Maceió-AL

As perguntas sobre vulcões que a ciência ainda não consegue responder

Viver nas encostas de um vulcão implica obviamente um risco muito elevado . Os habitantes das áreas afetadas pelos fluxos de lava e piroclastos da espetacular erupção na bela ilha de La Palma estão sofrendo com a perda de suas casas.

la palma
Vulcão - ilha de La Palma


Diante disso, é a ciência que deve dar uma mão. Uma mão informativa. Porque a ciência só pode aspirar a compreender para explicar os processos da natureza, porque não pode pará-la; nem um sistema vulcânico como este, nem a dinâmica atmosférica que um tufão gera, nem a dinâmica litosférica que move algumas placas tectônicas para mais perto e mais longe umas das outras. Podemos sempre estudar e compreender para reagir melhor, mas nunca parar.


Explicar a erupção

Pouco se pode acrescentar a tudo o que foi mencionado e descrito até o momento deste episódio eruptivo. Muito foi explicado nas primeiras entrevistas em barcos (algumas no solo) por técnicos e cientistas. Eles têm se esforçado para atender também a esta frente de informação, em qualquer nível de conhecimento, desde a disseminação para crianças em idade escolar (o que é um vulcão, a diferença entre magma e lava ...), até o mais avançado detalhe científico (química composição, mecanismos de desgaseificação, imagens de satélite, atividades de monitoramento ...). Mas tudo isso não parece ajudar no que é necessário.


A erupção por definição em Geologia é de efusiva a levemente explosiva porque o magma que a nutre é de composição básica, ou seja, pobre em sílica e pouco viscoso e, portanto, de emanações fluidas de lava. Esta composição química do magma pode alimentar erupções do tipo estromboliano, como no caso de La Palma, ou tipo havaiano - que todos nós reconhecemos como "torneiras abertas" de lava que flui rapidamente nas ilhas havaianas.



Os estrombólicos em comparação com os havaianos são apenas ligeiramente mais explosivos, e com uma capacidade de fragmentação e dispersão ligeiramente maior do material ejetado e a altura da coluna eruptiva. Estão longe da capacidade explosiva das erupções do tipo Vulcaniana, Pliniana ou Peleano, por exemplo, com lavas viscosas e erupções muito violentas (como as do Vesúvio, Santa Helena, Pinatubo, etc.). Ou mesmo aquelas erupções hidromagmáticas em que a interação água-magma pode gerar erupções muito explosivas.


Na verdade, se La Palma fosse uma ilha desabitada, estaríamos simplesmente desfrutando (ciência e turismo) das maravilhas que a natureza nos dá de vez em quando: uma erupção vulcânica “tranquila” à mão (ou selfie). Porém, com vidas humanas em perigo, essas informações e detalhes oferecem pouco conforto e não satisfazem a curiosidade (necessidade?) Da sociedade sobre quando, em que dia, o vulcão finalmente deixará de rugir.


A explicação científica do especialista visa fornecer ferramentas de conhecimento suficientes para que a sociedade encontre o equilíbrio entre estar alerta e manter a serenidade suficiente para reagir com eficiência, estando atento a um cenário tão particular (estamos a falar de um vulcão que atinge municípios habitados).


Perguntas sem resposta

Infelizmente, a ciência ainda não tem resposta para as duas questões-chave da vulcanologia: quando e como o priming da câmara magmática ocorre em profundidade que gera e alimenta a erupção na superfície, e quando cessa a atividade eruptiva, principalmente de material sólido.


Para a primeira questão, a ciência tem os detalhes estudados em erupções anteriores junto com ferramentas de monitoramento que, no caso de La Palma, funcionaram perfeitamente para alertar a população de que o vulcão estava ficando nervoso.


Até 15 cm de deformação (protuberância) do solo e oito dias de terremotos levaram à erupção. Honesta e humildemente, devemos admitir que não sabíamos se 4, 15 ou 40 cm, assim como 5, 8 ou 100 dias de terremotos seriam os precisos antes da erupção. É aqui que todos os grupos de pesquisa em todo o mundo devem continuar nossos esforços científicos.


Como um exemplo próximo, a contribuição do nosso grupo do Departamento de Geologia da Universidade de Salamanca para esta previsão desejada concentra-se na comparação da chegada do sinal geofísico (terremotos e deformação) com o sinal geoquímico (liberação de gás do manto quando o magma câmara antes que a erupção já esteja em andamento). Verificamos no caso de Tagoro (ilha de El Hierro ) em 2011 pois o sinal geoquímico avisava com antecedência da chegada da geofísica que foi a última erupção (subaquática) no arquipélago.


Para a segunda preocupação, não é necessário ser um cientista para assumir que a atividade vulcânica termina quando o reservatório magmático se esvazia o suficiente para relaxar a pressão interna que o desestabiliza. E a ciência ainda não previu esse ponto de verificação.


Uma parada específica na emissão de lava como a que aconteceu ontem em La Palma pode indicar o início do fim da erupção, ou o início do fim de um pulso eruptivo aguardando a chegada de um novo.


A partir de agora, a primeira emergência será atender e indenizar ao máximo as famílias afetadas. Mais tarde, quando o material esfriar um pouco, leia atentamente as informações que o interior do planeta nos escreveu no material expelido por esta erupção.


As rochas (piroclastos e lavas solidificadas) e seus componentes (inclusive minerais e voláteis) são testemunhas do que aconteceu em profundidade, antes e durante a erupção. Estudando-os, poderemos entender melhor o processo eruptivo sob La Palma, para que a ciência continue avançando e se aproximando de melhor restringir as condições em que ocorrerá a próxima erupção, ciente de que ela chegará sem que o homem ou a ciência possam. para pará-lo. A natureza inexpugnável.


Quando tudo isso acabar, teremos mais ferramentas de conhecimento para enfrentar a próxima erupção, em geral, e em La Palma, em particular: uma paisagem, assim como um mapa topográfico-geológico, novo ou modificado, mas tão belo.

Fonte:
The conversation

Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem