{ads}

“Roi disse para lavar o sangue dele - e continuou lutando”: a história da batalha no Black Sabbat

Leia outros artigos :

O falecido coronel Roy Levy . Foto: porta-voz da IDF


Lavagem do Sangue e Luta Incansável: A Epopeia na Batalha do Black Sabbath


Na aurora daquele fatídico Shabat, o Comandante da Unidade Multidimensional, o Coronel Roi Levy, não hesitou nem por um instante antes de se lançar na refrega de Otef. "Avançar na direção dos disparos," ele instruiu, sem titubear. Enquanto se debatia no campo de batalha, Roy foi atingido mortalmente no coração e caiu sem vida, seu último fôlego se extinguindo no calor do conflito. "Haverá tempo para o luto, agora devemos lutar," ele exclamou, firme e decidido.

A manhã do dia 7 de outubro apanhou o Major R. da Unidade Multidimensional em meio a um passeio de bicicleta aparentemente rotineiro, porém, a sequência contínua de alertas em seu telefone celular rapidamente lhe fez perceber que algo profundamente incomum estava ocorrendo no sul do país.

Em meio ao caos, ele relatou: "Voltei para casa, comecei a me comunicar com os comandantes da unidade e percebi que uma força da unidade estava se mobilizando para o sul, pronta para agir. Fiz uma rápida avaliação sobre onde deveria estar para me unir à vanguarda, peguei meu equipamento e, em um piscar de olhos, estava a caminho."

O Major R., um oficial em treinamento na época, partiu em direção ao sul com o esquadrão de prontidão da Unidade Multidimensional naquele Shabat, enquanto, pouco tempo depois, outra força se mobilizava, liderada pelo Comandante Coronel Roi Levy.

O primeiro contato de Levy foi com o Major-General E., de 22 anos, oriundo de Beit Shemesh. "Na manhã de sábado, meu pai me despertou com a notícia de um incidente no sul. Estava à beira de receber alta e entrar de licença. Imediatamente liguei para Roy (o falecido Levy; L.S.) e perguntei se ele se juntaria a nós. Sua resposta foi que ainda não sabiam a extensão do evento e que decidiríamos em duas horas."

"Eu não sou alguém que fica esperando. Dirigi-me diretamente para a base, determinado a voltar para casa caso nada surgisse. Surpreendentemente, Roy apareceu e organizamos o equipamento. Em questão de minutos, partimos em direção ao sul, seguindo o comboio de treinamento."

A primeira missão das forças foi enfrentar a sangrenta celebração em Rai, onde haviam sido chamados após denúncias de intrusão. O Major R. descreveu a situação: "Nos movemos rapidamente, conscientes pelas notícias de que não enfrentaríamos um único esquadrão, mas um grande evento. Na entrada sul do estacionamento Ra'im, nos deparamos com um posto de controle 'Agoz', com um comandante Agoz e um KLA. Tentamos entender se poderíamos prosseguir e a resposta foi que a batalha estava sendo travada ali, e que nos juntaríamos a ela."

"Aproximadamente vinte de nós avançamos em direção ao Kibutz de Reim, observando o trabalho de evacuação dos feridos realizado pela polícia local. Planejamos cercar o Kibutz, uma caminhada de 2 quilômetros, pois a região estava infestada de terroristas de origens obscuras."

O Major R. continuou seu relato: "O Kibutz se assemelhava a uma zona de guerra. Enfrentamos terroristas de diferentes procedências, muitos dos quais haviam se dirigido ao local por conta própria, armados ou não, trajando uniformes ou roupas civis. A distinção entre amigos e inimigos era difusa, e o temor dos tiros vinha de todas as direções. O caos era palpável."

Nesse momento, a força liderada pelo Coronel Levy e quatro de seus combatentes adentrou o Kibutz Reim, por volta das 11 horas da manhã. Gradualmente, o esquadrão de reserva do Kibutz se juntou a eles, e a luta incansável contra os terroristas se intensificou, contando também com o apoio da força de treinamento. A cena parecia retirada de uma zona de guerra, com edifícios alvejados e veículos em chamas.

