{ads}

Testes confirmam gripe aviária em fazenda leiteira do Novo México

Leia outros artigos :

gato


Testes confirmam presença da gripe aviária em fazenda leiteira no Novo México; gatos testados positivos


O Serviço de Inspeção Sanitária Animal e Vegetal do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) anunciou ontem que testes confirmaram a presença da gripe aviária altamente patogênica (HPAI) em um rebanho leiteiro do Novo México, e que o vírus também foi confirmado em mais cinco rebanhos leiteiros no Texas.

Este anúncio, parte de uma série de desenvolvimentos em rápida evolução, foi feito logo após autoridades de saúde do Texas e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) relatarem o primeiro caso humano, envolvendo uma pessoa do Texas que teve contato com gado leiteiro, ressaltando o risco para os trabalhadores agrícolas.

Além disso, as autoridades do Texas informaram ontem que gatos que mostravam sinais de doença nas fazendas leiteiras também testaram positivo para o vírus.

Até o momento, o vírus foi confirmado em sete fazendas no Texas, duas no Kansas, uma no Novo México e uma no Michigan. O Laboratório Nacional de Serviços Veterinários do USDA em Ames, Iowa, está trabalhando para confirmar um caso suspeito em um rebanho leiteiro em Idaho.

Gatos testam positivo em fazenda no Texas
Após o anúncio de ontem do primeiro caso humano de infecção pelo H5N1, ligado à exposição a vacas leiteiras, o Departamento de Serviços de Saúde do Estado do Texas emitiu um alerta de saúde, instando os profissionais de saúde a ficarem atentos a pessoas com sintomas do H5N1, especialmente aquelas que tiveram contato com animais potencialmente infectados.

Eles observaram que, em março, os investigadores coletaram amostras de vários animais no Texas e no Kansas, incluindo aves selvagens, gatos e vacas leiteiras, que apresentavam sinais de doença. O TDSHS afirmou que "testes adicionais dessas amostras indicaram a presença da gripe aviária A (H5N1)". Um porta-voz do TDSHS confirmou por e-mail que gatos doentes testaram positivo para o vírus.

A Comissão de Saúde Animal do Texas também confirmou laboratorialmente três casos de H5N1 em gatos.

As aves selvagens nas fazendas afetadas já haviam testado positivo para o H5N1, e há crescentes evidências de transmissão do vírus de vaca para vaca. As investigações estão em andamento para determinar como o vírus está se espalhando nas fazendas, incluindo a identificação da extensão da circulação do vírus em outros animais ou na vida selvagem.

Os gatos estão entre os mamíferos anteriormente conhecidos por contraírem o H5N1, com infecções relatadas nos Estados Unidos, Polônia e Coreia do Sul.

Sequenciamento genético fornece mais informações
Os virologistas também estão analisando sequências genéticas em ruminantes e aves selvagens dos EUA, que estão sendo carregadas em bases de dados públicas.

Louise Moncla, PhD, professora assistente de patobiologia na Escola de Medicina Veterinária da Universidade da Pensilvânia, afirmou ontem no X (anteriormente conhecido como Twitter) que os cientistas do USDA sequenciaram rapidamente genomas completos e que ela e seus colaboradores os adicionaram à ferramenta de visualização Nextstrain, que permite aos cientistas mapear a árvore genealógica das sequências do vírus.

Ela explicou que as sequências das vacas leiteiras agrupam-se com as amostras de aves selvagens coletadas no Texas quase na mesma época. No entanto, as amostras de cabras de Minnesota são mais semelhantes a uma sequência de faisões do Colorado.

Moncla observou que nenhuma das sequências PB2 possui marcadores adaptativos conhecidos, e a semelhança dos genes internos das sequências de aves selvagens e de gado sugere transmissão direta de aves selvagens.

Esses casos são incomuns, pois a gripe A nunca havia sido relatada em ruminantes anteriormente, disse ela. "Monitorar essas vacas e outras espécies será importante no futuro".

Quem está em maior risco nas fazendas leiteiras?
As autoridades federais de saúde afirmaram que os surtos de gripe aviária em rebanhos leiteiros e a nova infecção no Texas não alteram a avaliação da ameaça, que é baixa para o público em geral. Eles também destacaram a segurança do abastecimento de leite do país, devido às redes de segurança, incluindo a pasteurização, enquanto alertam contra o consumo de leite cru, que pode conter patógenos.

No último podcast "Moos Room", Joe Armstrong, DVM, especialista em produção de gado da Universidade de Minnesota, instou os operadores de fazendas leiteiras em fazendas onde o vírus é confirmado ou suspeito a se concentrarem naqueles em maior risco, especialmente se o equipamento de proteção individual for limitado. O podcast "Moos Room" é parte da extensão da Universidade de Minnesota.

Ele destacou que os grupos de maior risco incluem aqueles que lidam com leite cru, como trabalhadores em salas de ordenha, funcionários que cuidam de bezerros e pessoas que trabalham com tanques a granel. Ele também mencionou que aqueles com condições imunocomprometidas, como gravidez, correm maior risco.

Armstrong também pediu aos operadores de lacticínios para garantirem que os trabalhadores, incluindo aqueles de outros países que não falam inglês como primeira língua, conheçam os sintomas da doença e saibam como comunicá-los. "Eles podem ou não estar dispostos a procurar ajuda médica quando necessário."

"Se você tem funcionários que se enquadram nessa descrição, é importante apoiá-los e cuidar deles", afirmou Armstrong. "Verifique-os regularmente e certifique-se de que compreendem a situação."
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.