{ads}

CNN distorce a história para absolver o Hamas e culpar Israel pelo massacre de 7 de outubro

Leia outros artigos :

Corpos de pessoas, algumas delas idosas, jazem na rua depois de terem sido mortas durante uma infiltração em massa de homens armados do Hamas vindos da Faixa de Gaza, em Sderot, sul de Israel, em 7 de outubro de 2023. 


por Rinat Harash

Num documentário de uma hora de duração transmitido esta semana, a CNN tentou explicar o terrível ataque do Hamas contra Israel em 7 de outubro, apresentando uma lição histórica distorcida sobre o conflito israel-palestino: absolveu os palestinos de qualquer delito, culpou Israel e deu uma plataforma unilateral para pró-palestinos mascarados de analistas.

Os primeiros segundos de “Inside Hamas”, um documentário da CNN que pergunta o que levou ao monstruoso massacre do Hamas, fornecem uma boa resposta a esta pergunta: mostra imagens de terroristas gritando freneticamente “Allahu Akbar” enquanto atacam cidades israelenses, seguidas de por uma gravação de áudio do presidente dos EUA, Joe Biden, chamando suas atrocidades de “mal puro e não adulterado”.

Mas os próximos 50 minutos nada mais são do que uma tentativa vergonhosa de encontrar uma desculpa para esse mal.

A premissa subjacente que orienta todo o documentário, que foi arquivado como um podcast após a sua transmissão, é a necessidade de absolver os terroristas e ao mesmo tempo culpar a sua vítima – Israel.

O desejo de culpar Israel é tão profundo que mesmo enquanto imagens da carnificina são exibidas no ecrã, um narrador não identificado culpa o bloqueio israelita e a “suposição” israelita de que os palestinianos não lhe “resistirão”. Não há menção à participação do Egito no bloqueio, e a palavra “resistir” é usada como eufemismo para matar israelitas:

Não podemos esperar que Israel continue a bloquear Gaza, a privá-los da sua liberdade e a assumir que em algum momento não resistirão. Em algum momento isso vai transbordar.

Continua com um branqueamento dos atos terroristas que acabaram de ser exibidos, quando Sara Sidner da CNN pergunta aos analistas “Como definem o Hamas?”

Ela não viu a filmagem? Ela não relatou o assassinato, o estupro e o sequestro? Não sabe ela que o Hamas é um grupo terrorista proibido, cuja definição não deveria ser uma questão de debate relativista? Ou ela procura descaradamente abrir o assunto para debate? As respostas editadas no documentário sugerem que é a última:

Um analista diz que “o Hamas é principalmente um movimento social, religioso e político”, enquanto outro diz que “o Hamas é um movimento nacionalista que está comprometido com a noção de luta armada pela libertação da Palestina”. Sidner não prossegue com uma pergunta para esclarecer que esta “libertação” na verdade significa a liquidação de Israel.

Mas tudo isto é apenas uma introdução ao que só pode ser definido como uma lição de história orwelliana sobre o conflito israel-palestino, omitindo qualquer facto que possa contradizer a premissa subjacente acima mencionada.

Reescrevendo o conflito israel-palestino


A retrospectiva histórica começa com esta frase:

Mas a ascensão do Hamas e o que levou ao massacre de mais de mil homens, mulheres e crianças em Israel é uma história que começa muito antes de o Hamas existir. Isso não começou em 7 de outubro.

Agora que o Hamas está seguramente fora de cena, a narrativa histórica simplificada remonta ao estabelecimento do Estado de Israel como a raiz de todos os males. Seus principais pontos são:

“Os judeus aceitam esse acordo [o plano de partição da ONU]. Os árabes não. E então a guerra estourou.”
“A fim de preparar o caminho para estabelecer Israel como um Estado judeu, era necessária uma limpeza étnica em massa dos palestinos.”
“No final de 1948, um Israel recém-formado reivindicou 78% das terras da Palestina histórica. Os palestinos que não fugiram para os países vizinhos estabeleceram-se nos restantes 22% das terras que Israel ainda não tinha conquistado.”

