Maceió-AL

Protestos pacíficos e legais aumentam no Brasil após eleições

Veja também

Apoiadores do presidente Bolsonaro protestam contra o presidente eleito Lula no Rio de Janeiro
Apoiadores do presidente Bolsonaro protestam contra o presidente" eleito Lula "no Rio de Janeiro
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,25/11  de 2022




Por - Diane Jeantet, Associated Press

Por mais de três semanas, apoiadores do atual presidente Jair Bolsonaro, que se recusam a aceitar sua derrota nas eleições de outubro, bloquearam estradas e acamparam do lado de fora de prédios militares no Mato Grosso, a maior produtora de soja do Brasil. Eles também protestaram em outros estados do país, enquanto imploravam por intervenção das forças armadas ou ordens de marcha de seu comandante-em-chefe.

Desde a derrota nas eleições, Bolsonaro só se dirigiu à nação duas vezes, para dizer que os protestos são legítimos  desde que não impeçam as pessoas de ir e vir.

Bolsonaro também não negou o recente surgimento de violência. Ele, no entanto, contestou os resultados das eleições - que, segundo o presidente da autoridade eleitoral, parecem ter como objetivo alimentar protestos.

Bloqueios de estradas e atos de violência foram relatados nos estados de Rondônia, Pará, Paraná e Santa Catarina. Neste último, a Polícia Rodoviária Federal disse que os manifestantes que bloqueavam as rodovias empregaram métodos “terroristas”, incluindo bombas caseiras, fogos de artifício, pregos, pedras e barricadas feitas de pneus queimados.

“A situação está ficando muito crítica” no estado de Mato Grosso, disse o procurador-chefe Borges à AP. Entre outros exemplos, ele destacou que manifestantes em Sinop, a segunda cidade mais populosa do estado, ordenaram nesta semana o fechamento de lojas e comércios em apoio ao movimento. “Quem não fecha sofre represálias”, disse.

Desde a votação, Bolsonaro saiu da vista do público e sua agenda diária está praticamente vazia, gerando especulações sobre se ele está cogitando ou tramando.

As funções de transição do governo foram lideradas por seu chefe de gabinete, enquanto o vice-presidente Hamilton Mourão interveio para presidir as cerimônias oficiais. Em entrevista ao jornal O Globo, Mourão atribuiu a ausência de Bolsonaro à erisipela, uma infecção de pele nas pernas que, segundo ele, impede o presidente de usar calças.

Mas até as contas de mídia social de Bolsonaro ficaram em silêncio – além de postagens genéricas sobre seu governo, aparentemente de sua equipe de comunicação. E as transmissões ao vivo nas redes sociais que, com raras exceções, ele conduzia todas as quintas-feiras à noite durante seu governo cessaram. O silêncio marca uma reviravolta abrupta para o bombástico líder brasileiro, cujas legiões de apoiadores prestam atenção em cada palavra sua.

Ainda assim, os manifestantes, que estão acampados do lado de fora dos quartéis militares em todo o Brasil há semanas, estão certos de que têm seu apoio tácito.

“Entendemos perfeitamente por que ele não quer falar: eles (a mídia) distorcem suas palavras”, disse uma mulher de 49 anos que se identificou apenas como Joelma durante um protesto em frente ao monumental centro regional de comando militar em Rio de Janeiro. Ela se recusou a dar seu nome completo, alegando que o protesto havia sido infiltrado por informantes.

Joelma e outros dizem que estão indignados com a derrota de Bolsonaro e afirmam que a eleição foi fraudada, ecoando as alegações do atual presidente – feitas sem provas – de que o sistema de votação eletrônica é propenso a fraudes.

Cenas de grandes churrascos com comida gratuita e banheiros portáteis em vários protestos, além de relatos de viagens gratuitas de ônibus trazendo manifestantes para a capital, Brasília, levaram a investigações sobre as pessoas e empresas que financiam e organizam as reuniões e bloqueios de estradas.

O Supremo Tribunal Federal congelou pelo menos 43 contas bancárias por suspeita de envolvimento, informou o site de notícias G1, dizendo que a maioria é do Mato Grosso. Borges citou o envolvimento de atores do agronegócio nos protestos, muitos dos quais apóiam o esforço de Bolsonaro pelo desenvolvimento da floresta amazônica e sua autorização de pesticidas anteriormente proibidos. Em contraste, o presidente eleito da Silva prometeu reconstruir as proteções ambientais .

Mais recentemente, os manifestantes foram encorajados pela decisão do presidente de contestar oficialmente os resultados das eleições .


Na terça-feira, Bolsonaro e seu partido entraram com um pedido à autoridade eleitoral para anular os votos emitidos em quase 60% das urnas eletrônicas, citando um bug de software em modelos mais antigos. Especialistas independentes disseram que o bug, embora recém-descoberto, não afeta os resultados e o presidente da autoridade eleitoral, Alexandre de Moraes, prontamente rejeitou o pedido “bizarro e ilícito” .

De Moraes, que também é ministro da Suprema Corte, chamou isso de “um ataque ao Estado Democrático de Direito… com o objetivo de encorajar movimentos criminosos e antidemocráticos”.

Em 21 de novembro, o procurador-geral Augusto Aras convocou procuradores federais de estados onde os bloqueios de estradas e a violência se tornaram mais intensos para uma reunião de crise. Aras, que é amplamente visto como um fiel de Bolsonaro, disse que recebeu relatórios de inteligência de promotores locais e instruiu o governador de Mato Grosso a solicitar apoio federal para limpar suas rodovias bloqueadas.

No final das contas, isso não foi necessário, pois a polícia local conseguiu dispersar as manifestações e, na noite de segunda-feira, as estradas no Mato Grosso e em outros lugares foram todas liberadas, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal. Não ficou claro quanto tempo isso duraria, no entanto, em meio ao silêncio contínuo de Bolsonaro, disse Guilherme Casarões, professor de ciências políticas da universidade da Fundação Getulio Vargas.

“Com o silêncio dele, ele mantém as pessoas nas ruas”, disse Casarões. “Essa é a grande vantagem que ele tem hoje: uma base muito mobilizada e muito radical.”

A repórter da Associated Press, Carla Bridi, em Brasília, Brasil, contribuiu para este relatório.

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui



Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎




📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>