Maceió-AL

Crianças com doença preexistente correm maior risco de COVID-19 grave e morte - AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS

Veja também

Pesquisa examina quais crianças foram mais gravemente adoecidas pelo COVID-19 e descobre que as vacinas foram significativamente protetoras As disparidades de saúde ao longo das linhas raciais e geográficas aumentaram os riscos daqueles com maior probabilidade de adoecer gravemente ou morrer, de acordo com o resumo apresentado durante a conferência nacional.  ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió ,08 de outubro  de 2022




As crianças que tinham uma doença subjacente estavam em maior risco de COVID-19 grave e morte, mas aquelas que foram vacinadas estavam razoavelmente bem protegidas, de acordo com um estudo observacional apresentado esta semana na Conferência Nacional e Exposição da Academia Americana de Pediatria (AAP) em Anaheim, Califórnia.

Pesquisadores do Centro Médico Southwestern da Universidade do Texas, em Dallas, analisaram os registros eletrônicos de saúde de pacientes com COVID-19 dos EUA com idades entre 0 e 18 anos de 12 de março de 2020 a 20 de janeiro de 2022.

Dos 218.759 pacientes pediátricos com COVID-19, 8.717 (4,0%) foram hospitalizados, internados em uma unidade de terapia intensiva, precisaram de ventilação ou morreram. O fator de risco mais forte para um desfecho grave foi uma doença preexistente (odds ratio [ORs], 2,27, 4,21 e 5,33 para idades de 0 a 2, 3 a 10 e 11 a 18 anos, respectivamente). O OR de doença grave entre os receptores de pelo menos uma dose de vacina COVID-19 em relação a nenhuma vacinação foi de 0,55 no grupo elegível para a vacina, indicando 45% de eficácia.



🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

As crianças que viviam no sul dos Estados Unidos eram mais propensas do que as do Centro-Oeste a ficarem gravemente doentes (ORs para o Centro-Oeste, 0,28, 0,18 e 0,18 para idades de 0 a 2, 3 a 10 e 11 a 18 anos, respectivamente) . Outros fatores de risco foram status de seguro de saúde desconhecido, infecção pela variante SARS-CoV-2 Alpha e raça negra.

“Dada a variação nas taxas de vacinação infantil nos Estados Unidos, esperamos que nossa pesquisa possa informar o alcance e outros esforços para aumentar as taxas de vacinação em crianças e adolescentes, particularmente em regiões e populações vulneráveis”, disse a principal autora Lyndie Ho, estudante de medicina. em um comunicado de imprensa da AAP

Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎



📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências

O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>