{ads}

Mohammed Bin Salman Al Saud: casamento, riqueza e violações de Direitos Humanos

Leia outros artigos :

Lula eo  príncipe Mohammed Bin Salman no G20 

O controverso governo de Mohammed bin Salman: autoritarismo e repressão na Arábia Saudita


Mohammed bin Salman Al Saud, coloquialmente conhecido como MBS ou MbS, nasceu em 31 de agosto de 1985. Ele é o príncipe herdeiro e primeiro-ministro da Arábia Saudita, também ocupando os cargos de presidente do Conselho de Assuntos Econômicos e de Desenvolvimento e presidente do Conselho de Assuntos Políticos e de Segurança. Mohammed é amplamente considerado o governante de facto da Arábia Saudita, mesmo antes de se tornar primeiro-ministro em 2022. Ele é o sétimo filho do rei Salman e foi classificado como a 8ª pessoa mais poderosa do mundo pela Forbes, com uma riqueza pessoal relatada de pelo menos US$ 25 bilhões, tornando-o um dos membros da realeza mais ricos do mundo.

Mohammed nasceu como o primeiro filho do príncipe Salman bin Abdulaziz e de sua terceira esposa, Fahda bint Falah Al Hithlain. Após se formar em direito pela Universidade King Saud, ele atuou como conselheiro de seu pai. Quando Salman se tornou rei, Mohammed foi nomeado ministro da defesa e vice-príncipe herdeiro em 2015. Ele foi promovido a príncipe herdeiro em 2017, após a demissão do príncipe herdeiro Muhammad bin Nayef. Salman passou o cargo de primeiro-ministro para seu filho em 2022.

Assassinato de Jamal Khashoggi e a implicação de Mohammed bin Salman

O governo de Mohammed é autoritário, sem instituições democráticas, e caracterizado por repressão generalizada. Dissidentes políticos, ativistas de direitos humanos, acadêmicos islâmicos, jornalistas e outros são sistematicamente reprimidos, com relatos de tortura, prisões e até execuções extrajudiciais realizadas por um grupo chamado Esquadrão Tigre. A CIA implicou Mohammed no assassinato de Jamal Khashoggi, jornalista crítico do governo saudita, embora ele tenha negado envolvimento. Mohammed também liderou a intervenção saudita no Iêmen, agravando a crise humanitária no país. Seu governo esteve envolvido em várias controvérsias diplomáticas, incluindo a detenção do primeiro-ministro libanês Saad Hariri e uma briga com o Canadá.

As relações entre a Arábia Saudita e a administração Biden foram tensas, especialmente após Mohammed se recusar a aumentar a produção de petróleo em resposta à invasão russa da Ucrânia em 2022.

Mohammed implementou algumas reformas para melhorar a imagem de seu governo, incluindo regulamentações que restringem os poderes da polícia religiosa e melhoram os direitos das mulheres, como a revogação da proibição de mulheres dirigirem e a redução do sistema de tutela masculina. Ele também promoveu desenvolvimentos culturais, como concertos públicos, maior presença das mulheres no mercado de trabalho e a abertura do país ao turismo internacional.

O programa Visão Saudita 2030 busca diversificar a economia saudita investindo em setores não petrolíferos. Sob o governo de Mohammed, a Arábia Saudita coordenou sua política energética com a Rússia e fortaleceu as relações com a China. Em 2023, o país restaurou relações diplomáticas com o Irã, buscando uma maior aproximação regional e negociações de paz com os Houthis, mediadas pela China.
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎
Em maio de 2017, Mohammed, também conhecido como o Príncipe Herdeiro da Arábia Saudita, fez um aviso público enfático afirmando que ninguém escaparia de acusações de corrupção, independentemente de seu status, seja príncipe ou ministro. No mês seguinte, em novembro de 2017, ele iniciou uma série de ações que ficaram conhecidas como "o expurgo da corrupção". Cerca de 200 empresários e príncipes ricos foram colocados em prisão domiciliar no luxuoso hotel The Ritz-Carlton, em Riade, por ordem do Príncipe Herdeiro.

Entre os detidos estava o príncipe e bilionário saudita Al-Waleed bin Talal, um influente acionista em empresas como o Citigroup, News Corp e Twitter, bem como mais de 40 príncipes e ministros do governo. Todos enfrentavam acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.

Além disso, outras figuras proeminentes foram presas ou demitidas, incluindo o príncipe Mutaib bin Abdullah, chefe da Guarda Nacional da Arábia Saudita, o Ministro da Economia e Planejamento, Adel Fakeih, e o comandante da Marinha Real Saudita, almirante Abdullah bin Sultan bin Mohammed Al-Sultan.

O período em que os detidos estiveram no Ritz-Carlton ficou conhecido como "a noite do espancamento", pois muitos deles foram espancados e submetidos a tratamentos brutais, incluindo serem amarrados em posições de estresse como forma de tortura. Os interrogadores procuravam obter informações sobre as participações financeiras dessas pessoas no exterior, enquanto os detidos muitas vezes não sabiam por que estavam sendo mantidos sob custódia. Eles foram ameaçados e pressionados a transferir grandes somas de dinheiro de contas no exterior. Algumas transações foram identificadas como sendo resultado de coerção pelos bancos suíços, que conseguiram bloquear algumas delas. Não houve devido processo ou acordos de confissão durante o processo. As autoridades dos EUA descreveram essas ações como "coerção, abuso e tortura", e dezessete detidos tiveram que ser hospitalizados devido aos maus-tratos.

Havia várias teorias sobre os motivos por trás dessas prisões em massa. Uma delas sugeria que fazia parte de uma estratégia de Mohammed para consolidar seu poder e eliminar possíveis rivais dentro do reino. Foi notado que o rei Salman havia criado um comitê anticorrupção liderado pelo Príncipe Herdeiro pouco antes das prisões serem ordenadas.

Outra teoria era que o expurgo fazia parte de um esforço mais amplo de reforma na Arábia Saudita. Argumentou-se que Mohammed estava tentando colocar a família real sob o escrutínio da lei, o que poderia ser um passo crucial para implementar reformas fiscais e econômicas no país. Isso foi visto como uma tentativa de responder às preocupações da população saudita, que estava enfrentando restrições econômicas, enquanto a elite do poder acumulava riqueza.

A agenda de reformas de Mohammed encontrou apoio entre a jovem população saudita, mas também enfrentou resistência de alguns membros mais conservadores da velha guarda. No entanto, pesquisas mostraram que a maioria dos jovens sauditas apoiava a campanha de combate à corrupção.

Além disso, as ações de Mohammed foram percebidas de maneira diferente por líderes internacionais. O então presidente dos EUA, Donald Trump, expressou apoio às medidas sauditas, enquanto o presidente francês Emmanuel Macron se recusou a comentar sobre assuntos internos da Arábia Saudita durante sua visita a Riade.

Em janeiro de 2019, o governo saudita anunciou a conclusão dos trabalhos do Comitê Anticorrupção. Ao longo desse período, a percepção da corrupção na Arábia Saudita melhorou gradualmente, de acordo com o Índice de Percepção da Corrupção, passando de uma pontuação de 46 em 2016 para 53 em 2019, a pontuação mais alta já registrada pelo país.

Em setembro de 2022, Mohammed foi nomeado primeiro-ministro da Arábia Saudita pelo rei Salman, uma nomeação que quebrou a tradição de o rei também ocupar o cargo de primeiro-ministro. Sua administração foi marcada por uma ideologia que mistura nacionalismo e populismo, com uma postura conservadora em relação à política e uma abordagem mais liberal em questões econômicas e sociais.

Repressão de direitos humanos na Arábia Saudita: o papel de MBS

No âmbito interno, Mohammed liderou um governo autoritário e repressivo, com ativistas de direitos humanos e dos direitos das mulheres enfrentando abusos e tortura. Críticos, jornalistas e opositores foram frequentemente alvos de perseguição e violência. Alguns casos notáveis incluem o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, que foi assassinado pelo regime saudita.

No entanto, Mohammed também implementou uma série de reformas sociais, como a redução dos poderes da polícia religiosa islâmica e a promoção de uma nova identidade saudita que minimiza a influência religiosa na esfera cultural. Ele também buscou uma codificação das leis sauditas, reduzindo a autoridade dos juízes wahhabis em favor de uma interpretação mais liberal e contemporânea da lei islâmica.

Além disso, Mohammed implementou mudanças significativas na política religiosa, promovendo a abertura à cultura ocidental secular e permitindo a realização de eventos culturais, como shows e filmes, que anteriormente eram restritos no reino. Ele também buscou limitar a influência do clero wahhabi saudita, que historicamente exerceu um controle significativo sobre a sociedade saudita.

