Maceió-AL

Governo do Iêmen pede investigação sobre mortes de pacientes com câncer infantil em Sanaa

Veja também

Um veículo da polícia houthi patrulha uma rua em Sanaa, a capital iemenita controlada pelos rebeldes, onde pelo menos 10 crianças com leucemia morreram após receberem medicamentos vencidos. EPA
Um veículo da polícia houthi patrulha uma rua em Sanaa, a capital iemenita controlada pelos rebeldes, onde pelo menos 10 crianças com leucemia morreram após receberem medicamentos vencidos. EPA
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,16/10  de 2022




Pelo menos 10 crianças com leucemia morreram após receberem medicamento quimioterápico vencido

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui
O Ministério da Saúde dos rebeldes houthis disse na quinta-feira que as crianças estavam entre um grupo de 19 pacientes com leucemia com idades entre três e 15 anos e morreram no Hospital Kuwait em Sanaa depois de serem injetados com doses antigas de remédios contrabandeados em várias clínicas particulares.

Muammar Al Eryani, ministro da Informação do governo, disse que os houthis, apoiados pelo Irã, são os culpados pelas mortes e acusou os rebeldes de restringir o acesso a medicamentos que salvam vidas fornecidos por organizações internacionais para que possam ser vendidos no mercado negro com lucro.


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Em uma série de tweets na sexta-feira, Al Eryani disse que o número de mortes causadas pelo medicamento vencido era 18 e pediu uma investigação internacional.

“Pedimos à comunidade internacional, às Nações Unidas e às organizações internacionais, especialmente a OMS, que abram uma investigação urgente sobre o incidente, processem e responsabilizem os envolvidos e parem com as restrições e manipulação praticadas pela milícia Houthi com drogas doadas. , e o contrabando de medicamentos corruptos e vencidos por meio de empresas pertencentes a seus líderes”, disse.

A guerra civil do Iêmen desde 2014 cortou o acesso imediato a itens essenciais, como alimentos e remédios, dando origem a redes de contrabando em todo o norte controlado pelos rebeldes, bem como no sul controlado pelo governo.

Os houthis são frequentemente acusados ​​de bloquear ou atrasar entregas de ajuda humanitária, da qual 80% dos 30 milhões de habitantes do Iêmen dependem para sobreviver.

Vários médicos em Sanaa disseram à Associated Press que os oficiais houthis trabalham secretamente em parceria com contrabandistas de remédios que vendem tratamentos muitas vezes vencidos para clínicas particulares de armazéns em todo o país.

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>