{ads}

Uso de smartphone e dor de cabeça primária: um estudo transversal de base hospitalar

Leia outros artigos :

dor-de-cabeça-ilustração-
dor-de-cabeça-ilustração-


Abstrato

Objetivo Determinar a associação do uso de smartphone com a ocorrência de cefaleia de início recente e / ou aumento da gravidade das cefaleias em pacientes com cefaleia primária.

Métodos Em um estudo transversal entre junho de 2017 e dezembro de 2018, os pacientes com cefaleia primária foram divididos em 2 grupos: usuários de smartphones (SUs) e não usuários de smartphones (NSUs). Um questionário foi administrado para as características da cefaléia e o tratamento realizado. O objetivo principal era determinar a associação do uso de smartphone com cefaléia de início recente ou aumento da gravidade. O objetivo secundário foi determinar quaisquer diferenças na necessidade de medicação aguda e profilaxia.

Resultados Quatrocentos pacientes foram incluídos no estudo, dos quais 194 eram NSUs e 206 eram SUs. Os NSUs eram mais velhos, com menor escolaridade e nível socioeconômico. As características da cefaleia foram semelhantes em ambos os grupos, exceto para maior ocorrência de aura (NSUs: 15 [7,7%] vs SUs: 36 [17,5%]; p = 0,003) no grupo SU. Houve, no entanto, maior proporção de pacientes tomando analgésicos (NSUs: 157 [80,9%] vs SUs: 197 [95,6%]; p <0,001), com menos alívio na cefaleia com medicação no grupo SU. Isso foi impulsionado pelo aumento da contagem de comprimidos (baixo SUs: 5,0 [3,0; 10,0] vs alto SUs: 10,0 [5,0; 15,0]; p = 0,007) e resposta fraca à medicação no grupo alto SU.

Conclusões O uso de smartphone foi associado ao aumento da necessidade de medicação aguda e menor alívio com a medicação aguda. Estudos longitudinais podem ser necessários para confirmar esses achados.

FONTE:American Academy of Neurology


Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.