Em dezembro de 2022, o governo saudita anunciou uma proibição governamental às estudantes muçulmanas de usarem a tradicional abaya em centros de exames, uma medida que reflete a contínua evolução das políticas sociais sob o governo de Mohammed.
Siga-nos
Mohammed bin Salman, frequentemente referido como MbS, é uma figura proeminente na política saudita, conhecido por seu papel como príncipe herdeiro da Arábia Saudita e sua influência nas áreas política, econômica e social do país. Seu governo tem sido caracterizado por uma série de reformas e iniciativas que visam transformar a Arábia Saudita em vários aspectos. Este resumo abordará a política econômica, incluindo a Visão 2030, bem como as reformas internas implementadas por Mohammed.

Visão 2030 e Diversificação Econômica


Mohammed bin Salman liderou a iniciativa chamada "Visão 2030", que é uma estratégia de longo prazo para reformar a economia saudita. A Visão 2030, apresentada em 2016, busca diversificar a economia do país e reduzir a dependência do petróleo, cuja sustentabilidade a longo prazo estava em questão devido ao esgotamento dos recursos petrolíferos. O plano inclui medidas para desenvolver fontes de receita não relacionadas ao petróleo, privatizar setores da economia, promover o governo eletrônico e promover o desenvolvimento sustentável.

Um dos principais projetos sob a Visão 2030 é "Neom", uma zona econômica de grande escala planejada para a costa do Mar Vermelho da Arábia Saudita, que se estenderá até a Jordânia e o Egito. Neom tem como objetivo atrair investimentos em áreas como energia renovável, biotecnologia, robótica e manufatura avançada. Além disso, a Arábia Saudita começou a emitir vistos de turista para estrangeiros como parte dos esforços para impulsionar a indústria do turismo.

Reformas na Indústria Petrolífera

Outra aposta importante de Mohammed foi sua tentativa de recuperar o domínio saudita nos mercados petrolíferos globais. Isso envolveu manter os preços do petróleo baixos por um período prolongado, levando muitos concorrentes à falência e depois cortando a produção de petróleo. No entanto, essa estratégia não teve o sucesso esperado, resultando na necessidade de cortar a produção e buscar acordos com outros países produtores de petróleo.

Reformas Internas e Modernização Cultural

No âmbito das reformas internas, Mohammed introduziu uma série de mudanças significativas na sociedade saudita. Isso incluiu a criação de uma autoridade de entretenimento que promoveu eventos culturais e esportivos, como shows de comédia e lutas profissionais. Além disso, o governo saudita anunciou planos para construir uma cidade cultural, esportiva e de entretenimento chamada Qiddiya, que incluirá um parque temático Six Flags.

O governo também tomou medidas para diversificar a economia e atrair investimentos estrangeiros, incluindo a criação de um esquema de residência permanente para estrangeiros e a abertura de cinemas públicos pela primeira vez em décadas.

Além disso, Mohammed bin Salman promoveu a ideia de um "Islã moderado" e uma sociedade mais aberta, afirmando que a Arábia Saudita deveria retornar a suas raízes de um país de Islã moderado, aberto a todas as religiões e ao mundo. Isso incluiu a permissão para que as mulheres frequentassem estádios esportivos e a abolição de punições como a flagelação.

Os Direitos Humanos na Arábia Saudita têm sido um tópico de grande controvérsia e preocupação internacional, especialmente durante o mandato de liderança de Mohammed bin Salman. Inicialmente, ele procurou projetar uma imagem da Arábia Saudita como implementadora de reformas, mas grupos de direitos humanos argumentam que a repressão piorou sob seu governo.

Durante seu governo, ativistas de direitos humanos foram presos em grande número, incluindo membros da Associação Saudita de Direitos Civis e Políticos. Antes da revogação da proibição de mulheres dirigirem em 2018, várias ativistas dos direitos das mulheres foram detidas, incluindo Loujain al-Hathloul, que enfrentou alegações de tortura e assédio sexual na prisão. Israa al-Ghomgham e seu marido também foram ameaçados com a pena de morte.

Em relação à política externa, Mohammed liderou a intervenção no Iêmen contra os rebeldes Houthi, resultando em uma grave crise humanitária e acusações de crimes de guerra. A guerra e o bloqueio do Iêmen causaram a morte de muitas crianças devido à fome.

As relações de Mohammed com outras nações também foram polêmicas. Ele teve uma relação complexa com os Estados Unidos, sendo elogiado e criticado por diferentes administrações. Durante a presidência de Trump, as relações foram mais amigáveis, enquanto a administração Biden adotou uma postura mais crítica em relação a Mohammed.

Em relação a outros países, Mohammed estabeleceu relações com Israel e fortaleceu os laços com a Rússia. Houve também momentos de tensão nas relações com o Catar e o Canadá.

