Maceió-AL

Novo golpe militar em Burkina Faso

Veja também

O porta-voz do golpe, capitão Kiswendsida Farouk Azaria Sorgho, lê uma declaração em um estúdio em Ougadougou na sexta-feira.CRÉDITO:
O porta-voz do golpe, capitão Kiswendsida Farouk Azaria Sorgho, lê uma declaração em um estúdio em Ougadougou na sexta-feira.
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas






Ouagadougou, Burkina Faso: Mais de uma dúzia de soldados tomaram o controle da televisão estatal de Burkina Faso na sexta-feira, declarando que o líder do golpe que se tornou presidente do país, o tenente-coronel Paul Henri Sandaogo Damiba, foi deposto após apenas nove meses no poder.

Um comunicado lido por um porta-voz da junta disse que o capitão Ibrahim Traore é o novo líder militar de Burkina Faso, um país volátil da África Ocidental que está lutando contra uma crescente insurgência islâmica.

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui
Os novos líderes militares de Burkina Faso disseram que as fronteiras do país foram fechadas e que o toque de recolher entraria em vigor das 21h às 5h. O governo de transição e a assembléia nacional foram dissolvidos.

Damiba e seus aliados derrubaram o presidente democraticamente eleito, chegando ao poder com promessas de tornar o país mais seguro. No entanto, a violência continuou inabalável e a frustração com sua liderança cresceu nos últimos meses.

“Diante da situação de segurança cada vez pior, nós, oficiais e suboficiais das forças armadas nacionais, fomos motivados a agir com o desejo de proteger a segurança e a integridade do nosso país”, disse o comunicado lido pelo porta-voz da junta, capitão Kiswendsida. Farouk Azaria Sorgho.

Os soldados prometeram à comunidade internacional que respeitariam seus compromissos e instaram os burkinabes “a fazerem seus negócios em paz”.


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

“Será convocada uma reunião para adotar uma nova carta constitucional de transição e selecionar um novo presidente de Burkina Faso, seja civil ou militar”, acrescentou Sorgho.

Damiba tinha acabado de voltar de um discurso na Assembleia Geral da ONU em Nova York como chefe de Estado de Burkina Faso. As tensões, porém, vinham aumentando há meses. Em seu discurso, Damiba defendeu seu golpe de janeiro como “uma questão de sobrevivência para nossa nação”, ainda que tenha sido “talvez condenável” para a comunidade internacional.

Constantin Gouvy, pesquisador de Burkina Faso em Clingendael, disse que os eventos da noite de sexta-feira “seguiram-se às crescentes tensões dentro da junta governante do MPSR e do exército em geral sobre decisões estratégicas e operacionais para combater a crescente insegurança”.

“Os membros do MPSR sentiram cada vez mais que Damiba estava se isolando e deixando de lado aqueles que o ajudaram a tomar o poder”, disse Gouvy à Associated Press.


Tiros explodiram na capital, Ouagadougou, no início da sexta-feira e horas se passaram sem qualquer aparição pública de Damiba. No final da tarde, seu porta-voz postou um comunicado na página da presidência no Facebook dizendo que “está em andamento negociações para trazer de volta a calma e a serenidade”.

Os desenvolvimentos de sexta-feira pareciam muito familiares na África Ocidental, onde um golpe no Mali em agosto de 2020 desencadeou uma série de tomadas de poder militar na região. O Mali também viu um segundo golpe nove meses após a derrubada de seu presidente em agosto de 2020, quando o líder da junta afastou seus colegas civis de transição e se colocou sozinho no comando.

Nas ruas de Ouagadougou, algumas pessoas já demonstravam apoio na sexta-feira à mudança de liderança antes mesmo de os golpistas tomarem as ondas de rádio do Estado.

François Beogo, ativista político do Movimento pela Refundação de Burkina Faso, disse que Damiba “mostrou seus limites”.

"As pessoas esperavam uma mudança real", disse ele sobre o golpe de estado de janeiro.

Alguns manifestantes manifestaram apoio ao envolvimento russo para conter a violência e gritaram slogans contra a França, ex-colonizadora de Burkina Faso. No vizinho Mali, a junta convidou mercenários russos do Grupo Wagner para ajudar a proteger o país, embora sua mobilização tenha atraído críticas internacionais.

Muitos em Burkina Faso inicialmente apoiaram o golpe militar em janeiro passado, frustrados com a incapacidade do governo anterior de conter a violência extremista islâmica que matou milhares e desalojou pelo menos 2 milhões.

No entanto, a violência não diminuiu nos meses desde que Damiba assumiu. No início deste mês, ele também assumiu o cargo de ministro da Defesa após demitir um general de brigada do cargo.

"É difícil para a junta burkinabe afirmar que cumpriu sua promessa de melhorar a situação de segurança, que foi seu pretexto para o golpe de janeiro", disse Eric Humphery-Smith, analista sênior da África da empresa de inteligência de risco Verisk Maplecroft.

No início desta semana, pelo menos 11 soldados foram mortos e 50 civis desapareceram depois que um comboio de suprimentos foi atacado por homens armados na comuna de Gaskinde, na província de Soum, no Sahel. Esse ataque foi “um ponto baixo” para o governo de Damiba e “provavelmente desempenhou um papel na inspiração do que vimos até agora”, acrescentou Huphery-Smith.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse na sexta-feira que quase um quinto da população de Burkina Faso "precisa urgentemente de ajuda humanitária".

“Burkina Faso precisa de paz, precisa de estabilidade e precisa de unidade para combater grupos terroristas e redes criminosas que operam em partes do país”, disse Dujarric.

Chrysogone Zougmore, presidente do Movimento Burkina Faso para os Direitos Humanos, chamou os desenvolvimentos de sexta-feira de "muito lamentáveis", dizendo que a instabilidade não ajudaria na luta contra a violência extremista islâmica.

“Como podemos esperar unir o povo e o exército se este é caracterizado por divisões tão sérias?” disse Zougmore. “É hora de essas facções militares reacionárias e políticas pararem de levar Burkina Faso à deriva.”

📙 GLOSSÁRIO:

Burquina Fasso, Burquina Faso ou simplesmente Burquina, é um país africano limitado a oeste e a norte pelo Mali, a leste pelo Níger, e a sul pelo Benim, pelo Togo, por Gana e pela Costa do Marfim. Sua capital é a cidade de Uagadugu.
🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>