O embargo dos Estados Unidos que ajudou Fidel Castro a conquistar o poder
Maceió-AL

Siga-nos

O embargo dos Estados Unidos que ajudou Fidel Castro a conquistar o poder

Por José Gabriel Barrenechea 


Fulgencio Batista com o Chefe do Estado-Maior do Exército dos Estados Unidos, Malin Craig, em 1938, durante uma visita cubana a Washington DC.
Fulgencio Batista com o Chefe do Estado-Maior do Exército dos Estados Unidos, Malin Craig, em 1938, durante uma visita cubana a Washington DC.


As relações entre Washington e o governo golpista de Fulgencio Batista na década de 1950 nunca foram tão boas quanto afirma a historiografia mais ortodoxa de Castro. 
A medida de impor um embargo foi tomada por pressão da opinião pública americana, indignada com o uso que os militares de Batista fizeram do material de guerra dos Estados Unidos


O Castrismo, de fato, tem entre seus principais fundamentos ideológicos a suposição, contra todas as evidências, de que o Golpe de Estado de 10 de março de 1952 teve, senão inspiração, pelo menos a aprovação dos americanos.

Em Batista, o Golpe , um daqueles raros livros que o regime de Castro permitiu publicar às vésperas de 17 de dezembro de 2014, como parte de seus esforços para promover a reaproximação com nossos vizinhos, é admitido por dois historiadores pró-governo cubanos, um deles, oficial reformado do G2, que, pelo contrário, os americanos foram surpreendidos com o golpe militar de 10 de março, e então a sua atitude não foi propriamente complacente com o regime militar que daí resultou. 

Para apoiar essa opinião, eles usam material desclassificado do Departamento de Estado dos Estados Unidos e de sua missão militar em Havana.

Em Batista, o Golpe , destaca-se um fato que a historiografia ortodoxa castrista esquece: um dos últimos governos do Hemisfério, senão o último, a reconhecer o cubano que surgiu em 10 de março, foi o dos Estados Unidos.

 Dezessete dias depois, em 27 de março, quando entenderam que Batista controlava a máquina do Estado e que, embora o regime militar não fosse bem recebido pela maioria da população, no entanto, não havia até então uma resistência que se organizou efetivamente em um golpe que deixou apenas um soldado morto em uma escaramuça nas entradas do Palácio Presidencial.

Neste interessante livro de José Luís Padrón e Luís Adrián Betancourt, publicado em Havana pela Ciencias Sociales em 2013, é também reconhecida a frieza com que as relações passaram após o reconhecimento. É reveladora disso a troca de cartas que o Embaixador dos Estados Unidos em Havana, Willard Beaulac, e o Subsecretário de Estado para Assuntos Hemisféricos tiveram no início de junho. Numa carta de Beaulac ao segundo, no dia 2, é-nos revelado que, nessa data, quase três meses após o golpe, ainda não tinha havido nenhuma reunião oficial, e nem mesmo uma conversa informal séria do mais alto americano. representante diplomático em Cuba com Batista. O embaixador ressalta que mesmo na comemoração do cinquentenário da república não se conheceram oficialmente.

Em sua resposta, no dia 10, o subsecretário concorda com as projeções do embaixador, dá sinal verde à sua atitude reservada e expressa o que só pode ser interpretado como a posição oficial de Washington em relação ao novo governo cubano: “Não vejo o ponto onde você toma a iniciativa de ir ver Batista. Pelo contrário, parece-me que a situação atual em Cuba é tal que nossa posição deveria ser a de manter uma certa distância ”.

Segundo os autores do citado livro, o principal motivo desse distanciamento estava na proximidade com os comunistas mantidos por Batista durante seu primeiro governo. 

Juan Marinello e Carlos Rafael Rodríguez, importantes membros do Partido, foram ministros desse governo; os sindicatos ficaram sob o controle do Partido Comunista, e não com seu consentimento, com seu apoio aberto; e não era segredo do FBI que, com a aprovação, ou pelo menos indiferença de Batista, o Partido infiltrara-se nas instituições armadas - sobretudo na polícia - num número não pequeno de seus pistoleiros. 