O assassinato de Jamal Khashoggi, um jornalista saudita crítico de Maomé, ocorreu em outubro de 2018, quando ele desapareceu após entrar no consulado saudita em Istambul, Turquia. Autoridades turcas alegaram que Khashoggi foi assassinado no consulado e apresentaram evidências de vídeo e áudio que indicavam que ele foi torturado e assassinado por uma equipe saudita de 15 homens. Alguns desses homens eram membros da guarda-costas pessoal do príncipe Mohammed, o herdeiro do trono saudita. A Arábia Saudita negou as acusações, mas a resposta internacional foi de ceticismo.

A CIA concluiu com "alta confiança" que Mohammed bin Salman, o príncipe herdeiro saudita, ordenou o assassinato de Khashoggi. Isso foi baseado em várias evidências, incluindo uma conversa interceptada na qual o irmão de Mohammed ofereceu garantias de segurança a Khashoggi para entrar no consulado saudita. Os senadores dos EUA também foram informados pela diretora da CIA, Gina Haspel, sobre o envolvimento de Mohammed no assassinato.

Após o assassinato, vários países impuseram sanções à Arábia Saudita, e a ONU pediu uma investigação internacional sobre o caso. Mohammed negou qualquer envolvimento pessoal, mas a pressão internacional continuou.

Em fevereiro de 2021, um relatório desclassificado dos EUA afirmou que Mohammed bin Salman aprovou a operação para capturar ou matar Khashoggi. A Relatora Especial da ONU também instou os EUA a imporem sanções ao príncipe herdeiro.

Em 2022, Mohammed obteve imunidade nos EUA devido ao seu novo papel como primeiro-ministro saudita, mas isso não foi uma determinação de inocência.

Além do assassinato de Khashoggi, Mohammed enfrentou acusações relacionadas a questões como a intimidação de Saad al-Jabri, um ex-funcionário do governo saudita que buscou refúgio no Canadá, e o hackeamento do telefone de Jeff Bezos, que foi atribuído à Arábia Saudita.

As relações entre a Arábia Saudita e a China também se aprofundaram sob a liderança de Mohammed, com os dois países expandindo o comércio e a cooperação em várias áreas, incluindo tecnologia de mísseis balísticos. Além disso, a Arábia Saudita e o Irã restauraram os laços diplomáticos em 2023, mediados pela China.

O caso Khashoggi teve repercussões significativas nas relações internacionais e levantou preocupações sobre os direitos humanos e a liberdade de imprensa na Arábia Saudita.

O príncipe Mohammed bin Salman, também conhecido como MBS, liderou a Arábia Saudita com uma abordagem controversa em várias questões, incluindo ambientalismo e sua vida pessoal.

No que diz respeito ao meio ambiente, a Arábia Saudita sob sua liderança fez lobby para enfraquecer os acordos globais de redução de emissões de carbono. Internamente, o país anunciou esforços ambientais, mas muitos deles não tiveram sucesso.

Em junho de 2023, Mohammed participou de uma cúpula na França que visava reunir financiamento público e privado para combater as mudanças climáticas e proteger a biodiversidade. Ele se encontrou com o presidente francês Emmanuel Macron em Paris, indicando um interesse recente em questões ambientais.

Em sua vida pessoal, Mohammed se casou com sua prima Sara bint Mashour em 2008, com quem tem cinco filhos. No entanto, em 2022, surgiram relatos de que ele teria espancado sua esposa com tanta severidade que ela precisou de tratamento médico.

Além disso, Mohammed é conhecido por suas compras extravagantes, incluindo a aquisição do iate Serene por € 500 milhões em 2015 e do Château Louis XIV na França por mais de US$ 300 milhões. Ele também foi associado à compra da pintura "Salvator Mundi" de Leonardo da Vinci, embora a propriedade real da obra seja objeto de controvérsia.

O príncipe viajou extensivamente pelo mundo, se encontrando com líderes políticos, empresários e celebridades. Sua fortuna pessoal foi estimada em US$ 3 bilhões em 2018.

Em relação à pandemia de COVID-19, Mohammed foi mostrado recebendo a vacina em dezembro de 2020 como parte do plano de vacinação da Arábia Saudita.

Além disso, em dezembro de 2020, Mohammed investiu em empresas de jogos, como Take-Two Interactive, Electronic Arts e Activision Blizzard, através do fundo soberano da Arábia Saudita, citando seu interesse pessoal em videogames.

Em novembro de 2022, Mohammed recebeu um doutorado honorário em desenvolvimento sustentável da Universidade Kasetsart.

Seu papel na política internacional e sua liderança na Arábia Saudita o tornaram uma figura controversa e influente em nível global.

📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.