-->

{ads}

Irã e Catar são os principais financiadores estatais dos terroristas do Hamas

Leia outros artigos :

O papel do Qatar no patrocínio do Hamas e seu envolvimento em atividades relacionadas ao terrorismo são pontos de preocupação. A comunidade internacional deve examinar cuidadosamente essas ações e considerar medidas apropriadas para responsabilizar qualquer entidade ou país envolvido no financiamento do terrorismo.

Após o Pogrom do Hamas, o Qatar deve finalmente pagar pelo seu patrocínio do terrorismo



O regime iraniano assume a posição de "cabeça da cobra", conforme é conhecido pelos serviços de inteligência israelitas, quando o tema é islamismo e jihadismo financiados pelo Estado no Oriente Médio. Contudo, muitas vezes negligenciado nessa discussão está o principal aliado sunita do Irã, um pequeno emirado extraordinariamente abastado que patrocina o Hamas, abriga seus líderes em Doha e propaga o islamismo inspirado na Irmandade Muçulmana através da sua rede estatal, a Al Jazeera: o Qatar.

No rescaldo do maior massacre de judeus desde a derrota da Alemanha nazista, assim como da mais significativa crise de reféns americanos desde Teerã, em 1979, o Qatar não pode continuar a evadir-se impunemente de sua duplicidade. Em parceria com o Irã, o Qatar figura como um dos principais financiadores estatais do Hamas. Ademais, abriga os líderes dessa organização em hotéis de luxo em Doha, distantes do caos em Gaza. O regime qatariano prestou assistência material a vários grupos islâmicos, inclusive oferecendo serviços bancários ao braço do ISIS responsável pela brutal decapitação do jornalista americano Steven Sotloff em 2014.

O Qatar, por meio do apoio diplomático e da propagação do islamismo pela Al Jazeera, também desempenhou um papel fundamental nas tumultuosas revoltas da Primavera Árabe há uma década. Hoje, o patrocínio estatal do islamismo torna o Qatar um aliado conveniente do Irã, embora seus vizinhos não islâmicos, como Bahrein, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, o vejam com ceticismo, se não com completo desdém.

O Qatar consegue esquivar-se do escrutínio ocidental em relação às suas diversas atividades malévolas por meio de uma estratégia complexa, centrada na Base Aérea de Al Udeid, em investimentos estratégicos ocidentais e numa operação de informação extensa e profundamente sofisticada.

A Base Aérea de Al Udeid, sendo a maior base militar dos EUA no Médio Oriente, observa passivamente quando os EUA conduzem operações estratégicas, inclusive o assassinato do arquiterrorista iraniano Qassim Soleimani em janeiro de 2020. O fato de Al Udeid estar surpreendentemente próxima das residências da liderança do Hamas em Doha não parece perturbar os altos escalões militares dos EUA. Pelo contrário, o uso cínico de Al Udeid pelo Qatar foi tão bem-sucedido em enganar os americanos que a administração Biden formalmente designou o Qatar como "grande aliado dos Estados Unidos não pertencente à OTAN" em março de 2022.

A administração atual também está envolvida na farsa de permitir que o Qatar "medie" as negociações de reféns com o Hamas em Gaza, uma ação que equivale a recrutar um incendiário para apagar o fogo.

O Qatar, detentor da terceira maior reserva de gás natural do mundo e um dos países mais ricos per capita, busca doutrinar e comprar estrategicamente ocidentais crédulos e venais. O fundo soberano do emirado, a Autoridade de Investimentos do Qatar, investe em ativos importantes como o Empire State Building em Nova Iorque e o Aeroporto de Heathrow em Londres. Desde o 11 de Setembro, o Qatar também é o maior investidor estatal estrangeiro em universidades americanas, aportando grandes somas em instituições de prestígio como Cornell, Georgetown, Northwestern e Carnegie Mellon, muitas das quais agora têm filiais em Doha.

Além disso, o Qatar investe consideravelmente na promoção da sua imagem sofisticada e voltada para o futuro. Subornou literalmente para sediar a Copa do Mundo no ano passado, enquanto a estatal Qatar Airways é um dos patrocinadores mais visíveis e onipresentes das corridas de Fórmula 1 em todo o mundo. O canal de língua inglesa da Al Jazeera, AJ+, também adota uma postura abertamente progressista em sua vertente política.

A operação de informação do Qatar é multifacetada, complexa e, infelizmente, bastante eficaz. Enganou com sucesso muitas elites ocidentais tanto na América do Norte quanto na Europa. No entanto, não importa o quanto o Qatar invista em sua campanha global de relações públicas, nem o quanto os EUA se beneficiem de Al Udeid, o emirado não pode escapar ao fato de ser um dos principais patrocinadores do Islamismo e da jihad em todo o mundo.

Atualmente, o Departamento de Estado dos EUA lista apenas quatro Estados como patrocinadores do terrorismo: Cuba, Coreia do Norte, Irão e Síria. Propõe-se que o Catar seja acrescentado a essa lista, começando pelo despojamento de seu ridículo estatuto de "grande aliado não pertencente à OTAN".
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.