Alguns chegaram a ocupar cargos importantes na inteligência do regime de fato na década de 1950, como parece ter sido o caso do tenente-coronel Blanco Rico, chefe do Serviço de Inteligência Militar,

Aliás, algum desses pistoleiros, como testemunhou Newton Briones Montoto em uma polêmica na revista Espacio Laical sobre a morte de Jesús Menéndez, iria diretamente em 1959 da polícia de Batista e seus órgãos de inteligência para a nascente Segurança do Estado.

Na verdade, a relação estreita que Batista manteve com os comunistas no final da década de 1930, e durante seu mandato de quatro anos na década de 1940, não era o mais importante. 

O principal é que, como se pode ler claramente na citada troca de cartas, no Executivo e na alta burocracia do Departamento de Estado eles assumiram como certo que entre a crescente agitação popular com o governo militar, e os distúrbios econômicos que viriam Ter que fazer com que durante os próximos anos o excedente de açúcar produzido na safra 1951-52, sem saída em um mercado mundial e americano antes superlotado, a situação em Cuba acabaria ficando fora de controle.

 Eles previram um novo período de instabilidade política e social em Cuba, e como tinham como certo que não estava em suas mãos evitá-lo, eles decidiram que era mais razoável manter uma certa distância. Para que depois não pudessem ser acusados ​​de serem muito próximos do governo que todos em Cuba, e nos Estados Unidos, culpariam por essa situação.

Fora do contexto, o fato do regime de Batista ter efetuado um certo rearmamento das suas forças armadas, a partir de 1954, podia ser interpretado no sentido de que no fundo a relação entre os dois governos não podia ter sido tão má. No entanto, uma abordagem menos tendenciosa não pode ignorar dois fatos.

É verdade que entre 1952 e o final de 1957 os americanos continuaram sendo os fornecedores exclusivos de armas do exército cubano. Mas não foi, porém, uma novidade, já que desde a Independência as únicas armas importantes adquiridas pelas autoridades oficiais de Cuba, fora do mercado americano, foram 8 canhões Schenider franceses, de 75 mm durante o governo de José Miguel Gómez (Durante a malfadada expedição Cayo Confites, algumas armas europeias foram compradas oficiosamente, como as submetralhadoras Stein britânicas, que depois de apreendidas foram repassadas ao exército cubano)

Tampouco se pode ignorar que esse rearmamento foi realizado essencialmente a partir do Tratado de Assistência Militar Recíproca Cuba-Estados Unidos, assinado pelo autêntico governo republicano do deposto Carlos Prío três dias antes do golpe, em 7 de março de 1952 ( na época do golpe foi discutido um "Plano dos governos de Cuba e dos Estados Unidos da América para sua Defesa Comum", arquivado em 14 de março pelo Departamento de Estado, porque Washington não tentou reanimá-lo com o novo governo cubano ) 


E muito menos se pode ignorar que o interesse americano no referido tratado não era fortalecer a ditadura contra seus cidadãos, especificamente diante de uma suposta ameaça comunista interna, então inexistente, mas colocar o exército cubano em condições de defender o Ilha e, portanto, os acessos ao sul dos Estados Unidos,

Que este era realmente o interesse americano no outrora muito limitado rearmamento cubano é demonstrado pela atitude assumida pelo governo dos Estados Unidos assim que o regime de Batista começou a usar essas armas para reprimir a oposição. Atitude da qual falaremos mais tarde, como questão central deste trabalho.

É preciso explicar que Prío, ciente da necessidade de acabar de profissionalizar as instituições armadas que não passavam de gendarmes da república das bananas, para evitar futuras revoltas de tropas, promoveu o tratado com os Estados Unidos, e inclusive a participação cubana na Coréia. 