Aqui está o que a CNN omitiu:

mapa


Os árabes vinham massacrando judeus há décadas antes da resolução de partição da ONU. Após a declaração do Estado de Israel em maio de 1948, cinco exércitos árabes invadiram o país recém-formado. O estado judeu não teve escolha senão defender-se.
Muitos palestinos fugiram durante a guerra, atendendo ao apelo dos líderes árabes que queriam que eles abrissem caminho para o avanço dos exércitos árabes. Outros ficaram e seus descendentes vivem em Israel até hoje como cidadãos iguais.
Israel repeliu os invasores que tentaram conquistá-lo. Não houve nenhum plano premeditado para conquistar a “Palestina Histórica”, a área que na verdade constitui a pátria bíblica do povo judeu (o mapa exibido pela CNN localiza erroneamente até mesmo as Colinas de Golã em Israel, embora permanecesse síria após a guerra):
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

A narrativa prossegue descrevendo a ocupação israelita da Cisjordânia e de Gaza em 1967 como a razão dos sentimentos de apatridia e da necessidade de “libertação” dos palestinianos. Estranhamente, não há menção à existência de tais sentimentos sob o domínio do Egipto e da Jordânia, que anteriormente controlavam estas áreas desde 1948. Também não há menção aos constantes ataques que foram lançados contra Israel antes de 1967 a partir do mesmos territórios que havia capturado.


A partir daqui, é fácil para a CNN apresentar tanto a OLP como o Hamas como produtos da ocupação israelita, e não da sua recusa fundamental em reconhecer a existência do Estado Judeu.


Com esta equação em mente, Israel é responsabilizado por praticamente tudo o que correu mal desde:



  • A violência após os Acordos de Oslo de 1993 foi desencadeada pelo massacre de árabes por um colono em Hebron;
  • A Cimeira de Camp David de 2000 foi uma organização israelo-americana criada para o rejeicionista Arafat;
  • A visita do líder da oposição israelense Ariel Sharon ao Monte do Templo foi o motivo da Segunda Intifada;
  • Arafat, que planeou previamente aquela onda de violência, é desculpado, e os atentados suicidas do Hamas são apresentados como uma reacção legítima à política israelita:

 

Se você protestar de forma não violenta e assim por diante, levar um tiro, você será preso. Então, na verdade, eles deixaram apenas uma via, que é a resistência armada.
Esta narrativa distorcida leva os espectadores a acreditar que os palestinianos têm estado apenas a reagir durante todos estes anos ao pecado original da criação de Israel, seguido pela ocupação da Cisjordânia e pelo bloqueio de Gaza. Ou seja, Israel trouxe sobre si o dia 7 de Outubro.

Mas para estabelecer esta narrativa, a CNN utiliza alguns “analistas” muito específicos.

Cabeças Falantes Pró-Palestinas


Uma quantidade significativa de tempo de transmissão no documentário é dada a Tareq Baconi e Laila El-Haddad. O primeiro é apresentado como “autor” de um livro sobre o Hamas e o segundo como “jornalista” e “ativista social”.

O que a CNN não menciona, no que só pode ser descrito como um pecado jornalístico, é que ambos são membros do “Al-Shabaka”, um think tank pró-palestiniano com uma agenda anti-israelense. Baconi é também o presidente do conselho de administração do Al-Shabaka e culpou Israel por usar o Holocausto para justificar a sua “colonização da Palestina”.

Podem estas pessoas ser consideradas especialistas fiáveis ​​e imparciais sobre o Hamas ou Gaza? Embora sem dúvida tenham muito conhecimento sobre o assunto, suas atividades os desqualificam para tal função. O mínimo que a CNN poderia ter feito seria mencionar os seus antecedentes e equilibrar as suas opiniões com analistas que defendem uma agenda diferente. Mas a rede ficou feliz em dar-lhes uma plataforma unilateral para espalhar a sua propaganda, sob títulos respeitáveis.

Em última análise, a CNN falha na sua missão de explicar o que levou às atrocidades de 7 de Outubro. Volta ao jargão familiar de “ocupação”, “bloqueio” e “Nakba”.

Mas os terroristas que massacraram israelitas e os raptaram em 7 de Outubro não gritaram “Livre, Livre Palestina!” Eles também não gritaram “Acabem com o bloqueio!” nem entoou slogans sobre a situação dos refugiados palestinos, que dura há 75 anos. Eles gritaram “Allahu Akbar” e deleitaram-se com o massacre de judeus em nome da sua Jihad.
Siga-nos

O Artigo 7 da Carta do Hamas diz isso melhor:


O Dia do Juízo Final não acontecerá até que os muçulmanos lutem contra os judeus e os matem. Então, os judeus se esconderão atrás de pedras e árvores, e as pedras e árvores gritarão: “Ó muçulmano, há um judeu escondido atrás de mim, venha e mate-o”.

Foi exatamente o que aconteceu em 7 de outubro.


Porque é que a CNN não incluiu esta explicação no seu documentário em vez de desperdiçar tanto prestígio jornalístico ao encobri-la?

📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :
O autor é colaborador do HonestReporting, um órgão de fiscalização da mídia com sede em Jerusalém, com foco no anti-semitismo e no preconceito anti-Israel – onde uma versão deste artigo apareceu pela primeira vez.
NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.