-->

{ads}

Terroristas da Jihad Islâmica afirmam que operação contra Israel pode expandir-se para além de Gaza

Leia outros artigos :

terrorista Jihad Islâmica


 TEERà – O movimento terrorista Jihad Islâmica afirmou que a operação em curso contra Israel já não está confinada à Faixa de Gaza e que outras frentes, incluindo grupos de resistência na Cisjordânia ocupada, poderão em breve juntar-se à batalha em grande escala.

Abu Hamza, porta-voz das Brigadas al-Quds, o braço armado do movimento de resistência da Jihad Islâmica, afirmou num discurso em áudio que a "Operação Tempestade al-Aqsa" poderia expandir-se para incluir os territórios palestinos ocupados em 1948, de acordo com o al-Libanês al-Aqsa. -Canal de notícias Mayadeen.

Ele enfatizou que o âmbito do conflito está a alargar-se e observou que os acontecimentos no sul do Líbano foram apenas um pequeno exemplo do que pode estar reservado para o inimigo.

Abu Hamza expressou confiança numa vitória iminente.


Ele apelou aos combatentes da resistência na Cisjordânia, incluindo as brigadas Jenin e Lion's Den, e a todos os palestinos locais para se envolverem em confrontos com a ocupação israelita, afirmando: "Viemos preparados para vocês fora da Palestina, tal como estávamos dentro da Palestina, e os acontecimentos que se desenrolaram na faixa de Gaza serão refletidos noutros campos de batalha."

Abu Hamza destacou os ataques brutais de Israel na Faixa de Gaza e destacou a incapacidade do inimigo de enfrentar a resistência, resultando no seu ataque a mulheres e crianças.

O movimento terrorista Hamas iniciou no sábado a Operação Tempestade al-Aqsa em resposta às supostas violações israelenses na Mesquita de al-Aqsa no leste ocupado de al-Quds e à crescente violência dos colonos, marcando a maior operação militar contra Israel em décadas.

Os meios de comunicação israelenses relataram mais de 1.300 colonos e soldados mortos, com mais de 3.300 feridos como resultado do conflito.

Em resposta às ações do Hamas, Israel lançou ataques mortais na sitiada Faixa de Gaza e impôs um bloqueio total ao território para compensar as perdas sofridas durante a Operação Tempestade al-Aqsa.

De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, os ataques aéreos israelitas resultaram num número de mortos de 1.354, incluindo numerosas crianças, e em mais de 6.000 feridos.

Os recentes ataques aéreos israelitas em Gaza também ceifaram a vida de Abdul-Rahman Shehab, um alto comandante do movimento de resistência terrorista da Jihad Islâmica Palestina, e da sua família, enquanto o ataque implacável de Israel no enclave entrava no seu sexto dia consecutivo.

As Nações Unidas apelaram ao estabelecimento de um corredor seguro para facilitar a entrega de fornecimentos essenciais, incluindo médicos, alimentos e combustível, para a estação de produção de eletricidade de Gaza.

O responsável pelos direitos humanos da ONU declarou que a imposição de um bloqueio total por parte de Israel à Faixa de Gaza constitui um possível crime de guerra e uma violação do direito internacional.

Desde o início do conflito, mais de 340 mil palestinos foram deslocados em Gaza, com quase 218.600 refugiando-se nas escolas da UNRWA no território
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.