Desse modo, o presidente procurava combinar sua política de defesa em nível planetário dos valores liberais desafiados pela União Soviética, China e seus satélites, com a defesa desses mesmos valores contra as forças nacionais internas. , especialmente a tradição autoritária Militarista de 4 de setembro de 1933.

Se Grau tinha proposto evitar futuras revoltas militares fortalecendo a marinha contra o exército e a guarda rural, solução idealizada por Antonio Guiteras durante o Governo dos Cem Dias, e substituindo os comandantes da polícia probatistianos por figuras dos grupos armados sobreviventes revolucionários da luta contra Machado, e depois contra Batista, Prío preferiu usar com o exército cubano um método semelhante ao que nos anos 1990 os governos chilenos da Concertación Democrática usariam para fazer o mesmo com o Pinochetista: transformá-lo em uma instituição orgulhosa da sua especialização técnica na defesa das fronteiras do país e dos valores liberais a que essa especialização está necessariamente relacionada.

Prío, em essência, propunha substituir os sargentos de Batista, que não passavam de valentões municipais, por um grupo de oficiais com alto nível de preparação para a técnica e a guerra contemporânea, orgulhosos dessa preparação e comprometidos com o estado de direito democrático que eles necessariamente sabiam. Pode-se imaginar como teria sido muito diferente a história deste país se Carlos Hevia, sem dúvida o vencedor das eleições presidenciais de junho de 1952, tivesse conseguido levar a cabo esses planos.

Ao falar da complexa relação entre Washington e Batista, não se pode descartar que um dos motivos que levaram alguns militares a apoiar o golpe foi a já manifestada intenção de Prío de enviar um contingente de um batalhão à Coréia. Uma intenção que poderia ter se concretizado após as eleições de junho e antes do final do ano. Acima de tudo, se levarmos em conta que o designado pela coalizão de governo para suceder Prío era nada menos que seu chanceler, isto é, o homem que, tendo se encarregado de organizar os detalhes dessa futura participação cubana na Coréia, poderia dificilmente esperar que ele não fosse inteiramente a favor dela.

A maioria da tropa e dos sargentos estavam cientes de não serem valentões de uniforme. Eles sabiam que suas formações militares eram capazes de manter a ordem dentro das fronteiras, mas não de defendê-las diante de um exército profissional. Diante da possibilidade de se envolverem em uma guerra real, era inevitável esperar que eles apoiassem qualquer opção que retirasse do poder quem quisesse mandá-los para um dos antípodas, e muito verdadeiramente, como a Coréia.

Os americanos estavam cientes desse estado de espírito no exército, e do que a propaganda comunista contra a guerra havia permeado nele, então aqui está outra razão provável para sua atitude reticente em relação ao regime militar.

Enfim, fosse o que fosse, com Batista não haveria mais um batalhão cubano na Coréia, porque a situação precária de Batistato o obrigava a não arriscar nenhuma aventura que pudesse mobilizar tanto os cidadãos quanto o exército contra ele. Essa "deserção", é claro, os americanos nunca veriam com bons olhos. Muito menos poderiam ser agradáveis ​​para eles a notícia de que os planos de ter forças armadas em Cuba com certa capacidade de enfrentar as forças do Bloco Comunista, numa guerra contemporânea, estavam enfraquecendo porque em essência os sargentos rebeldes de Batista haviam decidido não permitir tal avanço, que os deixaria sem seu status de valentões nacionais.

Porém, após mais de um ano de reservas, por volta de 1954 o novo governo americano de Eisenhower começou a liberar as armas que deveriam ser vendidas ou transferidas, como parte do Tratado de Assistência Recíproca. 


Graças aos mesmos fuzis adquiridos por Cuba (não foi possível especificar se Springfield ou Garand), munições para eles, 15 bombardeiros B-26 médios, uma vintena de caças Mustang para formar um esquadrão de perseguição, radares e sonares para preparar os navios cubanos na guerra anti-submarina, 8 jatos de treinamento T-33 ... O processo de entrega dessas últimas aeronaves é por si só mais um sinal claro de que a relação, um ano após o golpe, não era o que chamaríamos de fechada.

