Maceió-AL

Como a gripe aviária pode chegar à América

Veja também

Como a gripe aviária pode chegar à América

Modelos de equipes espalham vírus para o hemisfério ocidental



influenza
influenza



Se a gripe aviária chegar aos Estados Unidos, provavelmente pegará uma carona em pássaros migratórios vindos da América Latina, que entraram no hemisfério pela primeira vez por meio do comércio de aves infectadas. Essa é a conclusão de um novo estudo, que descobriu que os sistemas de quarentena frouxos no México e no Brasil podem dar ao vírus uma posição segura na América do Norte.

O H5N1 dizimou bandos de aves na Ásia, de onde se originou antes de se espalhar para a África e Europa ( Science NOW , 9 de fevereiro). Ele causou 154 mortes em humanos e muitos cientistas temem que, se adquirir a capacidade de passar facilmente de humano para humano, poderá desencadear uma pandemia humana devastadora e ceifar milhões de vidas.

Para entender como o vírus se espalhou geograficamente, o ecologista da doença Marm Kilpatrick e colegas do Consortium for Conservation Medicine na cidade de Nova York e outras instituições nos Estados Unidos e no Reino Unido analisaram sua entrada em 52 países. Para fazer isso, eles integraram dados sobre os movimentos das aves migratórias, o comércio de aves domésticas e selvagens e a relação entre vários vírus H5N1. Os pesquisadores concluíram que a principal via de transmissão na Ásia eram os movimentos de aves, embora as aves migratórias fossem as principais responsáveis ​​pela introdução nos países europeus. Ambos os fatores foram responsáveis ​​pela disseminação do vírus na África. Mais importante ainda, "há evidências esmagadoras de que pássaros selvagens e aves estão ambos envolvidos e que os dois permitem sinergicamente uma disseminação muito rápida do vírus", disse Kilpatrick.

A interação entre aves domésticas e aves selvagens é particularmente significativa para os Estados Unidos. Os pesquisadores usaram os padrões de infecção que emergiram de seus estudos para prever a disseminação futura. Eles concluíram que havia um risco relativamente baixo de introdução do H5N1 nos Estados Unidos em países onde está circulando atualmente. Mas eles também alertam que a chance de o H5N1 se espalhar para o México e o Brasil é significativa porque, ao contrário dos EUA, não há teste ou sistema de quarentena para aves importadas. Se o vírus se estabelecer no hemisfério ocidental, as aves migratórias podem trazê-lo para os Estados Unidos, relata a equipe online esta semana em Proceedings of the National Academy of Sciences .

"Este artigo é significativo ao apontar uma possível via de transmissão para os EUA que antes era pouco considerada", disse Yi Guan, virologista da Universidade de Hong Kong. "Os resultados estão de acordo com o que se pensava ser as vias de transmissão do H5N1, particularmente em toda a Eurásia." Mas Guan adverte que as conclusões se baseiam em um grande número de estimativas e suposições, como o número de aves selvagens que podem ter sido expostas ao vírus na Europa e quão perto as aves passaram de um local de surto. Além disso, ele observa que melhores dados de vigilância de aves domésticas e selvagens serão necessários para prever com precisão a propagação futura do vírus.

Sites relacionados


Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>