeiro diploma.

Na USP, conheci meu marido, virologista que também trabalha na universidade. Para nós, os vírus são quase membros de nossa família. Quando minha filha era mais nova, ela costumava dizer que conhecia alguns vírus melhor do que seus irmãos.

Nosso laboratório atende sete hospitais do sistema público de saúde brasileiro. Inspecionamos amostras em busca de 18 vírus respiratórios, incluindo o vírus influenza H1N1 e SARS ‑ CoV-2; para vírus transmitidos por insetos, como dengue, Zika e febre amarela; e para vírus, como sarampo, caxumba e rubéola, que causam doenças principalmente em crianças.

Esta pandemia não é a primeira vez que meu laboratório trabalha em uma crise de saúde pública. Em 2019, desenvolvemos um teste para o vírus Zika. O kit, criado em parceria com uma empresa privada brasileira, é gratuito para hospitais públicos.

Nature 599 , 172 (2021)

doi: https://doi.org/10.1038/d41586-021-03001-8

Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>