 Os primeiros T-33 chegaram a Cuba em junho de 1954, com a condição de que todo o lote fosse pago posteriormente. Ainda em setembro não haviam sido pagos, então a Força Aérea Americana reteve o restante e ordenou que seu pessoal na Ilha cuidasse dos que já estavam nela. 

Enquanto o Departamento de Estado enviou uma nota às autoridades cubanas ameaçando desviar todo o lote, inclusive os que já estavam em Cuba, para o Peru, país ao qual também haviam prometido fornecer o artefato. O governo Batista justificou-se por não ter podido contar com o dinheiro para o pagamento devido às próximas eleições.

Embora houvesse suspeitas de guerra civil em Cuba muito antes, ela não foi realmente declarada até o levante de 30 de novembro de 1956, em Santiago de Cuba, e o posterior desembarque da expedição Granma. Ocasião, a da revolta, em que o regime de Batista utilizou voos de baixa altitude dos T-33 para aterrorizar a população. Não houve então nenhum bombardeio ou ataques terrestres, no entanto.

Diante da situação de guerra que se avista quase de seu litoral, a imprensa americana fez chover denúncias contra o governo Eisenhower de alimentar o conflito com suas entregas de armas ao regime de Batista. 


A que acusações de pouco valor responder com a verdade, de que as entregas não eram para uso no conflito interno, mas para garantir a defesa comum contra a ameaça soviética, porque Batista, ao contrário de Franco, não parecia ter uma forma humana de compreender tal distinção (Franco, por exemplo, nunca usou as armas doadas pelos Estados Unidos em sua guerra no Saara espanhol, obrigando-o a se valer do material obsoleto recebido da Alemanha nazista).

Insistiu-se em que os Estados Unidos iniciaram o embargo de armas ao exército de Batista em março de 1958. Isso é um erro. Na verdade, há evidências de que, pelo menos desde novembro de 1957, o governo americano havia impedido a aquisição de material de guerra acordado anteriormente. Por exemplo, os 13 reatores F-80 Shooting Star que prometeram desde 1956, a Cuba, substituir os Mustangs P-51 de seu esquadrão de perseguição, e bombas e outros materiais necessários às FAEC (Força Aérea do Exército Cubano) para seus ataques em terra . Mesmo um número desconhecido de tanques Sherman parece ter sido detido por uma razão ou outra desde outubro.

Desde o início da guerra civil, os frequentes assassinatos extrajudiciais de oponentes, muitos deles adolescentes, e os deslocamentos forçados e sangrentos da população civil na Sierra Maestra pelo exército de Batista, foram amplamente divulgados na mídia dos Estados Unidos., e, conseqüentemente, eles haviam conquistado para Batista a animosidade do público americano. 

Por fim, diante da reação indignada da opinião pública americana aos ataques aéreos contra posições rebeldes dentro da cidade de Cienfuegos, durante o levante que ali ocorreu em 5 de setembro, e a subsequente repressão após a retomada do controle das forças de Batista, que saiu por aí de 100 mortos, o governo americano decidiu suspender temporariamente os embarques em novembro. Quando feito de uma forma silenciosa.

Dois meses depois, em janeiro de 1958, seguindo indicações de Washington, o embaixador em Havana Earl Smith informou a Batista que os esforços de seu governo para comprar armas nos Estados Unidos não seriam impedidos, mas que a entrega dependeria da situação do país . Batista restaurou imediatamente as garantias constitucionais.

Mas a situação em Cuba voltou a se deteriorar muito em breve, porque muitos não acreditavam que com Batista no Palácio fossem feitas eleições limpas, porque ele não estava disposto a simplesmente se afastar, e porque na oposição havia alguns como Fidel Castro que não estava disposto a aceitar qualquer solução que não incluísse o firme apego ao poder. 