No quarto conjunto de casas, o Coronel Levy foi atingido por fragmentos de granada na mão, causando-lhe um ferimento que sangrava profusamente. No entanto, sua determinação era inabalável. Ele recusou tratamento imediato e pediu ao Major-General E.: "Lave o sangue em mim, não quero que isso afete o espírito de luta dos soldados." A mão e o cotovelo do Coronel sangravam, mas seu foco estava na missão.

Neste ponto, a força foi surpreendida por terroristas que se refugiaram em uma das casas. O Coronel Levy ordenou que a força de treinamento realizasse um movimento de flanqueamento à casa, enquanto ele e os soldados que o acompanhavam forneceriam cobertura. No momento em que pediu o dispositivo de comunicação MAAD, recebeu um tiro no coração, e sua vida se apagou instantaneamente.

O Major-General E. recorda vividamente esse trágico momento: "Eu compreendi que ele havia sido abatido, mas não podia me permitir render-me à dor. Gritei para ele: 'Roi, levante-se! Precisamos de você!' Mas ele permaneceu imóvel. Em meio a segundos de confusão, disse a mim mesmo: acalme-se, temos uma missão a cumprir. Terminaremos o que começamos e, então, teremos tempo para lamentar."

O Major-General E. rapidamente retomou o comando e continuou a operação. "Levamos o corpo de Roy de volta e o conduzimos à clínica, mas já não havia o que fazer. A luta prosseguiu."

Nesse momento, o Major R., que liderava uma das forças secundárias, estava alheio à trágica notícia da morte do comandante da unidade. Ele explicou: "Houve uma desconexão na comunicação da força, uma vez que Roy era nosso ponto de referência. Ele conhecia nossa posição, mas o resto de nós estava às escuras. Ele era nosso guia. Naquele instante, eu não sabia que ele havia sido morto. No entanto, persistimos em nosso curso de ação planejado, a força que me acompanhava."

"Eramos um grupo pequeno, protegendo-nos e mantendo a área sob cerco, prontos para disparar. Durante essa operação, um dos nossos ficou ferido. Mais tarde, o Capitão Yotam Ben-Best, chefe de treinamento, também foi atingido. Percebemos que o ferimento dele era grave e o evacuamos. Infelizmente, ele não resistiu aos ferimentos."

Em certo ponto, o Major R. conseguiu estabelecer contato com a força principal da unidade, aguardando uma decisão estratégica do MGB para determinar o próximo passo. Quase trinta combatentes se juntaram a eles. Recuaram de sua posição original e continuaram a batalha com renovado fervor.

Os combates no Kibutz prosseguiram até a noite, quando os últimos terroristas foram eliminados por um disparo de tanque especialmente enviado para o local.

Olhando para trás, o Major-General E. reflete: "Com o benefício da retrospectiva, compreendemos que haverá tempo para lamentos e reflexões. Haverá tempo para processar a perda de um companheiro de batalha. Mas agora, o dever nos chama. Estão atirando em nós, e não temos a liberdade de nos determos no meio do caminho."

Nunca antes eu havia vivenciado algo remotamente parecido a isso. Por muito tempo, estive ao lado de Roy. Ele permaneceu na unidade por três meses ou mais. Era um homem notável; cada palavra que proferia era imbuida de pensamento e significado. Ele era um idealista, uma inspiração para todos nós. Mesmo em face do fogo cerrado, ele se erguia, respondendo aos disparos com firmeza. Seu compromisso não era consigo mesmo, mas sim com seus soldados e com o Estado de Israel. Após os combates, talvez eu visite sua esposa. Talvez eu então me permita desabar e chorar. Mas agora, não temos esse luxo. Tudo o que podemos fazer é nos preparar da melhor forma possível para os desafios que ainda enfrentaremos.

"Quando nos lançarmos novamente ao campo de batalha, farei tudo o que estiver ao meu alcance para evitar que outros se machuquem. Apesar das perdas, o moral na unidade permanece elevado. Nossa vontade é realizar um movimento que, no curso da história, moldará o futuro de nosso país."
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.