Maceió-AL

Defeito imunológico pode deixar alguns vulneráveis ​​a infecções bacterianas raras

Veja também

Uma renderização digital de micobactérias.
Uma renderização digital de micobactérias.
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas






Todo mundo respira a bactéria do complexo Mycobacterium avium (MAC) de tempos em tempos, mas a maioria das pessoas não fica doente. Essas bactérias, primas da mortal Mycobacterium tuberculosis , tendem a viver suas vidinhas inofensivas em alimentos, solo, água ou poeira.

🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

MAC é um patógeno "oportunista", explica Cecilia Lindestam Arlehamn, Ph.D., Professora Assistente de Pesquisa do Instituto de Imunologia La Jolla (LJI). Algumas pessoas têm fatores de risco - como fibrose cística e doenças pulmonares estruturais, por exemplo - que as tornam propensas a desenvolver sintomas após a exposição ao MAC. O problema é que ninguém sabe exatamente por que esses fatores fazem tanta diferença.

Agora, o laboratório de Lindestam Arlehamn descobriu um defeito nas células imunes ligado ao risco de desenvolver a doença MAC. Como sua equipe relata em Frontiers in Immunology , as pessoas que apresentam sintomas de infecção por MAC têm menos células Th1 * especializadas (Th1 "estrela"), o que lhes rouba a capacidade de montar uma resposta imune eficaz às bactérias.

"Achamos que essas pessoas têm esse defeito celular entrando em exposição ao MAC", explica Lindestam Arlehamn, que trabalhou de perto no estudo com colaboradores da Universidade de Washington.

Esta pesquisa pode ser um passo para descobrir biomarcadores para prever o risco de doença pulmonar progressiva e respostas ao tratamento em pacientes com doença MAC.

Quando as células T não reagem

Em 2020, Lindestam Arlehamn recebeu financiamento por meio de um Tullie and Rickey Families SPARK Award para investigar como as células T combatem a doença. A esperança era que, analisando as células T de pessoas previamente infectadas com MAC, ela pudesse identificar alvos-chave, ou epítopos, onde as células infectadas por MAC são vulneráveis ​​a ataques do sistema imunológico.

As células T são normalmente críticas para combater infecções, mas para surpresa de todos, o trabalho de Lindestam Arlehamn revelou que o corpo humano tem uma resposta de células T muito limitada à infecção por MAC, e ela não foi capaz de descobrir epítopos específicos de MAC.

É bastante incomum que uma resposta de células T a um patógeno seja tão limitada. Era como se os voluntários do estudo infectados por MAC tivessem quase nenhuma "memória imunológica" de contrair a doença. Em vez disso, o projeto SPARK de Lindestam Arlehamn destacou um defeito celular inesperado que poderia explicar por que algumas pessoas ficam doentes enquanto outras não. "Isso também foi muito interessante", diz Lindestam Arlehamn.

O culpado oculto

Quando Lindestam Arlehamn analisou a expressão genética global (que genes são "ligados") em resposta à infecção por MAC, ela detectou uma grande diferença nas amostras de sangue de pessoas previamente infectadas com MAC e controles saudáveis.

As pessoas que tinham MAC pareciam ter um defeito imunológico que leva a um baixo número de células imunes "auxiliares" especiais chamadas células Th1* no corpo. As células Th1* normalmente ajudam a alertar as células de combate a patógenos do corpo para o perigo.

Lindestam Arlehamn e seus colegas foram os primeiros a mostrar que as células Th1* são particularmente críticas para combater um ataque de Mycobacterium , seja do MAC ou da Mycobacterium tuberculosis.

Seu trabalho é o primeiro a sugerir que esse defeito Th1* pode levar ao aumento da suscetibilidade à doença. Eles acham que é provável que, sem células Th1* suficientes, algumas células imunológicas importantes nunca recebam a mensagem de que o MAC está tentando invadir. Isso significa que as pessoas suscetíveis ao MAC podem ter tanto uma resposta imune inata de alto desempenho (com certas células causando inflamação no início do processo da doença) quanto uma resposta imune adaptativa de baixo desempenho (falta de células T ativadas para realmente parar a doença).

Para algumas pessoas, essa falta de defesa imunológica é demais para suportar. Para pessoas com fibrose cística, por exemplo, muco espesso nos pulmões pode interferir na capacidade das células T de patrulhar o tecido e detectar MAC. A falta de células Th1* poderia então ser um golpe duplo – adicionando disfunção do sistema imunológico a uma defesa já fraca nos pulmões. "Isso pode explicar parcialmente", diz Lindestam Arlehamn.


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Próximos passos para combater o MAC

Lindestam Arlehamn agora quer confirmar se o defeito que leva a menos células Th1* está presente em pessoas antes da exposição ao MAC. Ela planeja examinar amostras colhidas de pessoas no início da progressão da doença para ver se a falta de Th1* é uma característica para elas também. Ela também gostaria de estudar amostras de pessoas que foram expostas às mesmas fontes de MAC no ambiente.

“Se você mora junto com alguém com doença MAC, é provável que você também esteja exposto”, diz ela. Queremos ver se podemos definir respostas específicas de células T nesses indivíduos e procurar as diferenças entre aqueles que adoecem e aqueles que não adoecem."

Este trabalho pode ajudar os pesquisadores a entender exatamente como o MAC passa de inofensivo a altamente patogênico


📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>