Portanto, em resposta à decisão de Batista de 12 de março de 1958 de suspender novamente as garantias constitucionais, em 14 de março o governo americano impediu a entrega de 1950 fuzis Garand semiautomáticos, já pagos por Cuba. Quatro dias depois, no dia 18, em nota secreta, Washington comunicou a Havana que não permitiria mais nenhuma entrega de armas americanas em seu país enquanto a situação persistisse até aquele momento.

A suspensão das entregas de armas ao governo Batista foi acompanhada pela apreensão de um importante esconderijo que as forças fidelistas mantinham em Brownsville, Miami. Destinado a equipar aqueles que ocupariam as ruas de Havana no dia 9 de abril, como parte da Greve Geral convocada pelo Movimento 26 de Julho para aquela data.

Desta vez, apesar do interesse do governo Eisenhower, não foi possível preservar o segredo, e em 28 de março o New York Times noticiou o recente cancelamento de um carregamento de fuzis para o exército cubano. Em 4 de abril, o mesmo jornal, em extensa reportagem, noticiava que esse cancelamento fazia parte de uma decisão mais geral do governo americano de não vender mais material de guerra ao governo Batista, enquanto persistisse a situação de guerra civil em Cuba.

Manter o segredo era importante porque quando o embargo se tornasse público, o moral das forças armadas do governo Batista desabaria, enquanto importantes forças políticas e econômicas que o apoiavam até um momento antes o abandonariam. O governo Eisenhower, que não queria se tornar o ator mais decisivo da mudança política em Cuba, tentou, portanto, manter o assunto em segredo. Vazamentos no Congresso tornaram isso impossível, no entanto.

É verdade que esse passo, de impor um embargo, foi dado por pressão da opinião pública americana, indignada com o uso do material de guerra dos Estados Unidos. É indiscutível que a animosidade do público americano teria impedido qualquer tentativa do Executivo de manter Batista no poder com o apoio direto dos Estados Unidos no longo prazo, se fosse essa a intenção. No entanto, para ser justo, é preciso admitir que não. Não se deve ignorar que tanto o governo Truman quanto o governo Eisenhower a partir de janeiro de 1953, muito antes da reação da opinião pública de seu país aos crimes de Batista, ambos mantiveram uma relação distante com seu regime .

Quanto a Batista, pode-se dizer que superestimou sua capacidade de manipulador. Ele acreditava que seu jogo de ameaçar se aproximar da URSS, como quando conseguiu a venda para Moscou de meio milhão de toneladas de açúcar, em combinação com seu esforço de propaganda para apresentar seus oponentes como comunistas, especialmente Fidel Castro, antes de mais tarde eles convenceriam os americanos de que ele era sua melhor opção em Cuba - um exemplo da intenção manipuladora de Batista era nomear um Escritório de Repressão Anticomunista (BRAC), que reprimia, torturava e matava militantes de outras organizações, e muito raramente os comunistas ocasionais .

Nessa percepção equivocada de Batista, foi decisivo o Embaixador Smith, que nunca transmitiu ao líder cubano os pedidos do Departamento de Estado, para que desse passos concretos, com a mesma urgência com que foram exigidos de Washington. Por exemplo, quando se encontrou em 16 de março com o chanceler cubano, recarregou a tinta sobre a justificativa diplomática de que a suspensão da venda de fuzis foi causada por "intensas críticas do Congresso e da imprensa", e não sobre a decisão de não mandar mais uma arma até que houvesse uma solução que, àquela altura, só poderia vir com a saída de Batista, seguida de eleições livres. 

Sem dúvida, o Departamento de Estado solicitou ao embaixador que transmita as reafirmações de amizade por ele expressas na dita conversa com o chanceler cubano. Só não com o calor com que Earl Smith quase certamente cumpriu sua tarefa. Ao fazê-lo, distorceu a mensagem e transformou o que só fora declarado pela diplomacia no fundamento da mensagem, ao mesmo tempo que perdia força o objetivo central de fazer compreender a Batista a necessidade da sua saída e do apelo à limpeza- eleições.

Smith nunca transmitiu as mensagens a Batista com a urgência que emitiam em Washington, e o ditador, que se considerava um camaján capaz de enfeitiçar não os americanos, mas a própria Providência Divina, decidiu continuar como antes. Isso também foi influenciado pela retumbante derrota da greve em 9 de abril, poucos dias depois, e o conseqüente desmantelamento da guerrilha urbana.

Por enquanto, Batista decidiu lançar uma ofensiva contra as forças de Fidel Castro na Sierra Maestra.


 Que falharia em grande parte pelo pobre equipamento que poderia ser fornecido aos novos batalhões recrutados e preparados para a corrida, e pela falta de recursos para ataques terrestres e bombardeios que, após meses de suspensão, já começavam a sofrer. Para se ter uma ideia: como o próprio Fidel Castro reconhece em suas memórias daquela ofensiva, o batalhão do Exército comandado pelo Comandante Quevedo, cercado e destruído em El Jigüe, armado com fuzis de repetição Springfield e quase sem armas automáticas, tinha menos poder de fogo que as inferiores forças o atacando de melhores posições.

Depois da derrota da chamada Ofensiva de Verão, quando Batista entendeu que os americanos não iriam mais reverter sua decisão, a menos que ele conseguisse uma derrota retumbante aos rebeldes nas montanhas - nas cidades seu controle se manteve incontestável depois a vitória de abril—, ele saiu para comprar armas em outros mercados: fuzis FAL na Bélgica, aviões Hawker Sea Fury na Grã-Bretanha, tanques Somoza e fuzis San Cristóbal e material para sua aviação com Trujillo.

Mas depois da derrota militar na Serra, depois de ver que a decisão americana de suspender a venda de armas foi mantida por meses, um sinal que em Cuba todos corretamente interpretaram como uma mensagem que Washington enviou ao ditador para deixar o poder, o moral de seu exército, seus seguidores e aliados, estava no terreno. O que acabou determinando a queda do regime de Batista apenas oito meses e meio após a decretação do embargo de armas.

Para compreender a influência da decisão americana de implementar um embargo de armas na queda meteórica do regime de Batista, basta considerar a situação da guerra civil quando essa medida começou a ser divulgada em Cuba; o que não foi noticiado na imprensa cubana por causa da suspensão das garantias emitidas em 12 de março e que acarretou a censura dos meios de comunicação: A guerrilha urbana, El Llano, acabava de sofrer uma derrota esmagadora da qual jamais se recuperaria, especialmente em Havana, já que em Santiago, desde o assassinato de Frank País, em 30 de julho de 1957, o regime havia conseguido gradualmente retomar o controle; Por sua vez, os guerrilheiros rurais do Leste estavam longe de controlar totalmente a própria Sierra Maestra e, devido ao seu número, não ultrapassavam milhares de homens, em oposição a um exército de 30.000 homens, que ainda mantinha um certo moral combativo.Ainda longe da atitude passiva posterior adotada nos meses finais da guerra, de se fecharem em seus quartéis independentemente do tamanho das forças que os atacam (grupos de três e cinco vezes mais sitiados do que atacantes seriam comuns naquela época) .

Em meados de abril de 1958, na época em que o cidadão comum ou o apoiador das fileiras ouvia a notícia do embargo, a correlação de forças era claramente favorável ao regime de Batista. Logo, que apenas oito meses depois desabou, só se explica no golpe devastador que para isso significou a decisão americana de suspender o envio de armas.

Em primeiro lugar, erodiu o moral das Forças Armadas de Batista, pois seus integrantes interpretaram corretamente que o vizinho do qual dependia a economia cubana, principal aliado do país, sem cujo apoio nenhum governo republicano desde a Independência durou mais de 127 dias, eles foram retirados.

 Em segundo lugar, ele forçou os soldados que estavam essencialmente armados com rifles de repetição de 1893 (o Springfield M 1903 ,era essencialmente uma cópia licenciada do Mauser espanhol de 1893) a atacar a Sierra Maestra, sem outro suporte de artilharia além de um punhado de morteiros, uma bateria de ridículos Morteiros de 75 mm, ou o canhão de cinco polegadas de uma fragata da Marinha, e especialmente com cobertura aérea muito limitada.

A derrota que se seguiu na Ofensiva de Verão deprimiu ainda mais o moral do regime, especialmente de suas forças armadas. 

Na verdade, apenas o controle efetivo das cidades e do movimento operário pelo regime, além da relativa bonança econômica, explicam por que esse colapso não ocorria desde o verão. Deve-se também levar em consideração a intenção de Fidel Castro de não derrubar o regime antes que este se esgote, ou de colocar sob seu controle todos os competidores do Llano , ou de outro núcleo guerrilheiro que ainda lutava. . E sobretudo: antes de ter atrás de si um exército capaz de controlar o país após o fim do regime de Batista, o que explica a sua insistência em manter um número desproporcional de recrutas na Sierra Maestra, na Coluna Um.

O que os fatos e sua análise racional nos dizem é que no rápido triunfo das forças rebeldes, pouco mais de dois anos após o início da guerra civil, sobre um regime com certa base popular, controle sobre os sindicatos e, sobretudo, com o apoio de instituições armadas temidas pela população, e com certa eficácia repressiva, como demonstrado na luta contra a guerrilha urbana e contra outros focos de guerrilha, foi decisiva a atitude que o governo dos Estados Unidos adotou em relação ao regime de Batista. , 1952, mas principalmente a partir de 14 de março de 1958. Se o embargo à entrega de armas não tivesse sido imposto até aquela data, o regime de Batista provavelmente teria acabado caindo, mais cedo ou mais tarde, antes da morte de Batista, mas certamente nunca em oito meses,e os atores de sua queda teriam sido outros.

Porque contra algumas tropas cujo moral de luta não tinha sido consumido pela notícia do desentendimento entre os americanos e seu chefe, e que teriam à sua disposição armas suficientes para obter napalm, bombas e tiros de canhão contra os rebeldes de suas trincheiras, poderiam ter sobrevivido se tivessem abandonado a guerra de posição e se dispersando em pequenos grupos voltando à guerrilha. Essa transferência do território defendido teria o mesmo efeito sobre o moral das duas partes em conflito, o que, ao contrário, foi conseguido mantendo-o na realidade histórica. Se mantê-lo quebrou o das forças do governo e transformou os barbudos de Fidel em um mito, o contrário teria encorajado o exército e transformado os rebeldes em rebeldes, "bandidos", sempre na defensiva.

Sobre a possível permanência de Batista no poder, é preciso lembrar que ele já havia conseguido controlar uma situação bem mais complicada em 1935, quando derrotou o mais amplo leque de movimentos e forças políticas mais bem estruturadas, e com maior experiência de combate, que o enfrentou. Mas então ele teve o forte apoio dos Estados Unidos e, na verdade, seu principal conselheiro era ninguém menos que o embaixador Jefferson Caffery.

Numa história alternativa, sem perder o apoio dos Estados Unidos e depois de derrotar Fidel Castro na Ofensiva de Verão, Batista poderia ter morrido no poder, como Franco, e aquele rapaz barbudo certamente teria acabado morrendo em Miami, em algum lugar. acertando contas entre grupos rivais de exilados.

Outra foi a História, e nisso a atitude dos Estados Unidos em relação ao regime surgido em 10 de março foi decisiva. Mas, sobretudo, uma medida de embargo de armas tomada não nos últimos meses daquele regime, mas uma medida que o abreviou de tal forma que não sobrou muito mais tempo para o Batistato .

Fonte:https://www.cubaencuentro.com/cuba/articulos/el-embargo-de-estados-unidos-que-ayudo-a-fidel-castro-a-conquistar-el-poder-339550

Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem